Tea time


Como você reage às frustrações da vida?

Hoje é um daqueles dias em que quero conversar com alguém, mas não tem ninguém pra isso. Acordei ansiosa; para ser sincera eu nem consegui dormir direito. Estou há dias esperando uma resposta por e-mail e perdi a conta de quantas vezes apertei o F5 para atualizar a caixa de entrada. Fico imaginando como eu sobreviveria na época das cartas, mas enfim, a resposta do e-mail chegou hoje, logo pela manhã, e junto veio a frustração.

Como você lida com o NÃO? Receber um “não” é sem dúvidas algo frustante. E não sei se foi por causa da resposta (ou pela noite mal dormida) que fez com que eu refletisse sobre as frustrações que já tive que enfrentar. E olha que não foram poucas. É impossível passar pela vida sem uma porção de decepções. Ainda mais na infância, quando não compreendemos bem as regras sociais e somos movidos pelo desejo repentino.

Ou vai me dizer que você nunca ouviu um “na volta a gente compra“? Tenho um estoque de respostas da minha mãe, das vezes que pedia algo (que nem precisava) e recebia um não. Eu chorava, batia o pé, me jogava no chão, brigava, tudo em prol de satisfazer a minha vontade. Afinal, eu tinha que ser atendida e tinha que ganhar o combate. Nunca ganhei.

E a espera desse e-mail fez com que eu me lembrasse de um desenho que chamava “Arrume Tudo e Pare Com Isso“. Vocês já assistiram? Eles viviam na terra “Faça o que eu disse” e o nome do desenho e dos personagens eram as broncas que as mães davam nas crianças. Os personagens eram: Pare com Isso e Arrume Tudo; Penteie seu cabelo; Lave seu Rosto; Brinque Lá Fora e seu brinquedo favorito; O pequenino Fique Calmo, e o chato Agora Não!; As duas abelhas Sossega e Silêncio; o dorminhoco Vá Para a Cama e Não Faça Isso; Tome Cuidado; Coma as Verduras; Escove os Dentes e o Grande e briguento EU DISSE NÃO. Achei a abertura desse desenho no Youtube!

 

 

Como pode um desenho infantil ensinar tanto? Vocês conseguem ter ideia da raiva que eu sentia do “Eu disse não”? Mas enfim, desde cedo aprendi que as coisas não são como eu quero. E hoje eu consigo compreender que as minhas frustrações vinham acompanhadas de sentimentos horríveis. Agressividade e baixo auto estima eram as principais emoções que eu sentia quando as minhas expectativas não eram atendidas. Na verdade, analisando melhor, acredito que as reações foram mudando de acordo com a fase que fui vivendo.

Quando eu era criança e não conseguia o que eu queria, sentia raiva. Mas segundo a minha mãe, eu não saia descontando essa raiva em algo ou alguém. Fazia isso comigo mesma, eu me machucava. Conforme eu fui crescendo (e aprendendo que descontar minha raiva nas coisas era a melhor opção) aprendi a sentir remorso e comecei a me sentir indiferente.

Percebi que “explodir” não ajudava em nada e então perdi a vontade de reagir. E vocês acham que isso me ajudou a superar as frustrações? Só piorou. Porque na adolescência eu comecei a me isolar. Acreditava que ficar no meu canto, sozinha, seria mais fácil levar a vida. E é claro que isso não ajudou em nada, pois não conseguia me relacionar com outras pessoas.

Mas aí eu cresci. Consegui meu primeiro emprego (depois de levar vários nãos) e descobri que sempre que eu me sentia frustrada, era só comprar algo para compensar aquele sentimento. Doce ilusão. No entanto, eu não me culpo (não mais). Nem todos sabem lidar com as frustrações, nem mesmo admitir esse sentimento.  Então aprendi do jeito mais difícil, que quando me sinto frustrada, me isolar e lamentar só piora a situação.

Olha como a vida é engraçada. Precisei reviver tudo isso para saber como analisar e reagir a este não que recebi por e-mail. Doeu? Lógico que doeu, mas ninguém precisava saber. Respondi com um “obrigada pela atenção”, aceitei a realidade e segui em frente.

 

Como você lida com a frustração?

Beijos

newsletter receba novidades

Receba atualizações do blog por email

veja também

  • e lidando aos poucos com a agorafobia

    Tea time

    Aprendendo a curtir minha própria companhia

    Por

  • Parei de querer “chegar lá” e decidi investir no “aqui

    Tea time

    O que a vida me ensinou nesses 34 anos

    Por

  • O que ninguém te conta sobre "ser a sua melhor versão todos os dias

    Tea time

    O que Encanto me ensinou sobre burnout

    Por

comentários

  • Chell

    GENTE! Esse desenho hauhauahauaha eu lembro!

    Eu acredito muito numa frase que minha mãe diz que “o que é nosso está guardado”. As coisas tem sempre um porque de acontecer, seja pra gente aprender algo ou porque depois virá algo melhor. Sei que é uma visão meio poliana, mas gosto de pensar que se não deu certo, foi melhor assim.
    Não desista, respira, não pira e mantenha-se firme =D

    responder
  • Luciana Midory

    Taí uma coisa que eu nunca refleti: como lido com a frustração? Acho que o que eu posso dizer é que, por muito tempo, eu quase não me frustrei com “nãos” porque eu mal tentava as coisas, e acho que isso também não era nada saudável.
    Achei seu texto fantástico pela sinceridade, Clayci. Com certeza essa reflexão ficará na minha mente por uns dias.

