3 documentários sobre sustentabilidade para assistir hoje

por Diego Lorenzo
3 comentários

Hoje, no dia mundial do meio ambiente, o post é dedicado a 3 documentários sobre sustentabilidade que você precisa assistir. Mas antes de tudo, me permitam fornecer um pequeno panorama da situação. Desde a Conferência sobre o Clima, em Estocolmo, 1972, as nações do mundo procuram meios de melhorar suas ações para com o meio ambiente. Entretanto, a prioridade continua sendo manter o atual modelo econômico mundial. Por mais que o conceito de sustentabilidade tenha emergido àquela época e posteriormente tenha sido muito trabalhado, até agora os resultados obtidos foram pouco significativos.

Não menosprezo o gigantesco esforço que muitas organizações, governos e sociedades civis tem aplicado para que a sustentabilidade se firme como prática cotidiana. Entretanto, quantidade não significa qualidade! Enquanto uma ação bem intencionada e planejada dá um passo à frente, há outras 10 ações mais potentes já impregnadas na sociedade dando 1 passo para trás. Entendem o que quero dizer? Não está ocorrendo um peso real maior para a melhoria de fato. Expressão similar seria: nadar e morrer na praia, pois ainda há uma correnteza muito forte e contrária.

Todavia o foco aqui não é a parte técnico-teórica da sustentabilidade. Mesmo tendo vivenciado o ano mais quente já registrado, mesmo com inúmeras outras adversidades econômico-sociais e ambientais, é preciso continuar conscientizando. Portanto, a seguir, elenco 3 documentários sobre sustentabilidade.

MINIMALISM (2016)

Este documentário dirigido por Matt D’Avella nos traz a ideia de que estamos consumindo sem precedentes e sem necessidade. Mas o problema não é consumir e sim consumir compulsoriamente. Precisamos de coisas para sobreviver e outras para viver. Entretanto, quais delas são realmente essenciais? Que atitudes podemos ter e passar a ter para consumir apenas aquilo que é necessário e diminuir os excessos? Estas questões são apresentadas junto a entrevistas com pessoas que tomaram a decisão de viver como mínimo possível e de como foi e está sendo sua vida atual. Você pode assisti-lo na Netflix.

TASTE OF WASTE (2010) – sustentabilidade dos alimentos

O documentário Taste of Waste (Sabor do desperdício) do diretor Valentin Thurn busca expor a “cultura” do desperdício de alimentos pelo mundo. Produzimos muito mais do que necessitamos e não consumimos tudo, na verdade jogamos fora grande parte. Sendo que, desta última, ainda poderia se aproveitar muito para alimentar pessoas famintas. Só na União Europeia são 90 milhões de toneladas de alimentos jogadas fora a cada ano. E se juntarmos com a quantidade da América do Norte, poderíamos alimentar todas as pessoas famintas no mundo, 3 vezes.

PLASTIC OCEANS (2016) – sustentabilidade nos oceanos

Plastic Oceans (ou Oceanos de Plástico) foi elaborado e produzido pela Plastic Ocean Foundation, do Reino Unido. Eles expõe a atual condição de saúde dos oceanos e da cadeia alimentar, mediante a poluição por resíduos plásticos. Pois apenas uma pequena parcela do plástico produzido acaba sendo reciclada, enquanto mais itens são confeccionados. O foco principal é demonstrar que este problema é silencioso e muito perigoso, uma vez que estes resíduos levam de 200 a 500 anos para se degradar. A vida animal é completamente afetada em toda a cadeia, devido à ingestão de micro plásticos. E ao final dela, volta para nós. Mas os produtores também trazem soluções para que sejam postas em prática, principalmente as que versam sobre o uso dos materiais substitutos para o plástico. Você pode assisti-lo na Netflix.

Você também poderá gostar

3 comentários

Aline Amorim 9 de junho de 2020 - 17:50

Todos três estão na minha lista para assistir em breve!

resposta
Bárbara 5 de junho de 2020 - 18:57

Amei as indicações, nao tem como não assistir a todos eles!

resposta
Nana 5 de junho de 2020 - 16:48

Já vi o Minimalism – super top! Os outros tem na netflix ou no youtube?
Tem post novo no blog – adoraria sua visita 🙂
Bj e fk c Deus
Nana
http://procurandoamigosvirtuais.blogspot.com

resposta

Deixe um comentário