Filmes & Séries, Tea time


O menino que descobriu o vento: O que aprendi com o filme

O que eu aprendi com: O menino que descobriu o vento

Sobre a história

O menino que descobriu o vento é um drama que retrata uma condição real de vida de muitos povos pelo mundo: o não acesso à energia elétrica. Porém, não é só este o fato principal da história. Ela também envolve as questões de povos africanos que vivem à miséria, que nada tem para se alimentar ou água para beber.

O filme é dirigido por Chiwetel Ejiofor, que também atua. Este longa é sua primeira direção e a origem da história é um relato de parte da vida de William Kamkwamba. O mesmo nasceu e viveu sua infância em Kasungu, no Maluí, país com um dos piores IDH do mundo.

O que eu aprendi com: O menino que descobriu o vento

Ambientado no início da década de 2000, quando William ainda era um adolescente vivendo em Kasungu. O filme retrata um período onde o mundo passava por crise econômica pós-terrorismo. Ao mesmo tempo, naquela região, mudanças climáticas afetavam o regime de chuvas e consequentemente a colheita de grãos. Todavia, a pobre população dos vilarejos era a que menos importava às autoridades e estavam à mercê de si mesmos.

William é dotado de uma inteligência singular e extrema curiosidade. Isto, junto da vontade de ajudar sua família e amigos do vilarejo, acaba por acreditar em uma ideia que mudaria a vida de todos ali. Uma solução que, em outras partes do mundo, é algo banal.

Crítica: O menino que descobriu o vento

O menino que descobriu o vento tem um enredo tocante e realista, que pode sim ser pesado para pessoas emotivas e que possuam empatia para com o próximo. Ao retratar as condições degradantes sob as quais vivem povos de vilarejos na África, e mostrar condições de miséria e fome. As cenas estão ponderadas para o cinema, pois não se trata de um documentário; do contrário seria ainda mais chocante.

Entretanto, por um lado você se vê mergulhado nos acontecimentos do filme e começa a encarar como mais um drama, enquanto por outro, fica aquela coceira na cabeça de que “espera um pouco, isso é real, isso aconteceu, e isso continua acontecendo mundo afora“. Ou seja, nesse exato momento que estou escrevendo, aquilo está acontecendo de fato em algum lugar do mundo.

O que eu aprendi com: O menino que descobriu o vento
The Boy Who Harnessed the Wind

Realidade

Em algum lugar do mundo as pessoas não tem comida; em algum lugar elas precisam escolher entre trabalhar para sobreviver ou estudar para tentar ter uma chance de vida melhor. Da mesma forma. em algum lugar o governo não se importa com os povos menos afortunados; em algum lugar as pessoas não tem o básico para se viver; em algum lugar, apesar de tantas adversidades, uma mente inteligente pode estar a espera de um despertar.

E isso aos poucos começa a pesar e pesar… você pensa quantas oportunidades as pessoas deixam de ter porque mal tem o que é fundamental para sobreviver e quantas outras deixam de desenvolver seu potencial, por não ter as condições necessárias. Ainda assim, mesmo com as adversidades, o potencial tende a querer se expandir e se libertar.

Então neste ponto o filme é realmente tocante. Busca por uma empatia para compreender a difícil vida de muitos ao redor do mundo. Com isso, você certamente irá tentar compreender como que coisas tão absurdas como o acesso à energia, a disponibilidade a meios de subsistência e o acesso à água e comida não são suplantados?

O que eu aprendi com O menino que descobriu o vento:

1 – Use as ferramentas que você tem até conseguir as que você precisa:

William é visto com um gênio da engenharia, mas o filme mostra que nem sempre ele teve as ferramentas que precisava para desenvolver a sua ideia. Ele fazia muito com pouco, pois caçava materiais no lixo para reutilizar. William prova que o mais importante não são os equipamentos que você tem, mas sim praticar o que você acredita e aprimorar as suas habilidades.

2 – Você não precisa ir tão longe para encontrar “inovação”

O mais longe que William conseguiu ir na sua adolescência, foi na biblioteca da escola que frequentava. Talvez essa tenha sido a cena que mais me emocionou no filme. Ver a felicidade em seu olhar ao entrar naquela sala com vários livros. Você já experimentou olhar ao seu redor e observar o ambiente em que está, com mais cuidado? Tente identificar o que pode ser melhorado, às vezes as coisas que melhoram nossas vidas, estão nas observações simples que identificamos no dia-a-dia. Use a criatividade para pensar em soluções.

