Ficção Científica

Guerra Sem Fim – Joe Haldeman (sobrevivendo ao ambiente hostil de mundos alienígenas)

Considerado um dos maiores clássicos da ficção cientifica, Guerra Sem Fim ganhou os principais prêmios do gênero: Nebula, Hugo e Locus. Em meio ao seu enredo futurista, diversos temas são discutidos com profundidade: as contradições da guerra, política, ufanismo, passagem do tempo, relações sociais, história humana.

Guerra Sem Fim - Joe Haldeman (sobrevivendo ao ambiente hostil de mundos alienígenas)

SOBRE A HISTÓRIA

William Mandella, um estudante de física, vai relatar a sua experiência de guerra. Ele é um dos soldados convocados para combater os taurianos. Uma espécie alienígena que, ao que tudo indica, atacou e destruiu naves de colonizadores humanos. A Terra decidiu comprar essa briga e a tropa da UNEF mantém uma missão de reconhecimento e revanche (mesmo sem conhecer o inimigo direito).

Os recrutas que irão enfrentá-los, tem QI acima de 150 e uma educação superior a da média. São soldados em plena saúde e em boa forma. Há pontos no espaço chamados de “colapsares” que funcionam como buraco de minhoca; capaz de transportar uma nave instantaneamente para uma área distante no universo. No entanto, antes de encarar o inimigo, eles precisarão iniciar o treinamento no Missouri e simular suas técnicas em um planeta fictício chamado de Charon.

Guerra Sem Fim - Joe Haldeman (sobrevivendo ao ambiente hostil de mundos alienígenas)

No século 20, estabeleceu-se, para satisfação de todos, que “eu estava apenas seguindo ordens” era uma desculpa adequada para condutas desumanas… Mas o que fazer quando as ordens vêm das profundezas do inconsciente, que nos governa como marionetes?
Guerra Sem Fim (Pág. 111)

A capacitação é tão severa que vários recrutas morreram antes mesmo de completar esse treinamento. Como citei ali em cima, essas viagens são possíveis graças ao uso de colapsares. Os mesmos permitem grande saltos, porém essas viagens devem ser feitas à velocidades próximas à da luz e isso causa efeitos de dilatação temporal. Mesmo com todos esses perigos, Mandella e seus colegas são instigados a matar. E por mais que essa motivação seja diferente da realidade que eles conhecem, não há outra saída senão obedecer às ordens.

PLAYLIST GUERRA SEM FIM

E logo depois que surge a primeira batalha com os taurianos, as coisas ficam ainda mais interessantes. Mandella narra a sua experiência e mostra como essa guerra afetou a sua vida. Ele precisa fazer várias jornadas na velocidade da luz. Enquanto isso os séculos passam aqui na Terra, mesmo que tenha sido apenas alguns anos para o soldado. Tanto que ao retornar das suas missões, ele descobre que a humanidade mudou tanto que não tem mais quase nada em comum com o resto da população. E por conseguir sobreviver nestas viagens, Mandella acaba tornando-se o veterano mais velho da guerra; chegando a acompanhá-la até o final, centenas de anos no futuro.

Ninguém queria dizer que a sua equipe estava com medo: medo do cruzador tauriano que se aproximava, medo de aterrissar no planeta portal. O submajor Stott tinha um histórico ruim no que se referia a lidar com pessoas que admitissem ter medo.
Guerra Sem Fim (Pág. 119)

Guerra Sem Fim - Joe Haldeman (sobrevivendo ao ambiente hostil de mundos alienígenas)

MINHA OPINIÃO

Eu ainda não consigo expressar o que senti enquanto lia Guerra Sem Fim. Joe Haldeman foi um veterano da Guerra do Vietnã e, como muitos outros, teve que se alistar contra a sua vontade. Então, ao ver Mandella relatar as suas experiências -mesmo que em um mundo futurista – fez com que eu imaginasse esta época vivida pelo autor. Afinal, assim como o protagonista, ele foi afastado da sociedade em que vivia e jogado em meio a uma guerra; sendo também ferido em batalha; e retornou de suas missões em uma sociedade que não era mais a mesma que ele tinha deixado.

Admito que demorei para entrar na trama e senti as primeiras páginas arrastadas. Mas fico feliz por não ter abandonado a leitura, porque foi uma experiência maravilhosa. Mesmo sendo publicado originalmente em 1974 é impossível não relacionar a crítica do autor aos dias atuais. Joe Haldeman fala sobre a ignorância humana, principalmente a de seus governantes, ao querer levar conflitos adiante sem nem mesmo pensar em outras possibilidades. As pessoas não enxergam saídas para as divergências e acreditam que lutar é o único meio que existe.

Guerras não são vencidas com simples séries de batalhas ganhas, mas com uma inter-relação complexa entre vitória militar. pressões econômicas, manobras logísticas, aceso a informações inimigas, posturas políticas…dezenas, literalmentes dezenas de fatores.
Guerra Sem Fim (Pág. 147)

Guerra Sem Fim - Joe Haldeman (sobrevivendo ao ambiente hostil de mundos alienígenas)

Vale a pena ter na estante…

Uma das coisas que eu mais gostei, foi justamente as diferenças de tempo. Quando os humanos conheceram os taurianos, não sabiam se estavam lutando com tropas séculos à frente ou atrás; em termos de tecnologia e inteligência militar. Da mesma forma que apreciei a abordagem do autor; quando o governo incentivou a homossexualidade para retardar o crescimento da população. Chegou ao ponto de considerar a heterossexualidade um crime. Então, mesmo se tratando de uma história antiga, leia com a mente aberta. Há uma nota do autor nessa edição, em que explica o seu ponto de vista a respeito.

E é claro que eu preciso elogiar o trabalho da Aleph, pois essa edição ficou maravilhosa e deu gosto de ler. Super recomendo esta leitura!


Leia também

Doctor Who: The Secret Lives Of Monsters

Clayci

Uma dobra no tempo – Madeleine L’Engle

Clayci

A vida compartilhada em uma admirável órbita fechada – Becky Chambers

Clayci

3 comentários

Luana Souza 17 de abril de 2019 at 17:12

Nossa, Clayci, eu imaginava algo totalmente diferente quando vi a capa desse livro. Achei a premissa maravilhosa, de toda forma, na verdade, ainda mais instigante do que o que eu tinha na minha cabeça hehe. A Aleph está fazendo bastante divulgação do livro e, depois de saber do que realmente trata, fiquei muito (MUITO!) curiosa para ler. Já vou adicionar na minha wishlist da Amazon 🙂
Suas fotos ficaram lindas, assim como sua resenha. Que bom que não o abandonou (!) <3

Responda
Clayci 17 de abril de 2019 at 18:36

Merecidamente, viu? Torcendo para várias pessoas darem uma chance <3

Responda
Nina Spim 16 de abril de 2019 at 21:48

Oi, Clayci! Ainda não sabia desse livro e ele me fascinou um pouco, tem uma história bem diferente e única. Gostei dessa coisa de guerra e das artimanhas do governo, poderia ser facilmente uma distopia. Gostei bastante da resenha e, como sempre, você arrasou nas fotos!

Love, Nina.
http://www.ninaeuma.blogspot.com

Responda

Deixe um comentário

* Seu comentário será enviado para aprovação.

Optimization WordPress Plugins & Solutions by W3 EDGE