Apesar de ter concluído a leitura de “O jardim das borboletas” em menos de 2 dias,, só agora que eu consegui trazer a minha opinião no blog. Demorei para conseguir digerir e encontrar palavras para expressar o que senti enquanto lia.

SOBRE A HISTÓRIA

Ao ler a descrição do jardim pode ser que você se apaixone pelo lugar, pois se trata de uma área colorida, linda e agradável aos olhos. Entretanto, ao conhecer a verdade por trás dessa beleza, provavelmente você irá sofrer. Nesse jardim estão as borboletas selecionadas a dedo. O “jardineiro” escolhe com cuidado a “espécie” que irá embelezar o local. Cada borboleta capturada é colocada em uma nova realidade; Recebe uma nova identidade e vive confinada nessa paisagem. Esqueci de mencionar que essas borboletas, na verdade, são garotas sequestradas e obrigadas a usar uma “fantasia” assustadora para satisfazer este jardineiro. Elas vivem em cativeiro, são torturadas e abusadas diariamente.

Maya é uma dessas borboletas. Ela foi capturada nas ruas de Nova York e levada para o tal “Jardim das Borboletas”. Por ser uma das sobreviventes, a jovem será a responsável por narrar e descrever tudo o que acontecia nesse jardim para os agentes responsáveis pelo caso. O que posso adiantar é que tudo naquele local é assustador demais. E o mais incrível é que esse cativeiro existia há décadas. Todas as meninas sequestradas, logo que entravam no jardim, recebiam uma marca na pele. Elas eram tatuadas durante o “processo de adaptação” e logo que a sessão de tatuagem terminava, eram estupradas pela primeira vez.

O jardim das borboletas - Dot Hutchison

A pessoa que você é não se resume em um nome, mas sim em uma história e eu preciso conhecer a sua.

Assim como as borboletas, elas também tinham vidas curtas. Depois de se adaptarem, descobriam que em um determinado período lá dentro, seriam mortas e expostas em um vidro para a coleção do jardineiro. As garotas vivem sob pressão psicológica e por terem medo de morrer, fazem o que ele (ou até mesmo o seu filho) manda.

O jardineiro possui família e um dos seus filhos ajuda a “cuidar” desse jardim. Assim como o pai, Avery, abusa das meninas; só que a diferença entre eles é que Avery consegue ser ainda pior, pois ele machuca e algumas não conseguiram resistir a intensidade da tortura. Enquanto Maya narra a sua história dentro do jardim, vamos notando frieza em seu relato.

Isso tudo porque a jovem não tinha um passado para se orgulhar. Desde criança foi negligenciada pelos pais, além de conviver com pessoas horríveis na sua infância. Ela foi exposta a vários perigos e traumas; então aprendeu desde cedo a se virar sozinha e a não confiar em ninguém. Desta forma pode ser que você estranhe o comportamento da jovem ao chegar no jardim. Ela não chorou, não se desesperou e assumiu uma postura diferente das demais borboletas. Mesmo não querendo, Maya se tornou a favorita do jardineiro.

O jardim das borboletas - Dot Hutchison

À noite, o Jardim era um lugar de sombras e luar, onde se podia ouvir com mais clareza todas as ilusões que o transformavam naquilo que era. Durante o dia havia conversas e movimento, às vezes jogos ou canções, e isso disfarçava o som dos canos a transportarem água e nutrientes através dos canteiros, das ventoinhas que faziam circular o ar. À noite, a criatura que era o Jardim largava a sua pele sintética para revelar o esqueleto por debaixo.

MINHA OPINIÃO

Sempre sinto receio ao iniciar uma leitura que aborda um tema tão pesado. Contudo, O jardim das borboletas prendeu a minha atenção logo na primeira página. É claro que Maya foi a responsável por isso, pois no inicio já dá pra sentir a sua frieza ao conversar com os policiais.

A autora conseguiu desenvolver a história tão bem que não senti vontade de largar o livro. Ele é instigante, perturbador, incômodo. A forma com que a personagem narra a sua estadia no jardim foi tão real, que me senti envolvida e sofri junto com os seus desabafos. Sem falar que a autora criou diálogos tão incríveis, que eu me senti dentro da sala participando do interrogatório.

Sobre o jardineiro, não quero dar spoilers, mas ver a naturalidade com que ele tratava as borboletas me deixou admirada. Para ele (e seu filho) era uma atitude normal e que estava fazendo um bem para todas elas. Ele realmente acreditava que aquilo que sentia era amor. Maya é uma jovem muito interessante. Ela ganha a confiança das meninas e acaba se tornando uma “mãe” para elas, pois faz de tudo para protegê-las. A jovem tem um segredo e este só será revelado no final. Porém achei que a autora exagerou nesse mistério, mesmo reconhecendo que o segredo é tão terrível quanto todo o resto.

O jardim das borboletas - Dot Hutchison

É uma leitura que recomendo bastante. No entanto é importante salientar a frieza da autora na hora de desenvolver o enredo. Ela não detalha as cenas de estupro (e nem é preciso), apenas deixa a perspectiva subentendida.  Na história são abordados assuntos pesados como estupro, pedofilia e síndrome de estocolmo. Então se você não está passando por uma fase legal, recomendo aguardar e ler a história em outro momento. Este livro pode mexer com o seu psicológico.

 Já leu O Jardim das Borboletas? O que achou?