Tea time


Isso não é parceria, é cilada.

Vocês trabalham com parceria? Olá, como vocês estão? Estou um pouco ausente do blog porque estou tentando me organizar pra conseguir dar atenção para todas as minhas redes sociais. Não está sendo fácil (confesso), pois o meu objetivo é me aprofundar e saber usar as ferramentas de cada uma delas.

Mas o que minha ausência tem a ver com o título da publicação? Atualmente o meu foco está no Instagram, tenho passado mais de 5 horas por dia naquela rede. Estudando métricas, engajamento, alcance e também acompanhando o mundo literário. Admito que tem sido mais fácil acompanhar os lançamentos e opiniões de leituras por lá. Apesar da formatação da rede não ser confortável para ler as resenhas, fica mais simples acompanhar determinado assunto através das hashtags.

Mas o que tem chamado a minha atenção mesmo, são as editoras que estão abrindo parcerias por lá. Eu trabalho (e já trabalhei) com algumas dessas editoras aqui no blog e apesar das regras continuarem as mesmas, rola uma competitividade danada entre alguns usuários por lá.

MAS O QUE É PARCERIA?

Isso não é parceria, é cilada.
  1. Sociedade comercial em que os sócios, parceiros ou compartes, apenas são responsáveis pelo quinhão ou parte com que entrarem e só lucram na proporção do que deram.
  2. Relação de colaboração entre duas ou mais pessoas com vista à realização de um objetivo comum.

Se você for um produtor de conteúdo, já deve estar familiarizado com as parcerias, principalmente por permuta. Entretanto, caso você não saiba, permuta é um tipo de contrato no qual uma das partes é obrigada a dar algo em troca de alguma coisa, que não seja moeda financeira. Várias editoras trabalham dessa forma e acho um jeito legal de promover conteúdo, mas algumas estão extrapolando na hora de criar as regras.

NÃO É PARCERIA QUANDO:

A empresa exige mais do que ela pode oferecer. Mesmo não participando da maioria das inscrições, estou acompanhando os resultados e as regras exigidas de cada editora. Vamos ser sinceros: a editora não está sendo boazinha em te dar um livro. Ela é uma empresa, como qualquer outra, que quer visibilidade e crescimento no mercado literário.

Isso não é parceria, é cilada.

E assim como qualquer outra empresa, ela possui um departamento de Marketing que é responsável pela divulgação do produto. Esse departamento precisa conseguir o melhor resultado com o valor investido em determinada campanha. E qual é a mão de obra mais barata que consegue atingir o público alvo?

a) Pagar para que o meu produto apareça em rede aberta, com milhares de expectadores, mas não necessariamente o meu público alvo. ()
b) Contratar um produtor de conteúdo, pagar um valor bem menor do que seria para a TV e ele falar do produto para o meu público alvo? ()

Teve editoras que estavam exigindo os números de seguidores e deixando claro que esse item seria avaliado na seleção; outras que pediam a estratégia de divulgação do conteúdo permutado enquanto você for parceiro; algumas pediram para avaliar as suas fotos e ver onde poderia melhorar para ter mais chances com a parceria.OI?

MINHA EXPERIÊNCIA COM AS EDITORAS

Quando decidi fazer do Sai da Minha Lente um trabalho, quis tentar parceria com várias editoras. No início foi legal receber vários livros em casa, fiquei entusiasmada e achei que isso traria retorno para o blog. Contudo não foi bem assim o que aconteceu. Fiquei com vários livros acumulados na estante e não conseguia dar atenção para as leituras que eu realmente queria fazer. E no final fiquei decepcionada por não conseguir cumprir os prazos exigidos.

Foi então que amadureci e compreendi que não iria dar conta de tudo. Diminui a quantidade de parceria e me senti mais leve na hora de escrever. Independentemente do seu nicho, parcerias são legais para promover a sua página e criar conteúdo. Entretanto, ela deve ser benéfica para ambos os lados. Não importa se for um conteúdo pago ou permuta, desde que a empresa respeite o seu ritmo e você respeite o seu público.

COMO NÃO CAIR EM UMA PARCERIA CILADA?

