Fotografia


Psicopata Americano – Bret Easton Ellis

Quando assisti Psicopata Americano pela primeira vez, foi em uma sala de aula. Eu estava cursando fotografia e tivemos um semestre de Cinema; por isso a professora achou interessante escolher este filme para análise técnica e inclui-lo em nosso trabalho conclusivo.

Precisei assistir ao Psicopata Americano (assim como psicose) várias vezes seguidas. Eu fiquei tão envolvida com o longa, que acabei me interessando pelos bastidores do filme. No entanto, por mais que eu tivesse interesse, nunca fui atrás da obra original. Então, assim que a Darkside Books divulgou este lançamento, com o novo selo Scene Fiction, senti que já era hora de voltar para a Wall Street de 1980.

Esse livro foi publicado originalmente em 1991, mas é estranho pensar que muitos ainda enxergam a toxicidade de Patrick Baterman como exemplo a ser seguido. O livro faz uma crítica pesada ao consumismo. Todos são obcecados por lançamentos e os produtos mais caros. Você não conhece os personagens, mas sim o que eles estão vestindo e os lugares que estão frequentando.

Psicopata Americano: um serial killer à solta

Minha dor é constante e aguda e não quero um mundo melhor para ninguém. Na verdade, quero infligir minha dor aos outros. Não quero que ninguém escape.

Psicopata Americano

Patrick Bateman é atraente, privilegiado, educado e inteligente.  Passa o dia em seu trabalho, em Wall Street, ganhando uma fortuna para complementar aquela com a qual nasceu.  E as suas noites são de luxo, claro, se ele conseguir as reservas em seus lugares favoritos.

Apesar de ter gostado da leitura, ela não fluiu por aqui. As descrições são arrastadas, pois existem muitos detalhes no dia de Patrick. E quando digo detalhes, não estou exagerando. O personagem descreve com maestria desde os equipamentos da academia até as suas relações sexuais. Mas é claro que esses detalhes são necessários, pois é dessa forma que vamos conhecendo o lado sádico dele.

Esses monólogos nos concede acesso aos esconderijos mais obscuros da mente de Bateman. É quando ele se desconecta da realidade, que enxergamos esse lado sombrio e vemos os seus atos monstruosos. Ele sabe que alguma coisa está errada, contudo precisa manter uma imagem de normalidade para disfarçar os seus crimes.

Patrick é obsessivo pela aparência

Patrick – assim como os seus amigos – são repulsivos. Apesar de ser atraente, manter a sua rotina de beleza e frequentar os lugares mais caros, a sua postura é detestável. Ele é machista, abusivo, cruel, racista, homofóbico e violento com as mulheres. Mesmo com todo o poder e atenção voltada para si, não sabe lidar com as suas emoções e vive se comparando com os outros. Sem falar que ele tem uma obsessão maluca por Donald Trump, Chega ser até assustador ver que mesmo depois de tantos anos esse homem ainda tem poder e destaque.

Demorei para finalizar essa leitura e até comemorei quando fechei o livro. Não me arrependi de ter lido e é uma obra que eu recomendo para quem curte o gênero. Mas precisei de muita paciência para ler todas as descrições do personagem. No filme isso foi melhor trabalhado, por conta do visual. Você não precisa ver o restaurante que ele frequenta e como é a decoração, você apenas vê. Entretanto, a experiência de entrar na mente de Baterman é muito melhor no livro.

newsletter receba novidades

Receba atualizações do blog por email

veja também

  • um cenário intrigante, perturbador e tocante

    Livros

    Como se fôssemos vilões – M.L.Rio

    Por

  • Maggie O'Farrell conseguiu me destruir

    Livros

    Hamnet – um livro que me fez chorar até soluçar

    Por

  • a princesa de Creta, desejada por homens e deuses... e irmã do temível Minotauro

    Livros

    Ariadne – Jennifer Saint

    Por

comentários

ir ao topo

Buscar no site

plugins premium WordPress
Tatuagem Literária: A vida invisível de Addie LaRue Frases do livro: A casa no mar Cerúleo Trechos do livro A sociedade de Atlas Trechos do livro: Mansão Gallant