A Criatura – Andrew Pyper (O mal se apresenta em diversas formas)

por Clayci
11 comentários

A Criatura é do autor Andrew Pyper, uma das grandes revelações da literatura dark contemporânea, e o livro foi publicado pela Darkside Books.

SOBRE A HISTÓRIA

Os mortos surgem mais vividamente para aqueles que estão a sua procura.Lily Dominick é uma psiquiatra forense solitária que luta contra a memória do assassinato de sua mãe. Ela não se recorda dos detalhes, pois era apenas uma criança quando tudo aconteceu. E apesar de não ter uma imagem clara da cena do crime, Lily se lembra do necessário para não conseguir dormir bem a noite. Apesar de ser uma mulher bem sucedida e gostar da área em que atua, ela nunca aceitou o fato de que sua mãe fora morta por um urso.

Até tentou por conta própria buscar informações sobre aquela noite, mas as respostas eram sempre as mesmas. Só que Lily sabia que um urso não seria capaz de ter feito todo aquele estrago; ela viu o monstro batendo à sua porta. E mesmo tentando seguir em frente, sua vida muda no dia em que ela recebe um novo paciente no centro psiquiátrico em que trabalha. Um homem sem nome que arrancou as orelhas de alguém, aparentemente sem motivo.

Ela está acostumada a lidar com psicopatas, por isso quando este homem fala que não tem um nome e que vive há mais de 200 anos, Lily tenta traçar o seu perfil. Só que durante a entrevista, o homem diz ter informações precisas sobre a morte de sua mãe. No início ela pensou que seu “paciente” fez uma pesquisa bem detalhada sobre a sua vida pessoal, mas sua reação muda quando recebe informações que somente ela possuía. A vida que Lily construiu para si mesma, afim de se livrar do trauma causado pelo assassinato da sua mãe, está prestes a desmoronar.

A Criatura - Andrew Pyper (O mal se apresenta em diversas formas)

O que achei de “A Criatura”

Eu nem sei por onde devo começar. Acho que já mencionei por aqui o quanto gosto da escrita do Andrew Pyper. Quando vi que a Darkside Books traria esse título para o catálogo deles, fiquei bem empolgada. Gostei dos livros anteriores – mesmo com várias pessoas se decepcionando com o Demonologista – e só posso dizer que A criatura se tornou o meu favorito.

Em A criatura o autor tenta desmitificar alguns clássicos de terror que fazem sucesso até hoje. Se você é fã de Drácula de Bram Stoker , Frankenstein de Mary Shelley e Dr. Jekyll e Hyde, de Robert Louis Stevension, então provavelmente você irá gostar dessa leitura. Michael – o monstro da história~que diz ter mais de 200 anos – afirma ter sido a inspiração para essas três obras.

A criatura de Frankenstein: um ser feito de partes mortas, uma alma torturada pela escuridão. Hyde: o psicótico com distúrbio de identidade dissociativa, uma metade o médico responsável, a outra, um paciente em fuga, fora de qualquer controle. E Drácula, uma projeção de luxúria insaciável obscurecida pela ansiedade sexual. Três textos, três condições psicológicas. Mas, no caso, todas reunidas em uma pessoa.

A criatura – Andrew Pyper (pág. 171)
A Criatura - Andrew Pyper (O mal se apresenta em diversas formas)

Frankenstein, O Médico e o Monstro e Drácula ganham novas perspectivas e ficam tão assustadores como em suas origens.

Gosto dos diálogos que o autor cria, tanto que li a primeira parte em um piscar de olhos. Ver a Lily reunindo os detalhes sobre o seu passado, me deixou curiosa para entender a sua ligação com a criatura. Mas então veio a segunda parte da história para me tirar do sério. Senti raiva das suas atitudes em alguns momentos, não vou negar. Comecei a história convencida de que a protagonista estava mantendo o seu juízo sobre ela. Então comprei o seu interesse e desejo de saber mais sobre esse paciente tão emblemático. Assim como a personagem, eu também quis ler o diário do monstro, contudo não consegui mais acompanhar as suas ações. Não sei dizer se foi coragem (já que eu não consigo me imaginar no lugar dela) ou se foi burrice mesmo ao segui-lo por conta própria.

