Maternidade


A gravidez é uma jornada solitária?
mesmo não amando o processo gestacional, isso não me faz menos mãe

Eu disse que iria usar o blog para compartilhar os altos e baixos dessa nova fase que estou vivendo e cá estou eu. Agora que “sobrevivi” ao primeiro trimestre consigo reconhecer o quanto aprendi nesses últimos meses. Não é fácil! E admito que ouvir o batimento acelerado do coraçãozinho da Cora, tem sido a única (e verdadeira) magia que tenho encontrado na gravidez.

Disse que não iria romantizar esse processo, né? A jornada da gestação não tem sido simples do lado daqui. Cada mudança, cada desafio, tem me assustado e me colocado à prova. Como mãe de primeira viagem, tudo é novo e desconhecido. Mas estou aprendendo, etapa por etapa, a me adaptar e a confiar em minha própria capacidade.

E mesmo não amando o processo gestacional, isso não me faz menos mãe. Acredito que é importante compartilhar essa perspectiva, pois muitas vezes nos sentimos pressionadas a desfrutar plenamente de cada momento da gravidez, quando a realidade pode ser muito diferente. Cada mulher tem suas próprias experiências e emoções em relação à gestação, e todas essas experiências são válidas.

Descobrindo a maternidade e lidando com emoções conflitantes

A gravidez pode ser uma jornada solitária em muitos aspectos.

Minha percepção até o momento é de que a gravidez é solitária. É claro que ter uma rede de apoio é fundamental durante essa fase. Ter pessoas próximas que nos compreendem, nos ouvem e nos apoiam pode fazer toda a diferença em momentos de dúvida e solidão. No entanto, reconheci nesses primeiros três meses que, apesar dessa rede de apoio, a gravidez pode ser uma jornada solitária em muitos aspectos.

Existem momentos em que nos sentimos incompreendidas, especialmente quando enfrentamos dificuldades físicas ou emocionais. Podemos nos sentir isoladas em nossos próprios pensamentos e emoções, questionando se outras mães passaram por situações semelhantes. Esses sentimentos de solidão são válidos e merecem ser reconhecidos.

Mas ao mesmo tempo percebo que não estou sozinha nessa experiência. Embora cada mulher tenha sua própria jornada, existem muitas outras mães que enfrentaram ou estão enfrentando desafios semelhantes. Cada mulher vive a maternidade à sua maneira, e todas as experiências são verdadeiras.

O mais importante é reconhecer e respeitar nossos próprios sentimentos, além de buscar o suporte emocional e a compreensão necessários. Portanto, se você estiver passando por algo semelhante, não se sinta diminuída por não amar ou não se identificar completamente com o processo gestacional. Sua experiência é única e valiosa, e você é uma mãe incrível.

newsletter receba novidades

Receba atualizações do blog por email

veja também

  • Maternidade

    Tentando lidar com a solidão Materna

    Por

  • Dois Meses de Cora: Descobertas, Desafios e Muito Amor

    Sobrevivendo ao Combo 'Hora da Bruxa' e Crise dos Três Meses

    Maternidade

    Dois reais ou um salto de desenvolvimento misterioso?

    Por

  • Maternidade

    Dois Meses de Cora: Descobertas, Desafios e Muito Amor

    Por

comentários

  • Gisele Quagliato

    Passei por isso duas vezes e concordo totalmente com você, pois tive a mesma impressão. A maternidade é solitária. Por mais que o pai participe, que a família esteja ali engajada e comemorando juntos, que sua rede de apoio seja ampla, sempre fica aquele sentimento, pois passamos por tudo sozinhas.

    A Maternidade tem, sim, seus altos e baixos, não tem problema romantizar às vezes, pois tem também seus momentos especiais, mas a verdade que de fato não é fácil toda essa mudança em nosso corpo, hormônios e principalmente psicológica.

    O que posso te dizer é para você curtir cada fase, apesar de ser complexa, passa rápido!

    Cada momento é único!

    Um super beijo e conte comigo para o que precisar. Um forte abraço!

    Gisele

    responder
    • Clayci Oliveira

      Muito obrigada pelas palavras de apoio, Gi!!!
      Estou tentando aproveitar o máximo do lado aqui

      responder
  • Aline Simas

    Clayci como é bonito e importante isso que você está fazendo!

    Não sou mãe mas acho muito válido o não endeusamento da mãe. Criar uma história da magia de ser mãe, muitas vezes cria um endeusamento e expectativas que só frustram mulheres. Já não basta o perfeccionismo que a sociedade cobra da mulher, o endeusamento da mãe só nos coloca um patamar que não é real e inalcançável pelos simples fato de sermos seres únicos.

    Estou adorando acompanhar essa nova fase de amadurecimento e descobertas suas e te desejo saúde, força, empatia consigo mesma e resiliência.

    Abraços!

    responder
ir ao topo

Buscar no site

plugins premium WordPress
5 lições que aprendi no meu puerpério até agora Ritual de Leitura A canção de Aquiles: 5 motivos para ler Conheça a Quanti Café