  • A primeira coisa que você deve fazer é deixar claro o que você quer e o que pode oferecer em troca.
  • Você estará lidando com uma empresa, por isso deve tratar a parceria com a mesma seriedade. Geralmente as editoras criam um documento, falando como a parceria funciona. Verifique se você concorda com as regras antes de aceitar/ se inscrever.
  • Mesmo que a parceria não seja paga, você deve estabelecer o valor do seu serviço. Quanto você cobraria para fazer tal trabalho? Vale a pena essa permuta?
  • É muito legal ter a atenção de várias marcas, mas lembre-se que permuta não paga as suas contas. Avalie e aceite parcerias com empresas que tenham a ver com você.
  • Não associe o seu espaço, com marcas e empresas que vão contra o que você acredita. E, se em algum momento você se sentir desconfortável, não tenha medo de encerrar a parceria.
  • Não queira tirar vantagem e nem aceite que façam o mesmo com você.

E antes de tentar qualquer parceria tenha em mente dois pontos importantes.

Faça as coisas com amor

Seu espaço deve falar sobre assuntos que você goste e sinta prazer em conversar. Não importa quantos seguidores você tenha. A partir do momento em que você cria uma rotina de publicações e conquista um público – mesmo que pequeno – você estará dedicando o seu tempo a isso. É preciso mantê-la e desenvolve-la. Não há problema algum em receber uma cortesia de uma empresa do seu interesse, no entanto, dê a sua opinião sincera sobre o produto. Valorize o seu trabalho e o seu público.

Mantenha a integridade do seu trabalho

A empresa quer a divulgação do produto, mas e se você não gostar do mesmo? Seja sincero! Uma opinião autêntica dá mais resultados do que você esconder o que realmente pensa. O público que te acompanha consegue identificar quando o seu texto é verdadeiro. E se por acaso eles decidirem dar uma chance para a sua indicação?! O leitor sabe quando é levado a sério e isso pode trazer desconfiança da parte dele. Quando você utiliza argumentos sinceros na hora de expor a sua opinião, um debate saudável sobre diferentes pontos de vista é criado. E isso deve ser valorizado, pois gera confiabilidade e fidelidade dos seguidores.

O que eu quero dizer com tudo isso é que há várias empresas interessantes e que valorizam o trabalho do produtor de conteúdo. São parcerias que realmente te ajudam a crescer e que acreditam no seu trabalho. Dê uma chance para estas empresas! Desconfie daquelas que visam quantidade ao invés de qualidade e principalmente se esquecem dos valores que as mesmas dizem seguir.

newsletter receba novidades

Receba atualizações do blog por email

veja também

  • Parei de querer “chegar lá” e decidi investir no “aqui

    Tea time

    O que a vida me ensinou nesses 34 anos

    Por

  • O que ninguém te conta sobre "ser a sua melhor versão todos os dias

    Tea time

    O que Encanto me ensinou sobre burnout

    Por

  • Me lembrando de como se descansa

    Tentando curtir as minhas férias

    Tea time

    Relembrando como se descansa

    Por

comentários

  • NICOLE

    Oii,

    bom dia. Tenho um blog literário em crescimento e me interessei pelo conteúdo da publicação. Gostaria de saber mais sobre as parcerias. Você cita sobre “cobrar pelo seu trabalho”, como posso “precificar” isso? Em parcerias tanto pagas quanto não pagas. Pode me falar mais sobre sua experiência e métodos que utiliza? Obrigada!

    responder
    • Clayci Oliveira

      Oi Nicole, tudo bem?
      Não vou conseguir te ajudar na precificação, pois esse valor é bem individual.
      Você precisa levar em consideração seu engajamento, tempo que leva pra produzir conteúdo, custos fixos e outros fatores. Mas se interessar a @brumiranda fala sobre o assunto nas redes sociais, o conteúdo dela pode te ajudar nisso =)

      responder
  • Greice Negrini

    o problema é que surgiu tanta gente fazendo um blog ou uma rede só para receber livro. Eu tinha mutas editoras que me deixavam fazer meu trabalho tranquilamente, sem impor nada. Agora eles querem números, muitos seguidores e quase nada em troca. É como ter publicidade gratuita. Não vale mais a pena.

