Maternidade


Maternidade: Expectativas e Realidades

Estar grávida é uma trajetória repleta de expectativas, sonhos e, às vezes, ilusões. À medida que me aproximo do final da gestação, não posso deixar de refletir sobre as expectativas que alimentei.

Este terceiro trimestre me trouxe um profundo entendimento de que cada experiência é única e pessoal, cada mulher tem sua própria história para contar. Por isso, desisti de algumas expectativas iniciais para dar espaço a uma compreensão mais profunda do que significa de fato uma maternidade real.

1. Expectativa: Não me afastarei de nenhum amigo.

Realidade: É normal perceber que, à medida que entramos nessa nova fase, nossos interesses e prioridades mudam. Não é sobre se afastar, mas sobre encontrar pessoas que compartilham as mesmas experiências e desafios. Às vezes, somente outras mães entendem as complexidades e as alegrias que estamos vivendo. Portanto, é importante não sobrecarregar aqueles que não estão passando por essa jornada.

Nesse processo, percebi que minhas amizades verdadeiras permaneceram firmes, mesmo que nossos encontros tenham se tornado menos frequentes. Elas compreenderam que minha vida estava passando por uma transformação profunda e continuaram ao meu lado, oferecendo apoio e compreensão quando mais precisei.

2. Expectativa: Gestar uma vida será mais fácil.

Realidade: A maternidade real nos mostra que a gravidez é repleta de surpresas e desafios únicos para cada mulher. Os sintomas podem variar amplamente e impactar nossos corpos e emoções de maneiras inesperadas. É importante lembrar que está tudo bem não se sentir 100% o tempo todo, e buscar apoio quando necessário. Afinal, essa é uma parte fundamental da experiência da maternidade real, onde cada momento é autêntico e válido.

No meu caso, senti essa dificuldade logo no início da gravidez. Não tive problemas com enjoos, porém encontrei outras limitações. Muitas dores de cabeça, azia, problemas com constipação, insônia… Em algum momento, você vai encontrar alguma dificuldade.

3. Expectativa: Meu corpo voltará ao normal.

Realidade: Descobrimos que cada corpo reage de forma diferente à gravidez. Algumas mulheres podem ver mudanças permanentes em seus corpos, enquanto outras podem recuperar sua forma anterior. O importante é aceitar as mudanças que seu corpo passou para trazer uma nova vida ao mundo. A maternidade real nos ensina a valorizar e respeitar essas transformações, reconhecendo que cada curva e marca são testemunhos de uma incrível jornada de amor e crescimento.

4. Expectativa: Minha vida será a mesma após a gravidez.

Realidade: Eu já imaginava que minha vida mudaria com a chegada da Cora, mas não consigo deixar de pensar nos hobbies que precisei abandonar para viver esse período. Não lembro a última vez que consegui ler da maneira que gostaria, e até mesmo abandonei minhas aulas de violino, algo que realmente me fazia beml

De fato, a chegada de um filho muda muitos aspectos da vida. Isso inclui a necessidade de adaptar a rotina, cuidar de alguém que depende totalmente de você e ajustar as prioridades. A maternidade nos ensina que, embora seja uma mudança desafiadora, também é uma oportunidade para crescimento pessoal e criar laços com seu bebê. É uma transformação profunda que nos leva a descobrir novas dimensões de amor, paciência e resiliência que nem imaginávamos antes.

Lembre-se de que a mudança não é necessariamente algo negativo. É uma parte natural da vida, um capítulo significativo. Mesmo com todas as expectativas que precisaram ser deixadas para trás, você está prestes a ganhar uma experiência que será repleta de amor, crescimento e novas aventuras.

newsletter receba novidades

Receba atualizações do blog por email

veja também

  • Maternidade

    Tentando lidar com a solidão Materna

    Por

  • Dois Meses de Cora: Descobertas, Desafios e Muito Amor

    Sobrevivendo ao Combo 'Hora da Bruxa' e Crise dos Três Meses

    Maternidade

    Dois reais ou um salto de desenvolvimento misterioso?

    Por

  • Maternidade

    Dois Meses de Cora: Descobertas, Desafios e Muito Amor

    Por

comentários

  • Gabriela Miranda

    Que gostoso ler o seu blogpost, Clayci. Estou de 34 semanas e desde que comecei a aceitar com o coração aberto as mudanças que a gravidez me trouxe, passei a me sentir mais tranquila. É claro que não foi um processo simples; vira e mexe ainda preciso me recordar de que está tudo bem viver num ritmo novo e não saber como serão os próximos capítulos.

    Obrigada pela delicadeza ao tratar desse assunto. Vou maratonar as outras postagens!

    Desejo tudo de bom para você e pra sua família.

    responder
  • Aline Amorim

    Eu acabei de entrar no terceiro trimestre da gravidez e estou amando ler seus posts sobre esse assunto.
    Eu também não tive enjoos, mas a enxaqueca aumentou bastante e estou tendo insônia, algo que eu não tinha antes.
    Tenho algumas amigas que estão grávidas e outras que já são mães e nos aproximamos ainda mais esses dias!
    Espero não desanimar de vez com as aulas de flauta depois do nascimento.
    Beijos!!

    responder
ir ao topo

Buscar no site

plugins premium WordPress
5 lições que aprendi no meu puerpério até agora Ritual de Leitura A canção de Aquiles: 5 motivos para ler Conheça a Quanti Café