Andando por São Paulo


Musical Lazarus + O homem que caiu na Terra

[pullquote align=”left” style=”style2″ width=”381″ size=”14″ line_height=”18″ bg_color=”#ffffff” txt_color=”#222222″][blockquote custom_class=”” txt_color=”#222222″ size=”22″ line_height=”32″]”Não é preciso.”
“O que não é preciso?”
“Ser de Marte para se sentir sozinho. Imagino que você já tenha se sentido sozinho muitas vezes, Dr. Bryce. Se sentido alienado. Você veio de Marte?” [/blockquote][/pullquote]

Eu só consigo pensar no meme “Ai Gabisó quem viveu sabe” para começar essa publicação. No dia 13/10 vivi uma experiência incrível no Teatro Unimed aqui em São Paulo. Finalmente conseguimos ingressos (o Di me acompanhou nesse dia) e fomos assistir ao musical Lazarus. O espetáculo ganhou uma versão brasileira e está em cartaz desde agosto, mas só agora que conseguimos lugares.

Co-escrito por Enda Walsh e David Bowie, o musical Lazarus ganhou uma versão dirigida por Felipe Hirsch. A apresentação é inspirada no romance O Homem que Caiu na Terra, de Walter Travis, cuja versão cinematográfica (1976) leva o próprio Bowie ao papel principal.

UM POUCO MAIS SOBRE “O HOMEM QUE CAIU MA TERRA”

Era humano, mas não exatamente um homem. Também como os homens, era suscetível ao amor, medo, a dores intensas e à autopiedade

O homem que caiu na Terra

O Homem que Caiu na Terra foi escrito por Walter Tevis em 1963 e ficou conhecido com a adaptação cinematográfica estrelada pelo David Bowie em 1976. No livro vamos conhecer Thomas Jerome Newton, um alienígena vindo do planeta Anthea, cuja missão é salvar os poucos habitantes sobreviventes de sua terra natal. Ele passou anos estudando o planeta por meio da transmissão dos canais de TV e rádio. Então, Newton trouxe todo o conhecimento que adquiriu com essa comunicação.

Só que para concluir a sua missão, será preciso se arriscar e conviver com os humanos. Com uma inteligência superior, Newton enriquecerá em poucos meses e arrecadará fundos para financiar um projeto misterioso. Em pouco tempo ele se torna um empresário bem sucedido no ramo de patentes tecnológicas; e devido ao sucesso começa a atrair a atenção de curiosos. Um destes curiosos se chama Nathan Bryce, um professor de química que fica intrigado com uma das invenções de Newton. Querendo saber como ele conseguiu tais tecnologias, Bryce decide investigá-lo mais a fundo

Musical Lazarus + O homem que caiu na Terra

Existe alguma salvação para a raça humana?

O livro é bem curtinho, mas é daquelas histórias que nos envolvem e nos fazem ficar refletindo a respeito por dias. Thomas Newton não imaginava que conviver e interagir com os humanos o angustiaria tanto. Walter Trevis conseguiu – com maestria – descrever o processo de humanização do Thomas sob um ângulo surpreendente.

Quando chegou à Terra, Newton acreditava ser bem diferente dos humanos. Por mais que ele conseguisse passar despercebido com os seus truques e forma física, ele sabia que era superior a raça humana. No entanto, com o passar do tempo e da convivência, o Antheano viverá uma crise existencial. Sua imagem no espelho continua a mesma, mas a percepção de si mesmo vai alterando conforme vive novas experiências.

O livro possui um tom bem pessimista, até porque o protagonista não tem muita fé na humanidade. Então se você está atrás de um livro de ação, acredito que não gostará da leitura. O homem que caiu na Terra descreve sentimentos e momentos de solidão, além da preocupação constante com a destruição da natureza quando surge uma ameaça de conflito nuclear.

Thomas Newton teve todo o treinamento preciso para colocar o seu plano em prática. Entretanto, quando chegou na Terra descobriu a sua fraqueza pelo álcool (ele se viciou em Gim) e a necessidade de interagir com os humanos. E o mais interessante é que mesmo que surja algumas pessoas que acabam gostando da sua presença, Newton continua com o sentimento de não pertencer a nenhum lugar.

SOBRE O MUSICAL

O musical Lazarus estreou oficialmente em Nova York em dezembro de 2015, com a presença de Bowie, um mês antes de sua morte. Na versão brasileira o ator Jesúita Barbosa interpreta Thomas Newton e fiquei apaixonada pela sua atuação. No elenco estão nomes como Bruna Guerin, Carla Salle, Rafael Losso, Gabriel Stauffer, Luci Salutes, Marcos de Andrade, Natasha Jascalevich, Olivia Torres, Valentina Herszage e Vitor Vieira. 

