Fotografia


A Pequena Sereia e o Reino das Ilusões – Louise O’Neill

A Pequena Sereia e o Reino das Ilusões - Louise O'Neill
[penci_review id=”23117″]

Eu sempre tive uma relação de amor e ódio com a Ariel. Quando assisti “A pequena Sereia” pela primeira vez, me encantei com a personagem e decorei todas as músicas desse clássico. E apesar de carregar todas aquelas cenas no coração, a magia chegou ao fim quando cresci e dei uma chance para a obra original.

A grande diferença entre o Conto e a versão da Disney está no objetivo da personagem. Na aminação, Ariel quer conhecer o mundo humano e o que a incentiva é o seu sentimento pelo príncipe. Já no conto, nossa sereia sofre e se humilha para ser o destaque do reino celeste – mesmo que também tenha amor envolvido. Mas independentemente do objetivo, a história é sobre desejos. Mesmo com todas as consequências, o quão longe você iria para alcançar o que deseja?

Em A Pequena Sereia e o reino das ilusões, Gaia não medirá esforços para conquistar o que quer. E apesar dessa releitura lembrar bastante o conto original, temos uma mensagem muito importante e necessária.

A Pequena Sereia e o Reino das Ilusões - Louise O'Neill

SOBRE A HISTÓRIA

Neste reino as sereias só tem uma função: obedecer. Elas devem sorrir com frequência, falar só o necessário e ter uma aparência impecável. As sereias não recebem educação e crescem aprendendo que precisam seguir as normas, além de viver em um padrão de beleza para serem exploradas para o prazer masculino.

[penci_blockquote style=”style-2″ align=”none” author=”A Pequena Sereia e o reino das ilusões (pág. 92)”]Por que eu ficaria ofendida? Ser chamada de gorda não é um insulto, pequena sereia. É tão sem sentido quanto ser chamada de magra. São meras descrições. Foi seu pai quem considerou esta uma palavra negativa e um jeito negativo de ser.[/penci_blockquote]

Gaia cresceu sem a sua mãe, inclusive este é um assunto proibido no mar. Suas irmãs a culpam pelo desaparecimento dela e dizem que foram abandonadas – já que ela escolheu viver na terra ao se apaixonar por um humano. Sem respostas, Gaia cresceu sentindo falta de sua presença e se perguntando o que realmente aconteceu com ela.

A jovem acredita que conseguirá essas respostas em breve, pois seu aniversário de 15 anos chegou e finalmente poderá subir à superfície para espiar o mundo humano. Mesmo sendo a sereia mais linda e desejada, Gaia não quer cumprir o destino escolhido por seu pai; sua mão está prometida para Zale – ele tem mais de 60 anos e é uma pessoa poderosa no reino – e eles irão se casar quando ela completar os seus 16 anos.

Quando Gaia subiu para superfície pela primeira vez, se apaixonou por um humano chamado Oliver. Ele não sabe da sua existência, no entanto, a sereia o salvou de uma tempestade e das Rusalka. Gaia tentou esquecê-lo, mas um ano depois desse acontecimento, a sereia decide procurar a Bruxa do mar para pedir ajuda. Em troca de sua bela voz, a bruxa oferece pernas humanas e a chance de estar com esse jovem para sempre.

MINHA OPINIÃO

Apesar de ser um livro relativamente curto (200 páginas) muitas coisas aconteceram e nem sei por onde começar. Não sei se é porque estou envelhecendo, mas nos últimos tempos comecei a refletir sobre as condições problemáticas dos livros e filmes que fizeram parte da minha infância. Achei importante comentar isto aqui, pois a minha intenção não é problematizar aquilo que foi importante pra mim, mas sim identificar problemas que uma criança não é capaz de enxergar.

Essa releitura feminista da Pequena sereia que a Louise O’Neill publicou é necessária para discussão. Eu amo o conto o original (da mesma forma que guardo um grande carinho pela animação da Disney), porém se você refletir sobre a trama, verá que não é o tipo de história que devemos simplesmente aceitar. Por isso foi bom ler uma versão com um ponto de vista feminino e autêntico. Ainda temos à sensibilidade do conto de fadas, contudo ela adicionou a questão do amadurecimento e empoderamento da protagonista.

