Pollyanna: O livro que marcou a minha vida

por Clayci
9 comentários

Hoje eu vim conversar sobre o clássico Pollyanna, mas antes quero saber: Você tem algum livro especial que tenha marcado alguma fase da sua vida? Aquele que você sentiu que leu no momento certo e desde então carrega a história com você? Já faz um tempo que eu estava com a ideia de lançar um desafio fotográfico envolvendo livros no instagram. Quis aproveitar esse momento de quarentena para colocá-lo em prática. Com esses dias conturbados, fica difícil distrair a mente e focar em atividades que exijam concentração. Por mais que a minha rotina não tenha mudado tanto, pois trabalho de casa, não consigo me concentrar com as notícias surgindo.

Tive que filtrar e estabelecer horários para me informar sobre o mundo e preservar a minha saúde mental (ou o que ainda resta dela). E para continuar estimulando a minha criatividade e produzindo, decidi criar o projeto #LiteraturaCriativa.

O objetivo é criar desafios para evitar o bloqueio criativo e inspirar a criação de conteúdo. Tentarei lançar temas semanais, mas não estabeleci prazo para colocá-los em prática. A ideia é que você faça no seu tempo e com coisas que você tem em casa para desafiar a sua criatividade.

Um livro que marcou a minha vida

O primeiro desafio que lancei foi “Fotografe um livro que marcou alguma fase da sua vida e compartilhe a sua história com os seus seguidores“. E para esse tema escolhi o livro Pollyanna. Escolhi porque essa personagem tem muitos significados na minha vida. Foi o primeiro livro que peguei emprestado em uma biblioteca e o primeiro que li sozinha aos 9 anos. Não foi fácil ler uma história sem imagens, com mais de 150 páginas e com prazo para devolução.

Pollyanna: O livro que marcou a minha vida

Me emocionei com a pequena Pollyanna em uma fase que eu nem sabia o significado da palavra perseverança. Quando conclui a leitura, quis compartilhar esse livro com todos os meus colegas de classe, mas desde cedo descobri que eu não tinha o poder da influência hahaha, pois ninguém se importou com a história. Mas sempre carreguei o conteúdo comigo e por mais que eu tenha gostado de acompanhá-la na infância, foi na adolescência que a história se mostrou tão importante pra mim.

Sei que se reler essa história não sentirei mais aquele impacto. A vida dá um jeitinho de acabar com a nossa inocência. Não é fácil fazer o jogo do contente no meio de uma pandemia. Não é fácil enxergar o lado positivo quando há várias pessoas morrendo e lutando para sobreviver. Mas é exatamente esse sentimento que a Pollyanna proporciona: empatia.

Se fosse possível, a personagem estaria aqui pedindo para que – apesar de tudo – agradecêssemos. Provavelmente a ignoraríamos, mas ela daria um jeito de mostrar que vale a pena continuar acreditando. Eu não sou a Pollyanna e não me sinto confortável para te convidar a fazer o jogo do contente, mas desejo de coração que o seu dia seja leve e positivo.

Ps: Meu amor pelo livro é tão grande, que coleciono várias edições dessa história.

Veja quem está participando do projeto

Quer participar do desafio? No meu perfil do Instagram (@clayci) criei uma pasta nos destaques chamada Criatividade. Lá eu falo mais sobre a proposta e semanalmente lanço um tema. Não estabeleci prazo para postar a sua foto. Escolha o desafio que te fizer bem e crie o conteúdo no seu tempo. Use a #literaturacriativa na hora de publicá-la para mais pessoas conhecerem o seu trabalho. O objetivo do Literatura Criativa é estimular sua criatividade, evitar bloqueios criativo e inspirar na criação de conteúdo.

Sinopse: A pequena Beldingsville, uma típica cidadezinha do início do século XX na Nova Inglaterra, Estados Unidos, nunca mais seria a mesma depois da chegada de Pollyanna, uma órfã de 11 anos, que vai morar com a tia, a irascível e angustiada Polly Harrington. Por influência da menina, de uma hora para outra, tudo começa a mudar no lugarejo. Tia Polly aos poucos torna-se uma pessoa melhor, mais amável, e o mesmo acontece com praticamente todos os que conhecem a garota e seu incrível “Jogo do Contente”. Uma otimista incurável, Pollyana não aceita desculpas para a infelicidade e empenha-se de corpo e alma em ensinar às pessoas o caminho de superar a tristeza.

