Um livro que eu sempre indico e o que aprendi com ele

por Clayci
0 comentário

No terceiro desafio do projeto Literatura Criativa escolhi o tema: um livro que eu sempre indico e o que aprendi com ele. Essa categoria foi baseada no personagem Yoda de Star Wars para comemorar o “May the fourth be with you”. Não precisei pensar muito nesse desafio, pois sempre que alguém me pede alguma indicação de leitura, penso em Como parar o tempo do autor Matt Haig.

Em Como parar o tempo, iremos conhecer Tom Hazard

Nesse livro, o personagem Tom Hazard vive uma condição diferente dos demais. Ele não envelhece, ou melhor, a aparência dele não muda frequentemente. Tom já passou dos 400, mas aparenta ter 40 anos. Por conta disso, não pode se permitir viver normalmente sem que haja desconfiança ao seu redor. Para driblar esse problema, Tom vive como um nômade; a cada 8 anos ele altera a sua identidade e se muda para um novo lugar para não levantar suspeitas.

Como parar o tempo é um livro que precisa ser sentido. A narrativa é simples e não tem reviravoltas, mas o fato é que o autor escreve com a alma. Sabemos que um dia iremos morrer, porque esse é o ciclo da vida, todavia esta não é a realidade de Tom. Ele aparenta estar bem fisicamente, mas é fácil sentir o cansaço da sua mente. Sentimos o peso, as dores e as perdas que ele teve que enfrentar durante todos esses anos. O autor conseguiu desenvolver um enredo tão simples, mas de forma tão poética.

Ocorreu-me que seres humanos não vivem além dos cem anos porque simplesmente não aguentavam. Psicologicamente, quero dizer. Você se acaba. Não há você o suficiente para seguir em frente. Você fica muito entediado com a própria mente. Com o modo como a vida se repete. Como, depois de um tempo, não há mais sorriso ou gesto inédito. 

Um livro que eu sempre indico e o que aprendi com ele
Como parar o tempo – Matt Haig

O que eu aprendi com o livro Como parar o tempo?

1- É impossível ter o controle de tudo.

Tom tem mais de 400 anos e mesmo não conseguindo prever o futuro, sabe que irá encontrá-lo. Ele vive uma condição especial e mesmo assim não consegue controlar a sua própria vida. É importante parar de desperdiçar o nosso tempo pensando no futuro e se concentrar apenas naquilo que está ao nosso alcance.

2- Vença a preocupação excessiva

Na história, Tom vive com dores de cabeça, insônia, estresse, enjoo e isso tudo porque carrega muita coisa dentro dele. Sei que é preciso ter responsabilidade e às vezes nos anteciparmos ajuda a evitar um problema maior. Porém uma pequena preocupação leva a outra e quando menos esperamos nossa vida está chegando ao fim.

3- Coloque pra fora

Eu tenho muita dificuldade para colocar o que estou sentindo para fora; e isso é algo que estou exercitando com as minhas consultas ao psicologo. Pra mim, escrever é mais fácil, só que não posso depender apenas dessa ferramenta. Na história, Tom vive uma condição especial e não pode ser expor. Ele sofre por não conseguir compartilhar a sua história com alguém sem parecer “louco”. Mas não precisamos viver como ele, por isso coloque pra fora o que está sentindo.

Sem dúvidas é um livro que eu sempre indico! Mas agora quero saber: Qual é o livro que você sempre indica?

Quer participar do desafio? No meu perfil do Instagram (@clayci) criei uma pasta nos destaques chamada Criatividade. Lá eu falo mais sobre a proposta e semanalmente lanço um tema. Não estabeleci prazo para postagem da sua foto. Escolha o desafio que te fizer bem e crie o conteúdo no seu tempo. Use a #literaturacriativa na hora de publicá-la para mais pessoas conhecerem o seu trabalho. O objetivo do Literatura Criativa é estimular sua criatividade, evitar bloqueios criativo e inspirar na criação de conteúdo.

Você também poderá gostar

Deixe um comentário