    responder
    • Clayci

      Exatemente Greice!!
      Várias pessoas só fazem com essa intenção =/

      responder
  • Mari

    É bem o que você falou no post. Eu amadureci muito minha relação com as parcerias. Sim, no começo você quer se inscrever em todas, é o máximo ganhar um monte de livro. Mas você vai aos poucos aprendendo a valorizar o seu trabalho como criador de conteúdo. E entende que antes de se inscrever na seleção da editora, é importante você fazer sua seleção de editoras que encaixam no seu perfil e que tem bons termos para a parceria.
    Tinha uma editora que obrigava os parceiros a fazer um post por mês com os seus lançamentos. O que acontecia é que acabava tendo o mesmo post em vários blogs, porque como eram os mesmos lançamentos para todos, os blogs apenas copiavam e colavam as sinopses do catálogo da editora. Quebrava a proposta do conteúdo de cada um dos blogs. Será que isso era bom para os blogs envolvidos?
    Enfim, esse ano resolvi manter apenas as parcerias que realmente senti que deram um bom resultado e com as quais consigo conversar. Já desisti de parcerias que limitam o número de livros para os blogs parceiros, no sentido de só enviar para os 30 primeiros. Virava uma competição para responder o e-mail antes de todo mundo, um stress para conseguir um exemplar para você fazer o trabalho que vai beneficiar a editora.
    Estou muito feliz de ter mantido as parcerias que tenho hoje. Posso até me inscrever em uma ou outra que me interesse, mas sou mais seletiva.

    responder
    • Clayci

      Eu mesma não gosto de ler publicações com lançamentos.
      Gosto de ir atrás e procurar rs se for pra ler a sinopse eu leio no próprio site da editora.

      E tbm estou mantendo parceria com as editoras que gosto <3
      Bem melhor

      responder
  • Larissa Zorzenone

    Oi minha linda Tudo bem?
    Bom, eu nunca tive parceria com nenhuma editora, mas já participei de vários processos de seleção, mas resolvi não me inscrever mais, ao menos por um tempo. Tenho parceria com alguns autores nacionais e já estou em dívida com eles. Acontece que escolhi ler o que estava no clima e não de acordo com a ordem que eu recebia os livros e isso me atrasou com os parceiros. Enquanto eu não diminuir (ou eliminar) a fila de livros parceiros, vou ficar de boa na minha. Estou lendo tanta coisa boa desde que resolvi fazer isso…

    Vidas em Preto e Branco

    responder
    • Clayci

      Tem que ser algo prazeroso, né?
      Eu quero ler alguns clássicos esse ano e sei que muitas parcerias exigiria o tempo que não tenho =/

      responder
  • Isha Rani

    Great post dear. Thanks for tips.

    responder
  • Nilda de Souza

    Eu já comentei no teu insta sobre, mas quero falar aqui também da minha experiência. Já tem quase 10 anos que tenho blog falando de livros. Eu peguei as primeiras parcerias, quando as editoras abriram esse tipo de marketing. No inicio eu fiquei deslumbrada, e logo comecei a perceber que era muito trabalho e pouco retorno, além de algumas leituras por pura obrigação. Desfiz as parceiras. Esse ano só me inscrevi na Companhia das Letras e fui aceita. Já tive parceria com ela e gosto muito do catálogo, então acho que vale apena.

    responder
    • Clayci

      É muito bom quando trabalhamos com uma empresa que gostamos e conhecemos <3

      responder
Mais comentários
1 2 3

newsletter receba novidades

Receba atualizações do blog por email

veja também

  • Parei de querer “chegar lá” e decidi investir no “aqui

    Tea time

    O que a vida me ensinou nesses 34 anos

    Por

  • O que ninguém te conta sobre "ser a sua melhor versão todos os dias

    Tea time

    O que Encanto me ensinou sobre burnout

    Por

  • Me lembrando de como se descansa

    Tentando curtir as minhas férias

    Tea time

    Relembrando como se descansa

    Por

ir ao topo

Buscar no site

Trechos do livro A sociedade de Atlas Trechos do livro: Mansão Gallant Dark Academia O que é? Ficção Científica: 5 livros pra quem quer começar