Você também poderá gostar

9 comentários

Nina Spim 14 de maio de 2020 - 19:19

Oi, Clayci! Nossa, adorei o projeto, eu participava de um parecido, com livros, também. Por enquanto não tenho como participar, porque já tenho meus posts fechados para este mês e o próximo, mas quem sabe em julho! Eu já li Pollyanna e adorei. Li-o agora adulta e, mesmo assim, fiquei encantada. Eu tenho o Pollyanna Moça, mas ainda não li. Se eu tivesse que escolher o livro que me marcou seria, com certeza, Harry Potter. Foi o livro que me apresentou a literatura de uma forma totalmente diferente, e a partir dele eu me fiz leitora. Atualmente estou relendo a saga e tem sido maravilhoso! Adorei suas fotos, essa última capa me lembra muito Anne With an E! Quem sabe foi inspirado, né?

Love, Nina
http://www.ninaeuma.blogspot.com

resposta
Clayci 17 de maio de 2020 - 10:54

Sem problemas, Nina. Quado puder!! Vou adorar ver vc participando <3

resposta
Gabrielle Garcia 8 de maio de 2020 - 10:04

Esse é um livro que eu ainda não li, mas sempre tive curiosidade (parabéns pelas fotos, ficaram lindas).
Por incrível que pareça, estou nesse exato momento com um livro que está marcando um momento da minha vida que é o Destrinchando da autora Julie Powell, um livro que me pegou de surpresa e de jeito! Tão bom quando isso acontece né? Não esquecerei dele tão fácil

resposta
kênia Cândido 8 de maio de 2020 - 09:40

Oi Clayci

Um livro que marcou muito minha vida foi O Ovo da Bruxa, pois foi o primeiro livro que li realmente sozinha e abriu as portas da literatura na minha vida. Eu ainda não tive a chance de ler Pollyanna, mas pela sua postagem eu fiquei com vontade. Vou adicionar na minha meta de leitura. Obrigada pela dica.

Bjos

resposta
kênia Cândido 8 de maio de 2020 - 09:15

Oi Clayci.

Eu tenho muito carinho especial com o livro O Ovo da Bruxa, pois foi o primeiro livro que realmente li sozinha na infância. Ele marcou e abriu as portas para a literatura. Eu ainda não tive a oportunidade de ler Pollyana e sinceramente não sei porquê. Adorei sua postagem e vou adicioná-lo na minha meta de leitura. Vou muita isso.

Bjos

https://historiasexistemparaseremcontadas.blogspot.com/

resposta
Thainá Christine 2 de maio de 2020 - 11:35

Olá, Clay!
Estou participando desse seu desafio e mesmo só tendo postado o primeiro ainda já posso dizer que estou adorando! Adorei a forma que você mesclou criatividade com fotografia e amor aos livros. Por mais que eu não seja muito criativa nas minhas composições, acredito que o desafio trará muitas outras coisas positivas para mim e até mesmo para o meu IG. Por isso desde já agradeço pela iniciativa e ideia incrível!
Eu sempre vejo as pessoas falando sobre como Pollyanna as ajudaram e de como o livro é importante para elas, mas confesso que nunca o li. Mesmo assim, eu consigo sentir uma coisa boa emanando do livro, já que as opiniões sempre trazem sensações de paz. Adorei saber que esse livro também é importante para ti.
<3

resposta
Clayci 4 de maio de 2020 - 14:44

Ahhh fico tão feliz em te ver participando <3
Muito obrigada, de verdade.

resposta
Nana 1 de maio de 2020 - 18:01

Tem uma amiga que todo chama de Poliana por causa do livro kkkk Tenho vários livros que marcaram vários momentos. Acho que da minha infância meu favorito seria Pretinho, meu boneco predileto.
Tem post novo no blog – adoraria sua visita!
Bj e fk c Deus.
Nana
http://procurandoamigosvirtuais.blogspot.com

resposta
Samara Gomes 1 de maio de 2020 - 12:08

Li hoje esse livro e amei bastante! Estou amando ler seus posts… vou até salvar em favoritos!

resposta

Deixe um comentário