Musical Lazarus + O homem que caiu na Terra

São 18 músicas de diversas fases da carreira de Bowie. Na história – que se passa décadas depois de O homem que caiu na Terra – Newton não envelheceu e é como se ele estivesse preso no tempo. Ele quer voltar para o seu planeta e como não consegue achar uma solução, continua se entregando ao vício e vivendo entre a realidade e alucinação.

A música que abre o espetáculo é justamente ‘Lazarus” do último álbum lançado pelo Bowie chamado Blackstar. Esse single foi lançado dias antes do seu falecimento e a letra mostra a sua visão sobre a mortalidade.

É como se fosse uma despedida planejada de Bowie. Então dá para imaginar o quanto chorei quando ouvi essa música na voz do Jesuíta Barbosa. A experiência foi incrível, pois no palco há uma plataforma móvel que cria inclinações diferentes. Há espelhos no fundo e projeções geométricas que ajudam a criar o visual distorcido. Fiquei bem na frente e consegui admirar todos os detalhes.

PLAYLIST LAZARUS

Saí do teatro com aquela sensação maravilhosa de “quero mais”. Me emocionei e cantei todas as músicas do repertório. Sem dúvidas será um dia que vou guardar no coração, pois sou fã do ator e vê-lo interpretando um personagem que eu gosto e homenagem a um artista que amo, só fez com que o admirasse ainda mais. As apresentações vão até o dia 27/10 no Teatro Unimed na Alameda Santos.

newsletter receba novidades

Receba atualizações do blog por email

veja também

  • Fotografia

    Condado Maldito: Bruxas & Assombrações (Vol.1)

    Por

  • Fotografia

    Psicopata Americano – Bret Easton Ellis

    Por

  • Fotografia

    O mal nosso de cada dia (Só tem pecador nessa história) – Donald Ray Pollock

    Por

comentários

  • Luana Souza

    Pra mim é praticamente impossível ler esse livro e não se identificar nem que seja um pouco com o Thomas. É uma das minhas histórias favoritas, e eu amo tanto o livro quanto o filme com o Bowie. Teria amado ver esse musical *-* que experiência fantástica!

    responder
  • Ana Caroline Santos

    Olá, tudo bem? Pena qu não moro perto para poder apreciar o musical. Mas o livro tentarei ler sim! Imagino o quanto tenha se emocionado, afinal é um sentimento único. Adorei seu relato na totalidade, e ainda no final termos uma playlist <3
    Beijos,
    http://diariasleituras.blogspot.com

    responder
    • Clayci

      Foi emocionante sim <3
      Torcendo para esse musical ir para outras cidades

      responder
  • Joanice

    Olá

    Escuto muito Bowie no Spotify e isso aconteceu um pouco depois da morte dele. Nem sempre conhecemos um grande artista em vida, mas a apresentação deve ser esplêndida, principalmente pela escolha do ator para interpretá-lo.
    Beijos

    responder
  • Kênia Cândido

    Oi Clayci.

    Este livro da Darkside deve ser maravilhoso, nem preciso falar que tenho muita vontade de lê-lo. Porém meu dinheiro é curto para tantos livros desejados da editora. A sua opinião mostra que é uma leitura sensacional e fiquei curiosa por ter mencionado que o personagem não acredita na humanidade. Fiquei curiosa. Agora o musical deve ser uma preciosidade de assistir. Parabéns pelo post.

    Bjos

    https://historiasexistemparaseremcontadas.blogspot.com/

    responder
    • Clayci

      Te entendo perfeitamente
      Dá vontade de sair comprando tudo, né? O.O
      Esse livro é incrível.

      responder
  • Silviane Casemiro

    Olá!
    Até hoje eu não me lembro de ter visto esse filme na minha infância, mas como eu sei que passava demais no SBT com certeza eu devo ter visto. O musical deve ter sido maravilhoso, a experiencia de um teatro é unica e você sendo fã realmente deve ter sido marcante.

    Silviane, blog Memento MoriParticipe do Top Comentarista de Outubro

    responder
  • Larissa Dutra

    Olá, tudo bem? Que edição linda (claro né, Darkside…)! Não conhecia esse livro ainda, mas fiquei bem curiosa para ler depois de tudo o que tu disse. Amei tuas fotos e a dica, já quero ler!!!

    Beijos,
    Duas Livreiras

    responder
    • Clayci

      Ahhhh vai sim <3
      Vale super a pena

      responder
    • Karini Couto

      Amei a sua indicação! Deve ter sido uma experiência e tanto ir ao teatro presenciar essa crianção!
      Amei a playlist!
      Tenho o livro da Darkside e é uma edição, como tantas outras, maravilhosa e impecável!

      responder

newsletter receba novidades

Receba atualizações do blog por email

veja também

  • Fotografia

    Condado Maldito: Bruxas & Assombrações (Vol.1)

    Por

  • Fotografia

    Psicopata Americano – Bret Easton Ellis

    Por

  • Fotografia

    O mal nosso de cada dia (Só tem pecador nessa história) – Donald Ray Pollock

    Por

ir ao topo

Buscar no site