Tea time


Para toda a Eternidade – Conversando sobre a morte

Para Toda a Eternidade é da Caitlin Doughty; uma agente funerária e escritora norte-americana. Foi publicado pela Darkside Books.

Como você lida com a morte?

Eu sei que essa pergunta causa desconforto. Algumas pessoas conseguem lidar melhor com esse assunto, mas a grande maioria não sabe como enfrentar a morte. E não as julgo, pois também sinto dificuldades para conversar a respeito. Todos nós sabemos que deveria ser apenas um ciclo se encerrando, porém ninguém está preparado para isso.

Já me deparei com ela algumas vezes ao longo dos meus 30 anos, mas sempre optei por fingir que ela não existia; até chegar o dia em que situações envolvendo entes queridos me fizessem parar para refletir sobre. Para toda a eternidade foi o meu primeiro contato com autora e fiquei surpresa ao ver a leveza com que ela lida com algo tão “sombrio”.

Para Toda a Eternidade é da Caitlin Doughty; uma agente funerária e escritora norte-americana. Foi publicado pela Darkside Books.

Tive a oportunidade de conhecê-la pessoalmente (falei sobre esse encontro aqui) e de participar de um bate-papo para entender melhor a sua profissão. Caitlin Doughty é uma agente funerária e escritora norte-americana. Ela também mantém um canal no Youtube e fala com bom humor sobre a morte e as práticas das indústrias funerárias.

Para Toda a Eternidade é da Caitlin Doughty; uma agente funerária e escritora norte-americana. Foi publicado pela Darkside Books.

Acredito que todos deveriam dar uma chance para essa leitura. Quando nos deparamos com a realidade, de que somos finitos enquanto matéria, o desespero e o despreparo aparece da pior forma possível. Precisamos falar sobre a morte para aprender a lidar com ela. Lembro que em uma conversa com a minha mãe, acabei dizendo que eu queria ser cremada. Ela mudou de assunto rapidamente e acrescentou um “você é muito nova para pensar nisso”. Mas qual é a idade certa? Justamente por não conversar a respeito, várias famílias são pegas de surpresa quando a morte bate à porta.

Como os ritos pós-morte estão estabelecidos na cultura de diferentes povos;

Em Para Toda a Eternidade, Caitlin viajou para diversos locais do mundo (Austrália, México, Inglaterra, Espanha, Alemanha, Indonésia, Itália, Japão, Bolívia e o interior dos Estados Unidos) para conhecer melhor a cultura e presenciar os seu rituais. A proposta do livro é abordar o luto de uma forma perceptível e com atributos investigativos.

Evitar a morte não é um fracasso individual; é um fracasso cultural. Enfrentar a morte não é para os de coração fraco. É desafiador demais esperar que cada cidadão faça isso por conta própria. A aceitação da morte é responsabilidade de todos os profissionais da morte – diretores funerários, gerentes de cemitério, funcionários de hospital. É responsabilidade de quem recebeu a tarefa de criar ambientes físicos e emocionais em que uma interação segura e aberta com a morte e os cadáveres seja possível.

Para toda a eternidade

Caitlin mostra como as pessoas ao redor do mundo conseguem lidar com a morte de uma forma saudável e extraordinariamente representativa. Enquanto alguns países fazem de tudo para separar os mortos dos vivos, outras culturas preservam essa proximidade. Eu fiquei admirada com a descrição de alguns rituais, mas essa aversão é necessária para mostrar que existe diversidade sobre o assunto.

Durante o bate-papo, alguns leitores perguntaram sobre a rotina da autora. Muitos tinham a curiosidade de saber como ela lidava com o tema no dia-a-dia. Enquanto ouvia a sua resposta, parei para pensar que eu não sei praticamente nada a respeito dos procedimentos funerários no Brasil. Compreendo que não há muito o que fazer e nem nos envolver; afinal contratamos alguém para lidar com o corpo. Mas fiquei interessada em saber mais do procedimento – está certo que esse interesse surgiu com a leveza da autora ao falar das suas experiências profissionais.

Para Toda a Eternidade é da Caitlin Doughty; uma agente funerária e escritora norte-americana. Foi publicado pela Darkside Books.

Todos deveriam ler “Para toda a Eternidade”

Depois de ter a oportunidade de conhecer a autora pessoalmente e ouvir as suas experiências; deu para sentir que o objetivo foi chamar a nossa atenção para um assunto que precisa ser discutido. Portanto, precisamos refletir e questionar a maneira com que lidamos com os corpos após a morte. Foi uma das melhores leituras que fiz esse ano. O livro aborda diversas culturas e evidencia como a fé e a crença se apresentam em ritos diferentes. E a autora faz isso de forma respeitosa, leve e de bom humor. Recomendo!

