Image default
Home - Experimentando me cobrar menos este ano
Comportamento

Experimentando me cobrar menos este ano

Passei o feriado do ano novo em casa sem ideia do que fazer. Tentei me distrair jogando, mas logo o tédio apareceu e deixei o console de lado. Decidi ver as fotos no meu feed no instagram. Encontrei muito comida e família reunida com legendas inspiradoras e motivacionais por lá.

Fim de ano é o período ideal para refletirmos sobre nossas escolhas e planejar os próximos dias, no entanto, essa época sempre traz algo negativo pra mim. Não consigo finalizar o ano em paz, pois esse momento de reflexão surge como uma cobrança quando paro para pensar no que eu fiz de produtivo durante o ano.

Essa auto cobrança existe já faz um bom tempo. Já cheguei a comentar no blog que cresci em uma família que não sabe ficar parada, ou seja, a expressão “aproveitar o momento” tem uma reação negativa por aqui. Cresci ouvindo que mente vazia é a oficina do diabo; que quem tira o dia de folga são pessoas desocupadas e irresponsáveis. E se você parar pra analisar tem um fundo de verdade.

Não podemos simplesmente parar pra viver o presente, pois existem obrigações e responsabilidades. Temos que pensar nas contas que precisam ser pagas, calcular o dia certo para tirar as merecidas férias, escolher o momento certo para sair com os amigos. E é ai que nos damos conta de que nossas ações são feitas pensando no futuro e não no presente.

Passei anos exercendo a mesma função no mercado de trabalho. Eu não era feliz com o que eu fazia, mas eu sabia que precisava continuar naquele emprego. Teve um dia que participei de uma palestra e o “tédio” foi assunto no painel. Naquele dia eu aprendi que para continuar motivada eu não poderia ficar parada. Eu precisava me cobrar para ter progresso. E comecei a relembrar desse momento no dia do ano novo, como pode?!

Se eu pudesse voltar no tempo, pularia naquele palco e diria que nada daquilo era verdade. Passei boa parte da minha vida em uma empresa,que não me fazia bem, me cobrando. Na minha cabeça, eu só iria melhorar de vida se eu me cobrasse. Minha motivação era movida a cobrança e isso não era saudável, mas é claro que eu só aprendi isso anos depois.

A auto cobrança não fez com que eu melhorasse mais rápido. Ela não fez com que meu rendimento progredisse. Só hoje tenho noção de que eu fiz tudo o que estava ao meu alcance e a única pessoa que tirou proveito dessa situação foi minha superior (o mundo é dos espertos, né?). Depois de tantos anos eu me dei conta de que a auto cobrança me trouxe apenas tensão emocional (a mesma que eu já vivia dentro de casa).

Experimentando me cobrar menos este ano
Experimentando me cobrar menos este ano

“Se você quer uma mudança permanente, pare de focar no tamanho de seus problemas e comece a focar no seu tamanho!” – T. Harv Eker, autor

Se você acha certo se pressionar e acredita que esse é o único meio para chegar na tão sonhada estabilidade, não se engane. Motivar-se é diferente de cobrar-se. Quando estamos motivados de verdade provocamos uma energia boa. Sentimos vontade de compartilhar nossas ideias com o mundo e não nos punimos se algo der errado.

Durante todos esses anos eu deixei de dar importância para as minhas pequenas conquistas. De repente, tudo o que eu ainda não havia melhorado passou a ter mais destaque. Isso fez com que eu perdesse a noção e tivesse mais objetivos do que razões para ficar bem comigo mesma.

Se eu parei de me cobrar? Quem dera. Mas aos poucos eu vou entendendo que o que importa não é finalizar o ano com uma lista de metas cumpridas e sim com a sensação de que eu soube aproveitar os momentos da forma que deveria. Quem sabe no final desse ano, ao invés de sentir culpa eu não sinta orgulho de mim mesma? Uma coisa eu aprendi – pelo menos – não tem nada de mau tirar um dia para ficar olhando para o teto e viver o tédio. Isso se chama ócio criativo e não irresponsabilidade, querido palestrante.

