O menino que desenhava monstros – Keith Donohue

por Posted on 14 Comments 4 min. de leitura 28 visualizações

Na casa dos sonhos, o garoto ouvia o som do monstro debaixo de sua cama.

O menino que desenhava monstros foi um um livro que despertou vários sentimentos enquanto eu o lia. Preciso dizer que comecei a leitura de forma errada; Pensei que iria encontrar uma história de terror com todas aquelas situações a que estamos acostumados a ver em filmes; mas na verdade eu me deparei com uma família que vive um pesadelo devido a uma série de acontecimentos inacreditáveis. O livro não te causa medo; ele faz com que você pense nas coisas pelas quais você tem medo. Confuso? Arrepiante na verdade, hahaha! Vou tentar explicar um pouquinho da história.

Jack Peter mora em uma “casa dos sonhos”, no Maine, com seus pais. Ele tem 10 anos e foi diagnosticado com a Síndrome de Asperger. Ele é uma criança fechada e vive em seu próprio mundo, mas esse problema se agravou depois de um acidente que ocorreu há 3 anos atrás. Jack se afogou e, em consequência desse trauma, não quis mais sair. Desde então ele vive dentro de casa e só possui contato com as pessoas mais próximas a ele: seus pais e seu único amigo, Nick.

O problema é que Jack acredita que existem monstros fora de casa, que estão querendo entrar. E ao contrário dos pais dele, você irá acreditar no pequeno. Apesar dos seus pais não acreditarem nas histórias contadas pelo filho, eles estão sempre em busca da sua recuperação. Tim é otimista e consegue enxergar melhoras em seu filho, porém Holly não consegue ter o mesmo pensamento e se preocupa com o crescimento e a agressividade de Jack.

Já dá para ter ideia do drama que eles vivem! Jack não pode ficar sozinho em casa e, por conta de suas crises, seus pais acabam não saindo também. As coisas começam a piorar quando surge uma série de acontecimentos inacreditáveis em volta deles. Porém, não desconfiam que isso tudo se deu inicio quando Jack começou a desenhar monstros compulsivamente. O que era para ser algo comum – e até mesmo uma atividade que podesse ajudá-lo na recuperação – se tornou um vício doentio.

Como eu disse no início da publicação, Nick é o seu único amigo. Ele é filho dos melhores amigos de seus pais e foram criados juntos. Todavia ao contrário do que tudo indica, Nick não se sente a vontade na presença de Jack e não gosta de ficar preso dentro de casa com o ele, contudo, não reclama porque é o que seus pais querem.

Acontece que Nick desconfia do segredo de seu amigo e se assusta com os seus desenhos. Tudo começou com Tim avistando um homem branco e nu no meio da neve, só que Nick sabia que era um dos desenhos de Jack ganhando vida e que ninguém acreditaria na história caso a contasse. Já Holly começou a ouvir vozes que ninguém mais escutava e no meio desses fenômenos inexplicáveis, eles se negavam a enxergar e a notar o poder do filho.

Li que o livro vai ter uma adaptação cinematográfica em breve e preciso confessar que a história tem todo potencial para virar roteiro, porém não consegui me prender por completo à narrativa. Calma, vou explicar o porquê. Acontece que a construção da história é demorada e isso fez com que eu sentisse vontade de avançar as páginas até chegar no ponto crucial; além do mais, o objetivo do autor é claro: fazer com que você tire as suas próprias conclusões sobre o verdadeiro significado do medo. Contudo senti a história arrastada e cansativa, mas é possível que isso seja proposital, uma vez que a ansiedade pelo desfecho pode alimentar o medo (risada sórdida). Só que não posso negar que o final me surpreendeu – e muito – fezendo com que tudo valesse a pena.

Jack vive em seu mundo e foi bom conhecê-lo um pouco. Ver a forma com que ele interage com seus pais e reage aos estímulos do mundo do lado de fora nos deixa preocupados. Enquanto isso, também notamos esse desgaste nos pais do menino, que amam o filho e querem que Jack se recupere voltando a ter a vida que tinha antes do acidente, mas esse problema faz com que eles se distanciem cada vez mais.