PLAYLIST: PARA TODA A ETERNIDADE

newsletter receba novidades

Receba atualizações do blog por email

veja também

  • e lidando aos poucos com a agorafobia

    Tea time

    Aprendendo a curtir minha própria companhia

    Por

  • Parei de querer “chegar lá” e decidi investir no “aqui

    Tea time

    O que a vida me ensinou nesses 34 anos

    Por

  • O que ninguém te conta sobre "ser a sua melhor versão todos os dias

    Tea time

    O que Encanto me ensinou sobre burnout

    Por

comentários

  • Ana Luz

    Olá, tudo bem?

    Eu não sabia desse outro livro dela, querooo! Ainda nem consegui adquirir o outro e esse vai pra lista de desejadoa. Kkkk

    Menina, que bacana que você comheceu ela, acho muito show.

    A morte é um tema complicado porquê o emocional se sobrepõe ao biológico. A gente sabe que ela vai chegar pra todo mundo, mas dói… A edição parece tão linda! Lista de desejados com todaaaa certeza!

    Beijo.

    responder
  • Debyh

    Olá,
    Interessante o tema do livro. Eu conheço os rituais de algumas culturas (por realmente tentar entender ao ver um filme, série ou ler um livro) e como você falou alguns se mantem muito próximos e outros bem afastados, realmente é interessante como eles tratam diferente uma situação comum a todos os povos.

    responder
  • Kelen de Oliveira Vasconcelos

    Oi Clayci,
    Sim, morte é um assunto delicado pra todo mundo. Como muitos não gostava de falar sobre o assunto, hoje trato ele como um evento que em algum momento ocorrerá. Depois de perder meu pai percebi que havia coisas que deveríamos ter tratado antes, claro que a perda foi difícil e o inventário pior. Já até falei pra minha mãe que prefiro que ela faça um testamento. Acho mais justo a pessoa escolher o que quer ser feito de suas coisas e nós apenas obedecermos.
    Muito interessante sua resenha ^^
    Bjos
    http://www.kelenvasconcelos.com.br/

    responder
  • Mara Cerqueira Santos

    Achei esse livro bem interessante fiquei super curiosa por ele, sem contar que a edição parece estar linda, o que já é uma marca registrada da Darkside.

    responder
  • Lucy

    Oi, Clayci! Curti sua resenha! Realmente não é um livro que eu leria normalmente, mas é bom saber que é um assunto pra lá de diferente e com uma abordagem que te faz querer ler até o fim e além. rsrs
    Uma amiga minha curte muito esse assunto, vou recomendar a ela. Claro, não vou deixar de ler se tiver oportunidade.
    bjs
    Lucy – Por essas páginas

    responder
  • Ana Caroline Santos

    Olá, tudo bem? Eu tive oportunidade de ler o outro livro da autora, e simplesmente amei. Acredito que é o que vai acontecer ao ler essa também, até porque acho a temática abordada de importância para ser debatido e falado (como você mesmo falou, algumas pessoas preferem ignorar a existência do mesmo, e quando se depara com a morte de alguém próximo, tem que lidar e muitas vezes não lida bem). Talvez por estar mais conectado a esse ambiente da saúde, de vida e morte, acabe sempre me interessando por assuntos do universo. Ótima postagem e que bacana que teve oportunidade de conhecer a autora <3
    Beijos,
    http://diariasleituras.blogspot.com

    responder
    • Clayci

      Estou me planejando para ler o livro anterior dela

      Muito obrigada Ana

      responder
Mais comentários
1 2

newsletter receba novidades

Receba atualizações do blog por email

veja também

  • e lidando aos poucos com a agorafobia

    Tea time

    Aprendendo a curtir minha própria companhia

    Por

  • Parei de querer “chegar lá” e decidi investir no “aqui

    Tea time

    O que a vida me ensinou nesses 34 anos

    Por

  • O que ninguém te conta sobre "ser a sua melhor versão todos os dias

    Tea time

    O que Encanto me ensinou sobre burnout

    Por

ir ao topo

Buscar no site

plugins premium WordPress
Tatuagem Literária: A vida invisível de Addie LaRue Frases do livro: A casa no mar Cerúleo Trechos do livro A sociedade de Atlas Trechos do livro: Mansão Gallant