[penci_blockquote style=”style-2″ align=”none” author=”A Pequena Sereia e o reino das ilusões (pág. 93)”]Tradicional? E o que é tradicional? Seu pai julga que minhas Salka também são “anormais”, e o que elas são senão garotas afogadas? Ele crê ser tudo o que é tradicional e correto, e qualquer um com inclinações diferentes é julgado como pervertido só para ele provar que está certo.[/penci_blockquote]

Gaia e suas irmãs foram ensinadas a competir umas com as outras. Elas vivem se desentendendo e é nítida a inveja entre elas. Consegui sentir o peso do ambiente enquanto eu lia; cada irmã tinha a sua personalidade, entretanto eram infelizes, já que tinham que seguir as regras do Rei dos Mares. E Gaia não é uma personagem “amável”, pelo menos não consegui sentir empatia por ela logo de cara. Teve cenas que eu tive vontade de jogar o livro na parede porque ela dizia coisas absurdas. Mas ela foi criada nesse ambiente opressor e não tinha culpa nenhuma.

[penci_related_posts dis_pview=”no” dis_pdate=”no” title=”Não deixe de ler:” background=”” border=”” thumbright=”no” number=”4″ style=”list” align=”none” withids=”” displayby=”cat” orderby=”rand”]

Gaia não podia questionar e devia sempre sorrir.

[penci_blockquote style=”style-2″ align=”left” author=”A pequena Sereia e o Reino das Ilusões (pág. 155)”]As mulheres sempre levam a culpa. Você já notou isso? As esposas são as implicantes. A amante é uma piranha por trair a irmandade. E os homens simplesmente saem pela tangente.[/penci_blockquote]

Foi uma leitura importante, pois o livro é extremamente feminista e notamos isso logo na primeira página. As condições sexistas e infames de nossa sociedade estão presentes na releitura. A autora mostra um mundo em que as mulheres são subordinadas a qualquer homem lá fora. Apesar de Gaia ser a nossa protagonista, podemos notar que todas as mulheres, que aparecem nessa história, sofrem.

Mesmo quando Gaia consegue sair do ambiente em que cresceu, quando conquista a sua tão sonhada liberdade, demora para se habituar e entender que não precisa e nem deve ser uma mulher quieta e obediente. Todos nós crescemos com ideologias que nos são apresentados no ambiente em que vivemos. Mudar esses pensamentos não é algo fácil e nem acontece da noite para o dia. Em A Pequena Sereia e o Reino das Ilusões, a autora mostra que leva tempo para compreender e se livrar de padrões que nos cercaram a vida toda.

Senti raiva de todos os homens que cruzaram o caminho de Gaia. Eu fiquei com nojo do seu pai, principalmente quando ele soltava comentários e olhares maliciosos para as suas filhas. Só de ler as cenas com Zale, fiquei enjoada. E os amigos de Oliver? Realmente a autora conseguiu me fazer sentir raiva de todos os personagens masculinos dessa história. .

E assim como a Úrsula, tive vontade de conhecer melhor essa versão da Bruxa do Mar; uma personagem tão notável e complexa. Apesar de ter gostado da mensagem principal e achar uma leitura necessária, preciso admitir que ficou parecendo que este era o único objetivo da autora. Não criar uma história, mas sim uma reflexão. Isso é maravilhoso, todavia senti necessidade de saber mais sobre os personagens secundários. Tinha uma discussão política entre Zale e o Rei dos Mares, assim como queria entender melhor a avó de Gaia e até mesmo a mãe de Oliver. Uma continuação, seria maravilhoso!

Recomendo Fortemente! Obrigada Darkside Books, por trazer essa história pra gente.

newsletter receba novidades

Receba atualizações do blog por email

veja também

  • um cenário intrigante, perturbador e tocante

    Livros

    Como se fôssemos vilões – M.L.Rio

    Por

  • Maggie O'Farrell conseguiu me destruir

    Livros

    Hamnet – um livro que me fez chorar até soluçar

    Por

  • a princesa de Creta, desejada por homens e deuses... e irmã do temível Minotauro

    Livros

    Ariadne – Jennifer Saint

    Por

comentários

  • Camila Faria

    Oi Clay, jamais imaginei uma versão feminista d’A Pequena Sereia. Sensacional isso! A autora poderia até pensar num projeto de livros com essa pegada, várias releituras feministas de contos clássicos, seria lindo!

    responder
  • Larissa Dutra

    Olá, tudo bem? Caramba, que edição mais linda! Não costumo ler releituras, mas esse livro parece ser maravilhoso. Tenho quase certeza de que também irei ficar com raiva dos homens da história, principalmente do pai dela. Adorei a resenha!

    Beijos,
    Duas Livreiras

    responder
  • Sávio frança

    Assisti a um vídeo recentemente sobre esse livro e a edição chamou bastante minha atenção.
    Gostei dessa analise crítica que você fez, pois muitas vezes esses detalhes passam despercebidos por muitos leitores.
    Eu conheço apenas a versão da Disney, por isso fiquei com vontade de conhecer essa obra. Acredito que seja uma leitura que irei gostar.