Pretendo dar uma chance para o filme quando for lançado, porque imagino que a minha experiência será diferente. Alguém aí já leu? O que achou da história?
[penci_review]

Receba as publicações por e-mail

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

14 Comments
  • Juliane Barcelos
    julho 12, 2017

    Clay, sua resenha me fez lembrar de O menino feito de blocos, que foi uma leitura que eu adorei.
    O protagonista tinha autismo. Mas diferentemente daqui, não houve fatos inacreditáveis ou coisas do tipo.
    Senti que o final de O menino que desenhava monstros tem uma vibe meio Caixa de Pássaros e se for assim mesmo, quero ler!
    Beijos!

    • Clayci
      julho 17, 2017

      Este é um livro que quero ler muito.
      E já adicionei ele na lista.

      Caixa de Pássaros terminou em aberto, né?
      Esse teve um final fechadinho e explicativo <3

  • Juliana
    julho 7, 2017

    Primeiramente, adorei o formato da resenha nesse post <3 Como ando sumida não sei se você já estava fazendo faz tempo, mas ficou muito legal!
    Eu li esse livro e minha experiência foi meio ao contrário da sua. Gostei do livro inteiro menos do final hahaha Achei que muitas coisas ficaram em aberto, pelo menos do meu ponto de vista e da minha compreensão da história.
    Não sabia que ia virar filme. Com certeza assistirei! Talvez faça com que eu enxergue de uma outra forma.
    E as fotos ficaram muito lindas, super combinando com o tema!

    Beijos!

    • Clayci
      julho 12, 2017

      Ju! Que bom que vc apareceu por aqui <3
      E sério? Eu acho que gostei do final justamente por fechar a história hauhauha
      pq achei muito arrastada XD

      Obrigada Ju <3
      Beijão

  • Tary Belmont
    junho 26, 2017

    Estava em um evento quando anunciaram o lançamento do livro, depois em outro do mesmo teve até concurso de desenhar monstros uahuahua mas ainda não consegui tê-lo, já falaram desde o começo que o final era super surpreendente, e estou morrendo de curiosidade de ler!

    Bites!

    • Clayci
      julho 2, 2017

      E o final é incrível mesmo *_*
      RECOMENDO

  • Midian Santos
    junho 26, 2017

    Olhe… Falou em monstro, eu tô passando longe, hahaha.
    Acho das edições da Darkside umas lindezas!
    Amei a resenha e as fotos. ?
    Beijos

  • Midian Santos
    junho 26, 2017

    Olhe… Falou em monstro, eu tô passando longe, hahaha.
    Acho das edições da Darkside umas lindezas!
    Amei a resenha e as fotos. ?
    Beijos

  • Midian Santos
    junho 26, 2017

    Olhe… Falou em monstro, eu tô passando longe, hahaha.
    Acho das edições da Darkside umas lindezas!
    Amei a resenha e as fotos. ?
    Beijos

    • Clayci
      julho 2, 2017

      hahahahahahahahha
      Pensei que seria super assustador, mas os monstros são tranquilos..
      <3

  • Taís
    junho 26, 2017

    Nunca tinha ouvido falar do livro e achei a historia bem interessante Clay, também ja pensei em algo assustador, mas pelo jeito é numa pegada diferente.. adorei a pagina em branco “desenhe aqui os seus monstros’. Fiquei agora curiosa tb pra ver o filme quando lançar!

    • Clayci
      julho 2, 2017

      E a dó de desenhar? auhauhahuauhuahua
      Medo de rasurar ahiuahuiahui <3

  • Gisele Quagliato
    junho 26, 2017

    Puxa imagina os conflitos na cabeça deste menino, só pelo fato de ter a síndrome de Asperger…que resenha legal Clay…amei muito os detalhes que você traz em sua descrição. Um beijo

Previous
Alice no País das Armadilhas – Mainak Dhar
O menino que desenhava monstros – Keith Donohue

Optimization WordPress Plugins & Solutions by W3 EDGE