    Mas também achei muito fofo relembrar o Arrume tudo e pare com isso! Eu adorava esse desenho, ahahaha! Eita nostalgia boa 🙂

    responder
    • Clayci

      nãooooo creio que vc lembra desse desenho.
      Me dê um abraço haiuhauihauihauihaui pois senti que estava falando um pouco sozinha quando citei ele por aqui hahauhauha

      Obrigada

      responder
      • Luciana Midory

        Ahahahaha se você me perguntar o que eu aprendi no último ano da faculdade não vou lembrar, mas provavelmente vou lembrar de quase todos os desenhos que assisti na TV Cultura ahahaha!

        responder
  • Dai Castro

    Aprender a ressignificar as minhas frustrações tem sido um aprendizado diário…
    Lidar com o não é muito difícil, mas o importante é ter maturidade pra fazer o que você fez, seguir em frente!
    <3
    Um beijo!

    responder
  • Rubyane

    Que texto incrível, Clay!
    Agora que você perguntou não sei te dizer como eu lido com as minhas frustrações. Sei que fico de mau humor e quando fico mau humorada eu acabo sendo grossa com as pessoas então prefiro ficar quieta no meu canto para não magoar ninguém, normalmente isso passa depois de uma caneca de chocolate quente e algumas boas horas dormindo.
    Mas é até difícil alguém me frustrar principalmente porque por medo de levar um não na maioria das vezes eu prefiro nem tentar. Preciso mudar isso em mim? Acho que sim.

    responder
    • Clayci

      Eu sempre agi com agressividade tbm =/
      E pra não machucar as pessoas optei ficar no meu canto..

      MAS ANOTEI ESSA SUPER DICA DO CHOCOLATE QUENTE
      ahahahah

      responder
  • Lilian de Souza Farias

    Oi.
    Frustração, ansiedade, um não (que nem sempre é fácil levar), eu tomo um chá, meu briofillum (se necessário), leio um bom livro e reflito sobre pq isso está a me incomodar, depois, sigo a vida normal. Muito raramento conversos com terceiros sobre isso, geralmente, me identifico com os monólogos e diálogos com os livros, às vezes, quando as questões estão bem resolvidas para mim, partilho com alguém que vejo certa sensibilidade para entender do que estou falando.

    responder
  • Jéssica Melo

    Olá Clayci, adorei seu texto e sua reflexão, hoje em dia eu lido com a frustração de uma forma bem tranquila, tento pensar em outras coisas ou fazer algo que eu goste para não me isolar ou ficar pra baixo.

    responder
  • Ana Paula Lima

    Oii!

    Que texto maravilhoso! Acho que nunca parei para refletir sobre como eu reajo á algumas coisas, mas sei que continuo evoluindo aos poucos. Minha mãe fala que quando eu era pequena e levava um não, eu falava que ia vender ela e comprar uma mãe mais legal no mercado hahahaha.
    Gostei do post, gostei de poder refletir um pouco mais sobre mim mesma.

    Ps: AMO coisas feitas para crianças, elas sempre me fazem pensar na vida.

    Beijnhos,

    responder
    • Clayci

      As histórias infantis são as melhores, né? rs

      Muito obrigada pelo comentário <3

      responder
  • Marina Menezes

    Me identifiquei bastante com você! Geralmente quando recebo nãos e coisas assim, aceito com muita facilidade. Até demais, pra ser sincera. No primeiro sinal de “não” eu já vou logo abaixando a cabeça e pensando que “as coisas são assim mesmo”. Parei de reagir, assim como você disse, porque vi que nunca adiantava em nada. É importante a gente observar esses padrões na nossa vida e procurar uma forma de modificá-los né? Essa coisa de não reagir me prejudica tanto que as vezes nem tento, já esperando que não vai dar certo. Obrigada pelo texto!

    responder
  • Nina Spim

    Oi, Clayci! Adorei seu texto. Eu acho que é impossível alguém não ter recebido um não, né? No curso do jornalismo, tive um professor que sempre falava: “o não a gente sabe que vai ter”, então, ele nos incentivava a conseguir o sim, a partir da simples tentativa. Muitas vezes a gente nem tenta, porque está tão concentrado no não que acha que vai receber, né. Mas é melhor receber uma porta fechada do que nunca ter batido nela. Ultimamente eu não tenho lidado com a frustração (amém!), mas eu já agi de diversas formas por causa dela, dependendo da situação.
    Achei o desenho muito gracinha e interessante, vou procurá-lo ^^

    Love, Nina.
    http://www.ninaeuma.blogspot.com

    responder
    • Clayci

      Essa frase de correr atrás do sim, sempre foi um pesadelo pra mim…
      Mas ela faz total sentido. E concordo com vc.. é melhor conviver com essa sensação de ter tentado.

      Beijos e obrigada pelo comentário.

      responder
  • Mari

    Receber um não nunca é fácil, ainda mais quando é para algo que queremos muito. Mas vamos aos poucos aprendendo, não é? Frustrações fazem parte da vida.
    Beijos
    Mari
    Pequenos Retalhos

    responder
Mais comentários
1 2 3

newsletter receba novidades

Receba atualizações do blog por email

veja também

  • e lidando aos poucos com a agorafobia

    Tea time

    Aprendendo a curtir minha própria companhia

    Por

  • Parei de querer “chegar lá” e decidi investir no “aqui

    Tea time

    O que a vida me ensinou nesses 34 anos

    Por

  • O que ninguém te conta sobre "ser a sua melhor versão todos os dias

    Tea time

    O que Encanto me ensinou sobre burnout

    Por

ir ao topo

Buscar no site

plugins premium WordPress
Tatuagem Literária: A vida invisível de Addie LaRue Frases do livro: A casa no mar Cerúleo Trechos do livro A sociedade de Atlas Trechos do livro: Mansão Gallant