Apesar de não ter estabelecido nenhuma meta de leitura para 2020, quero continuar lendo mais ficção científica este ano. Aos pouquinhos vou me sentindo mais à vontade com o gênero e ganhando mais confiança para ler clássicos que estão parados na minha estante.

Ficção científica (ou sci-fi) é um gênero que normalmente lida com conceitos especulativos e imaginativos, ou seja, coisas relacionadas principalmente com o futuro, que envolvem ciência e tecnologia. Gosto desse gênero porque ele nos permite refletir sobre a sociedade. 

Acredito que seja uma excelente forma de te fazer pensar fora da caixinha. As histórias fazem com que você enxergue as coisas por outra perspectiva, além de pressupor as mudanças que nosso mundo poderá sofrer. Vou compartilhar 4 livros do gênero que quero ler este ano.

Babel-17 – Samuel R. Delany

Sinopse: Aos 26 anos, Rydra Wong é a poeta mais popular das cinco galáxias conhecidas. Quase telepaticamente perspicaz, sua obra captura o humor da humanidade após duas décadas de guerra selvagem. Desde a Invasão, a humanidade sofreu com fome, pragas e canibalismo – mas sua maior catástrofe será Babel-17.
Em meio a suspeitas de sabotagem, Rydra é convocada pelas Forças Armadas para analisar as ondas sonoras que precedem e sucedem cada ataque que ameaça minar os esforços da guerra. E no que aparenta ser um eco sem nexo, ela reconhece uma mensagem coerente, com toda a beleza, ordem e poder de persuasão que só uma língua possui. Agora, Rydra precisa reunir uma equipe improvável e dominar essa língua estranha. Ao compreender melhor o outro lado, será que conseguirá resistir à tentação de se juntar a ele? Clique aqui para comprar o livro através do meu link.

O fim da infância – Arthur C. Clarke

O fim da infância: Nos primeiros anos da Guerra Fria, uma raça tecnologicamente superior ao homem desce dos céus para governar a Terra.
Ao contrário do que se poderia imaginar, os invasores se mostram benevolentes e acabam conduzindo o planeta a um período de prosperidade jamais visto, em que não mais existem violência, fome e doenças. Com poucos focos de resistência, a humanidade se rende ao invasor.
Mas os Senhores Supremos têm suas regras: não é permitido a ninguém os conhecer, e a exploração do espaço está terminantemente proibida aos homens. Entre revelações surpreendentes e um vago mal-estar que assombra os corações humanos, o real propósito dos novos líderes permanecerá oculto por duzentos anos. Até que a humanidade esteja pronta. Que uma missão seja cumprida. Até que a raça humana conheça o destino que lhe foi traçado.

Os despossuídos – Ursula K. Le Guin

Sinopse:  Os Despossuídos é uma ficção científica incomum, utópica e distópica, sobre dois planetas gêmeos separados por conflitos e desconfianças, e um homem que arriscará tudo para reuni-los.
Urras é um mundo de abundantes recursos dividido em vários estados-nação. Em meio a extremos de riqueza e pobreza, dois deles estão em guerra para estender sua influência – e seu sistema político – sobre os demais. Anarres, por sua vez, é o planeta recluso e anarquista gêmeo de Urras, cuja visão utópica de seus colonizadores acabou criando uma ilusão de sociedade perfeita. Essa ilusão só é quebrada quando Shevek, um jovem físico brilhante de Anarres, descobre a Teoria da Simultaneidade, uma ideia que pode acabar com o isolamento de seu planeta e, ao mesmo tempo, avivar as guerras do planeta vizinho.

Metrópolis – Thea Von Harbou

Metrópolis: Em 2026, na cidade futurística de Metrópolis, a população divide-se em dois andares. No primeiro, uma elite dominante dispõe de todos os privilégios e desfruta os prazeres da vida; no segundo, subterrâneo, os trabalhadores empobrecidos e miseráveis lutam para sobreviver em jornadas estafantes; trabalhando constantemente para operar as máquinas que fornecem o poder aos ricos dirigentes.
Quando Freder, o filho do Senhor da grande Metrópolis e habitante do primeiro andar, se apaixona por Maria, da cidade subterrânea, começa a conhecer melhor as condições às quais os trabalhadores são submetidos. Uma revolta começa a surgir entre os operários, e só o que faltava para uma revolução era uma líder. Quando ela surge, nada pode conter a fúria dos oprimidos

Já leu algum desses livros?
Qual livro do gênero me recomenda?

2 comentários
FacebookTwitterPinterest

NO PINTEREST

Últimas publicações

Gris é um jogo relativamente curto, mas carregado de detalhes e significados. Se você está esperando encontrar uma personagem rancorosa, vingativa e com super poderes, pode ser que não goste dessa experiência. Ela foge do tradicional e é fascinante em todos os sentidos. A jovem usa a sua inteligência para sobreviver em um mundo sombrio e conseguir trazer as cores de volta para o seu mundo.

FacebookTwitterPinterest