Leia também:

A Dieta Espiritual – um programa para eliminar a negatividade

Diego Lorenzo

6 anos de Sai da Minha lente + Por que eu blogo?

Clayci

Piercing no Septo

Clayci

22 comentários

Douglas 4 de fevereiro de 2018 at 18:57

Eu acredito que, talvez, a nossa própria cobrança sobre nós mesmos seja, na verdade, um reflexo da cobrança dos outros sobre nós.
Eu estou hospedado da casa de parentes, e quando estava em minha própria casa, eu conseguia ficar um dia inteiro diante do computador, trabalhando em histórias. Como não tinha a quem prestar contas, meu dia rendia. Eu conseguia trabalhar em muitas páginas, desde de manhã até a madrugada, e me sentia vido por isso!
Desde que eu vim pra casa de outras pessoas, eu não consigo escrever praticamente nada. Não por mim mesmo, pois sei que estou diante do computador trabalhando na história, mas fico neurótico com o que podem pensar ou dizer sobre mim. Que não faço nada o dia inteiro, coisas do tipo. Acho que só vou conseguir me organizar de novo para investir tanto tempo na história quando estiver novamente na minha casa, onde minha mente pode até me cobrar em relação a algo, mas vai cobrar na medida certa, pois eu conheço o tamanho do “problema” e também conheço o meu próprio tamanho..
Obrigado por escrever!
Um beijo
Douglas
http://ocoracaodomenino.blogspot.com

Resposta
Clayci 5 de fevereiro de 2018 at 14:19

Douglas amei a sua visita por aqui.
Mas saiba que fiquei triste ao ler como está vivendo atualmente. Te entendo demais e me sinto assim diariamente.
Só vou consegui produzir e focar mais nos meus projetos, quando tiver o meu espaço. Aqui onde moro, passo boa parte do dia sozinha e uso esse tempo para criar, porém na primeira oportunidade que surge alguém manda alguma dessas frases destrutivas (Nao sai do pc… “)

Resposta
Karolini Barbara 29 de janeiro de 2018 at 15:18

Eu sempre saio pelos sites e blogs a fins procurando textos diferenciados para ler, esse aqui em questão me chamou bastante a atenção. É muito engraçado, mas é dessa forma que criamos pessoas ansiosas. Nós passamos tanto tempo planejando o futuro e o que esquecemos de viver o presente e aprender com o presente e que esse presente se torne uma memória passada que nos faça bem. O ano passado eu também passei me cobrando, muito, e por me cobrar muito eu fiz tudo errado. No final do ano já estava desesperada para o ano acabar e doida para minhas férias (janeiro está sendo maravilhoso!). Me senti feliz de ter saído de Brasília pela primeira vez, passei uma semana fora daqui, sozinha. E foi a melhor experiência que eu poderia ter vivido. Passei alguns dias olhando para o teto, saindo sem preocupações, esqueci do trabalho e de problemas. Se tem uma coisa que eu aprendi é que posso viver um dia de cada vez, com calma e sem me cobrar. Eu detesto me cobrar porque isso só me torna mais ansiosa. As coisas irão acontecer no tempo certo. Para esse ano eu já bolei umas metas e tudo o mais, mas, pretendo ficar na maior tranquilidade. Inclusive no meu trabalho.

Até mais Clayci! O/
https://j-informal.blogspot.com.br/

Resposta
Clayci 30 de janeiro de 2018 at 14:49

Ahhhh que bom que está curtindo as merecidas férias *_*

É difícil não se cobrar, né? É um exercício diário (ao menos pra mim), mas espero que meu ano continue assim pq estou feliz em fazer as coisas sem pressão rs.