    Abraço!

    responder
  • Lana Silva

    Quando vi esse livro achei a edição lindíssima e fiquei louca para adquirir. No entanto não sou muito fan de releituras o que acabou fazendo com que eu tivesse receio de adquirir a obra. Porém sua resenha mostra que tem muitas diferenças do conto da Disney, o que me despertou interesse e vontade de ler. Outro ponto e que o livro e curto, e acredito que a leitura será rápida e envolvente.

    responder
  • Ray Menezes

    Nossa, Clayci, eu tô louca pra ler esse livro! Eu sou fã das edições da Darkside e essa tá um absurdo de maravilhosa! Me chamou a atenção assim que vi a foto no insta deles, que capa linda! Depois de ler a sua resenha fiquei mais interessada ainda. A Pequena Sereia não é um dos meus clássicos favoritos, mas não tem como não ter um carinho pela animação da Disney. Quando vi que essa versão tinha uma pegada mais feminista, fiquei louca pra ler e tirar minhas impressões. Tô sempre de olho pra ver se acho num precinho legal xD

    Um beijo!
    Hey, Maria! | Fanpage

    responder
  • Thainá Christine

    Não sei porque, talvez por conta da capa e da temática, eu jurava que esse livro era na verdade uma HQ. Fiquei chocada ao descobrir que não, não é. Mas enfim, independente disso, achei o enredo importante e necessário. A Ariel, de longe, não é minha princesa favorita e, confesso, não sou muito ligada a sua história, porém acho que essa releitura se daria bem comigo. E sobre nossos gostos quando crianças, sempre me deparo com algum filme que eu AMAVA quando mais nova e hoje vejo que é cheio de sexismo, machismo e piadas ofensivas. Fico muito triste quando isso acontece, principalmente quando o filme fez, de alguma forma, parte da minha construção como jovem e adulta.

    http://www.sonhandoatravesdepalavras.com.br

    responder
    • Clayci

      Acredito que se fizessem nesse formato ficaria bem legal, hein?

      responder
  • Ane Carol

    Quando eu vi essa capa maravilhosa automaticamente já adicionei na minha lista de desejados. Porém recentemente li algumas resenhas sobre ele um tanto negativas o que me desanimou um pouco, quando vi que você estava lendo já fiquei aguardando sua resenha. Obrigada pela sinceridade suas palavras confiram alguns comentários que havia lido em outras resenhas e que me fez ver que no momento não seria uma leitura que eu aproveitaria tanto e acho que mais passaria raiva que tudo. kkkk

    responder
    • Clayci

      Eu admito que esperava dar 5 estrelas, pois o trabalho da editora ficou maravilhoso e só a capa vale tudo isso.
      No entanto me decepcionei um pouco,

      responder
  • Kelen de Oliveira Vasconcelos

    Olá Clayci,
    Achei a edição do livro completamente maravilhosa. A versão da Disney é a minha preferida, já ouvi e li algumas versões diferentes da história e ela sempre acaba morta no final, de alguma forma…o que é bem triste. Mas eu não sei se leria esse livro por ele ser tão extremamente feminista. O extremo é ruim na minha opinião. Pelo que escreveu com certeza a reflexão era a estratégia da escritora, mas isso faz a história perder elementos de sua veracidade histórica e fantasiosa. Claro, é uma versão, como existem várias versões. Creio que gosto de coisas mais equilibras, porque a realidade é assim: equilibrada, sempre haverá homens e mulheres bons e ruins.
    Amei sua resenha.
    Bjos
    http://www.kelenvasconcelos.com.br/

    responder
    • Clayci

      Eu senti que por ter um lugar importante de fala, seria melhor desenvolvido.
      Não que eu tenha me arrependido de ler, pelo contrário, a mensagem é incrível. Mas como vc disse sempre haverá homens e mulheres bons e ruins e queria que e queria que isso fosse melhor trabalhado.

      <3

      responder
Mais comentários
1 2 3

newsletter receba novidades

Receba atualizações do blog por email

veja também

  • um cenário intrigante, perturbador e tocante

    Livros

    Como se fôssemos vilões – M.L.Rio

    Por

  • Maggie O'Farrell conseguiu me destruir

    Livros

    Hamnet – um livro que me fez chorar até soluçar

    Por

  • a princesa de Creta, desejada por homens e deuses... e irmã do temível Minotauro

    Livros

    Ariadne – Jennifer Saint

    Por

ir ao topo

Buscar no site

plugins premium WordPress
Tatuagem Literária: A vida invisível de Addie LaRue Frases do livro: A casa no mar Cerúleo Trechos do livro A sociedade de Atlas Trechos do livro: Mansão Gallant