3 – Não desista no primeiro “não” que receber

William coletava pedaços de sucatas no lixo e várias pessoas o criticavam por isso. Não deixe de fazer o que acredita por causa das críticas. Escute! Essas opiniões podem te ajudar a enxergar os problemas por outra perspectiva, mas não se sinta desencorajado. O que mais tem no mundo, são pessoas querendo dizer o que você deve ser, mas é você quem decide no que acreditar.

Conclusão

A partir do momento em que as pessoas do vilarejo nem sabiam como que metade das ideias de William poderiam ser reais e muito menos como que estas funcionavam, percebemos que esquecemos como metade do mundo ainda funciona.

Recomendo o filme. Ele está bem estruturado, é focado e objetivo. Os atores e atrizes atuam muito bem e não deixam que você se disperse. Inclusive todos os elementos do filme como fotografia, cultura e sociedade abordados e apresentados, ambientação se destacam. Dos filmes que acompanhei pela Netflix, este certamente se sobressai. E se você se interessar ainda mais pela história, pode depois pesquisar pela vida de William Kamkwamba.

Você já assistiu O menino que descobriu o vento hoje?

newsletter receba novidades

Receba atualizações do blog por email

veja também

  • e já estou com saudades

    Filmes & Séries

    Os filmes que assisti no mês do Halloween

    Por

  • e lidando aos poucos com a agorafobia

    Tea time

    Aprendendo a curtir minha própria companhia

    Por

  • O que Moonage Daydream, Projeto e Spencer tem em comum?

    Life

    O mês de setembro e suas influências

    Por

comentários

  • Meriane

    Estou deixando este comentário para dizer que gostei bastante do que acebei de ler aqui neste artigo, inclusive já salvei até meu navegador em meus favoritos.
    Abraços

    responder
  • Luana Souza

    Como sempre seus posts são maravilhosos, Clayci! Acho que ouvi o nome desse filme em algum lugar, mas deve ter passado batido por mim até ler seu post. Fiquei imensamente curiosa para ver, pois, embora eu me considere uma pessoa sensível no sentido de ser vulnerável a maneira como certas coisas me tocam, gosto de consumir esse tipo de coisa justamente para tomar mais consciência de realidades que vão muito além da minha.

    responder
  • Erika Monteiro

    Oi, tudo bem? Vi a indicação desse filme lá no instagram mas não tinha me atentado ao enredo. Pelas suas palavras dá para perceber o quanto ele é rico em ensinamentos e o quanto nos aproxima da realidade de outros povos. Realmente muitos não têm o que vestir, comer, e muito menos água. Vou tentar assistir no final de semana. Beijos, Érika =^.^=

    responder
  • lilian farias

    Eu terminei de ver Sabrina ontem para começar O menino que descobriu o vento e não tenho dúvidas que vou amar. Eu concordo, não dá para desistir no primeiro Não e precisamos inovar para redescobrir e explorar nossa capacidade mental

    responder
  • Ana Caroline Santos

    Olá, tudo bem? Na verdade nem conhecia o filme, porém fiquei curiosa com a sua resenha. Essa questão de trazer as lições aprendidas é bem bacana, e me deixou aguçada para entender essas escolhas. Gosto dessa mistura cultura e social que nos melhora como pessoa. Dica mais que anotada!
    Beijos,
    http://diariasleituras.blogspot.com

    responder
  • Saga Literária

    Olá, tudo bem?

    Esse filme é maravilhoso, é uma grande lição de superação e determinação que um garoto nos dá, pois ele enfrenta diversas dificuldades e jamais desiste do seu objetivo e sonho que é ajuda a sua família e as pessoas da região onde mora .
    Abraço!

    responder
Mais comentários
1 2

newsletter receba novidades

Receba atualizações do blog por email

veja também

  • e já estou com saudades

    Filmes & Séries

    Os filmes que assisti no mês do Halloween

    Por

  • e lidando aos poucos com a agorafobia

    Tea time

    Aprendendo a curtir minha própria companhia

    Por

  • O que Moonage Daydream, Projeto e Spencer tem em comum?

    Life

    O mês de setembro e suas influências

    Por

ir ao topo

Buscar no site

plugins premium WordPress
Tatuagem Literária: A vida invisível de Addie LaRue Frases do livro: A casa no mar Cerúleo Trechos do livro A sociedade de Atlas Trechos do livro: Mansão Gallant