Resposta
Bruna Morgan 10 de janeiro de 2018 at 02:21

Obrigada por esse texto <3 eu estou tentando me cobrar menos, e ano passado fiz um projeto mensal onde destacava todas as coisas boas que fiz. Vou continuar com ele esse ano, e me cobrar menos. Nunca conseguimos coisas boas quando estamos nos pressionando, apenas energias ruins e sobrecargas :c

Resposta
Clayci 15 de janeiro de 2018 at 16:28

Boa sorte pra gente, Bruna <3

Resposta
Luciana Midory 8 de janeiro de 2018 at 12:29

Eu também cresci em uma família que não sabe ficar parada! Por causa disso eu simplesmente não consigo chegar em casa e ficar de boa, sentada no sofá assistindo TV ou lendo um livro… mesmo trabalhando 9h por dia eu tenho que chegar em casa e arrumá-la, blogar, freelar ou fazer atividades físicas. Eu gosto de ser produtiva, mas sim, tem alguns dias que eu canso, não quero fazer nada, e eu nunca havia pensado nessa diferença entre estar fazendo as coisas por motivação ou por auto cobrança. Me atentarei mais à isso a partir de agora <3

Eu acho lindo quando as pessoas conseguem ir contra aquilo que aprenderam a vida inteira, não por rebeldia, mas sim por simplesmente verem que aquilo não faz sentido pra vida delas. Existem várias maneiras de se viver e fico feliz que você esteja seguindo para uma vida mais leve, Clayci! 🙂

Beijos!

Resposta
Clayci 15 de janeiro de 2018 at 16:28

Ahhh Lu te entendo tanto.
Quando eu chegava da escola, não podia me dar ao luxo de me jogar na cama. Tinha tantas tarefas antes de dormir rs e acabei tornando disso um hábito. Sou assim até hoje, não consigo deixar algo inacabado, atrapalha meu sono e começa a cobrança.

Resposta
Ane Reis 7 de janeiro de 2018 at 20:11

Oie Clayci =)

Agora é a minha vez de dizer: Que delícia de desabafo!
Acho que essa cobrança excessiva é mal de signo rs… Eu me cobro muito e o tempo todo e sei o quanto isso me faz mal em especial em relação ao meu trabalho que assim como o seu trabalho antigo, não me faz feliz.
Ainda preciso acertar algumas coisinhas para assinar minha carta de alforria e me dedicar ao que realmente amo. Preciso me cobrar menos e aprender a me desligar mais e não ter medo de errar. Mas a gente vai aprendendo com a vida, não é mesmo?

Beijos;***
Ane Reis | Blog My Dear Library.

Resposta
Clayci 15 de janeiro de 2018 at 16:26

hahahahah será?
Será mal de taurino? rsrsrsr

Resposta
Emy 7 de janeiro de 2018 at 00:22

Clay, que texto verdadeiro. E cheio de verdades.
Eu te entendo muito, e só posso desejar que 2018 seja um ano leve. Um ano de motivação e não cobranças. Que possamos ser felizes com as nossas escolhas!

Um beijo do coração <3

Resposta
Clayci 15 de janeiro de 2018 at 15:50

Que assim seja, Emy <3
Grande beijo

Resposta
Girlady Bouvier 6 de janeiro de 2018 at 22:17

Dá um alívio saber que alguém compartilha de alguns conflitos que tenho! Li o post todo acenando com a cabeça e me identificando em várias partes. Admito que passei a maior parte da vida me cobrando e sendo cobrada, sempre com a mesma desculpa de “motivação”. No fim das contas isso só gerou ansiedades e até períodos de depressão. Por isso que esse ano eu me comprometi a ter compaixão comigo mesma e parar de me cobrar por não ser 100% produtiva o tempo todo. Vai me custar muita disciplina olhar o Instagram e não ficar comparando meus resultados com as outras pessoas, mas preciso fazer isso pro meu próprio bem.

