Around


Conhecendo o Palacete da Dona Veridiana
e vendo o seu bom gosto de perto

Sabe aquelas oportunidades que a gente simplesmente não pode deixar passar? Então, foi assim que finalmente risquei um item da minha listinha de “coisas que provavelmente não vão acontecer, mas eu quero mesmo assim.” Precisei cobrir um evento que aconteceu lá no Iate Clube Santos, com a empresa que trabalho, e surgiu a oportunidade de visitar o casarão por dentro.

Acha mesmo que eu ia perder a chance de conhecer a “casa” da mulher que chocou o conservadorismo, em uma época onde as mulheres não tinham voz? Está certo que existem várias histórias sombrias e sinistras envolvendo o seu nome, mas a Dona Veridiana se separou do marido, comandou a própria vida, foi protagonista do seu tempo e tinha muito bom gosto.

Quem foi essa mulher que rompeu com os padrões das elites cafeeiras?

Veridiana Valéria da Silva Prado sempre se interessou pelos negócios do pai, tanto que ela sempre se dedicou aos estudos, tornando-se poliglota: ela aprendeu inglês, francês e alemão com suas governantas. Aos 13 anos foi forçada a se casar com o próprio tio que era 14 anos mais velho. E pelo que entendi, adoro pesquisar sobre ela, o divórcio ocorreu porque seu marido foi contra o casamento da filha deles.

Enquanto as fofocas rolavam, afinal, separação naquela época era um escândalo; Veridiana foi para Paris e voltou Inspirada na arquitetura francesa. Foi aí que ela deu início à construção de um palacete na chácara que comprara em 1879, no então bairro de Santa Cecília. 

A propriedade foi batizada com o nome de Vila Maria, como homenagem a sua dama de companhia Maria das Dores, que se casou com Antonio Pacheco Chaves, em um matrimônio apoiado por Veridiana.

É claro que meu passeio foi limitado! O espaço é usado para o clube e aberto para realizar eventos, por isso tem muita coisa pra ver. Entretanto, o acesso em certas áreas ocorre apenas sob autorização. Mas imagina a minha sensação ao subir aquelas escadas de mármore e pensar nas personalidades que já passaram por lá? Estou falando de Teodoro SampaioJoaquim NabucoGraça AranhaD. Pedro II e até mesmo a Princesa Isabel,

Agora, uma curiosidade bem interessante: ela chocou várias pessoas ao prover todas as mulheres da família em seu testamento. E sabe qual era a condição? Elas teriam que usar o dinheiro em proveito próprio, sem deixá-lo na mão dos seus maridos. Ahhh, Dona Veridiana, eu amei conhecer a sua casa e apesar de todo o falatório. Ia adorar tomar um chá e ouvir o seu lado da história.

Já conheciam a história da Dona Veridiana?

newsletter receba novidades

Receba atualizações do blog por email

veja também

  • um cenário intrigante, perturbador e tocante

    Livros

    Como se fôssemos vilões – M.L.Rio

    Por

  • Maggie O'Farrell conseguiu me destruir

    Livros

    Hamnet – um livro que me fez chorar até soluçar

    Por

  • a princesa de Creta, desejada por homens e deuses... e irmã do temível Minotauro

    Livros

    Ariadne – Jennifer Saint

    Por

comentários

  • Débora

    Nossa. Não conhecia nada dela nem do palecete que ela construiu. Que lugar lindo! Quero conhecer um dia. E que mulher à frente de seu tempo. Estou impressionada!
    Ah! Adorei o nome da sua lista. Estou pensando em criar uma assim pra mim. =D
    O lugar parece ser enorme. Teria medo de andar sozinha pelos corredores durante a noite.

    responder
ir ao topo

Buscar no site

plugins premium WordPress
Tatuagem Literária: A vida invisível de Addie LaRue Frases do livro: A casa no mar Cerúleo Trechos do livro A sociedade de Atlas Trechos do livro: Mansão Gallant