Resposta
Clayci 15 de janeiro de 2018 at 15:48

Oi Girlady <3
Esse tem sido o meu exercício diário: focar apenas nos meus projetos, mas ao mesmo tempo não ser cruel comigo mesma caso não consiga cumprir meus objetivos, sabe? rs

Resposta
Babi Lopes 6 de janeiro de 2018 at 16:47

Clayci, o primeiro passo é estar consciente que devemos nos cobrar menos e ser mais gentis com nós mesmas. Acho que nunca vai existir um dia em que deixaremos essa cobrança de lado completamente – nós somos humanos e infelizmente é mais complexo do que simplesmente parar. É um trabalho que nunca acaba, todo dia temos que lembrar de pegar leve e que temos que ter mais paciência com nós mesmos. E assim a gente segue 🙂

bêjj :*

Resposta
Clayci 15 de janeiro de 2018 at 15:45

Oi Babi <3
Infelizmente é verdade. Até pq a cobrança é necessária para nos manter na linha e até mesmo evoluir.
E o que você disse é fato: é um trabalho que nunca acaba =/

Estou fazendo de tudo para ser mais paciência e gentil comigo mesma..
Beijão <3 Adorei ver vc aqui

Resposta
karina 6 de janeiro de 2018 at 13:49

Oi Clayci
puxa, eu amei muito esse seu post.
Eu decidi que em 2018 eu ia me estressar menos, me cobrar menos, que coisas pequenas não iriam me tirar do sério já que em 2017 eu tive muitos problemas de saúde por causa disso.
Eu também já trabalhei numa empresa em que eu era cobrada e não valorizada.
Sei muito bem pelo que você passou.
beijão
Karina Pinheiro

Resposta
Clayci 15 de janeiro de 2018 at 15:42

Ahhhh desejando aqui que 2018 seja favorável pra gente, poxa a gente merece <3

Beijos

Resposta
AMANDA ALMEIDA 6 de janeiro de 2018 at 11:54

Oi Clayci, tudo bem flor?
Eu sou exatamente assim. Pra mim fim de ano, em especial na véspera do meu aniversário, que é justamente no fim do ano, é um dia não muito alegre. E 2017 foi um ano tão complicado de projetos incompletos, que tinha tudo pra ser o pior dia do meu ano, somando a outras perdas que tive. Mas no fim, apesar do desânimo tentei olhar as coisas boas. Agradeci pela saúde da minha mãe que hoje toma bem menos medicamentos pra ansiedade, pela saúde das pessoas queridas, e comecei a perceber que não adianta essa correria absurda e essa cobrança em excesso. Engraçado que nunca foi cobrada de nada, mas eu sou a pessoa que mais me cobro, meio louco isso, mas hoje diminuiu um pouco e espero que diminua ainda mais em 2018, porque cobrança só gera desanimo. Enfim, esse comentário está enorme, ótima postagem flor.
Bjus,
Amanda

Resposta
Clayci 15 de janeiro de 2018 at 15:39

Oi Amanda, estou bem e vc?
Fico super feliz em saber que sua mãe está tendo uma boa recuperação. São essas coisas que fazem nosso dia valer a pena e nos motiva a continuar seguindo em frente, não é? Eu preciso me exigir menos e aproveitar mais o momento. Não sei até quando vou aguentar, mas já estou conseguindo e adorando essa fase srs.

Beijos

Resposta
eduarda 6 de janeiro de 2018 at 10:53

Mulher esse ano eu decidir me cobrar mais, parar de ser desleixada, de ser eu mesma, eu estou me cobrando muito a ser eu mesma, a nao deixar ngm querer me mudar, e sao cobranças que estou amando, amei sseu texto.

Tu arrasa demais nas postagens, amei ter conhecido seu blog. Sucesso pra ti <3

Atrás da penteadeira

Resposta
Clayci 15 de janeiro de 2018 at 15:35

Oi Eduarda, tudo bem?
É incrível como cada um funcione de um jeito diferente, né? hahahaha
Eu já não consigo funcionar na base da auto cobrança, acabo me desmotivando e me dando ansiedade.

Beijão e muito obrigada

Resposta

Deixe um comentário

* Seu comentário irá para aprovação

Optimization WordPress Plugins & Solutions by W3 EDGE