Digo isso porque eu demorei para me conectar com a Lily. Mesmo vê-la narrando sobre o seu passado e o quanto sofreu para seguir em frente, não consegui gostar dela logo de cara. Acho que o sucesso em sua profissão foi por conta da sua frieza, pois não enxerguei sentimento algum em suas atitudes (só o egoísmo, mesmo). Entretanto, fui me acostumando com o seu jeito e quando finalizei a história, vi que não faria sentido se fosse de outra maneira.

Fui conquistada pela criatura

O que me conquistou mesmo foi Michael. Eu fiquei fascinada com a história desse monstro, não vou negar. Porém acredito que esse encanto surgiu por causa dos clássicos usados na trama. Não li Drácula (preciso corrigir essa falha), mas amo Frankenstein e o Médico e o Monstro. Então, realmente enxerguei esses personagens nele; vê-lo relatando a sua história – desde o início– foi como se ele estivesse apenas atualizando a sua versão para os dias atuais.

Ninguém pode alterar o rumo que a humanidade escolheu para si própria. Nem a guerra, nem a escassez, nem a eleição de salvadores.

A criatura – Andrew Pyper (Pág. 183)

Esse livro não me deu medo e para ser honesta não consigo vê-lo no gênero de terror. A criatura só mostrou a sua verdadeira forma nas páginas finais. Esperei muito por isso, pois eu queria ver sangue, perseguição, terror psicológico e fiquei satisfeita com o desfecho. No entanto, por se tratar de um personagem que inspirou histórias de terror, acho que merecíamos mais dele.

Acredito que, ver a história única e exclusivamente na perspectiva de Lily, tenha contribuído para essa “decepção”. Pois muitos acontecimentos que mereciam atenção, não foram aprofundados e explicados. A impressão que tive foi de que o autor realmente homenageou estas três obras com a sua história. Não que isso seja ruim, pois eu realmente gostei da experiência de lê-lo. Eu só queria entender o porquê da criatura ter demorado tanto para procurá-la. Não darei spoilers comprometedores, mas quando finalmente entendemos a sua ligação com o monstro, fica difícil acreditar nessa espera. Bom, se você leu esse livro, vem conversar comigo, pois vou adorar ouvir a sua opinião.

Obrigada Pyper por esta história! E obrigada Darkside Books por trazê-la. Leia a resenha de Os Condenados aqui no blog.

A Criatura Book Cover A Criatura
Andrew Pyper
Darkside Books
304

A história se inicia quando a dra. Lily Dominick, uma psiquiatra forense, precisa avaliar a sanidade de um criminoso. Só que este não é o típico psicopata com quem ela está acostumada a lidar. Há algo diferente neste homem. Algo mágico, sinistro e íntimo, que, de alguma maneira, parece conectado com sua infância, no Alasca. Quando tinha apenas seis anos, sua mãe morreu de forma brutal e misteriosa. Ao contrário do que concluiu a polícia na época, ela sabe que o responsável não foi um urso faminto. Entre lembranças imprecisas e pesadelos constantes, Lily esconde uma certeza: quem matou sua mãe foi... um monstro real.Com dois protagonistas que vivem a dinâmica combativa e fascinante de Clarice Starling e Hannibal Lecter em O Silêncio dos Inocentes, A Criatura envereda o leitor por um manicômio abandonado em Budapeste, um teatro vazio no West End de Londres e até mesmo uma cela subterrânea na Romênia. Tudo isso numa narrativa que não deixa o leitor largar o livro por nada — nem ao menos um monstro — nesse mundo

Você também poderá gostar

11 comentários

Liv 2 de março de 2020 - 14:57

Eu adorei as capas que a Darkside criou pras obras desse autor, mas acho que por não ser tão terror assim por que as pessoas se decepcionaram. Tem alguns livros que não tem exatamente a tendência a assustar e ser sanguinolentos, mas mesmo assim tem um quê de monstro. Fiquei bastante curiosa pra conhecer!

resposta
Mara Santos 29 de fevereiro de 2020 - 13:03

Oi, Clayci

Não é mesmo o tipo de leitura que eu faria, mas achei todo o enredo interessante demais e com certeza cheio de reviravoltas e reflexões.
Sem contar que é uma edição lindíssima hein?!

resposta
Dayhara Ribeiro Martins 25 de fevereiro de 2020 - 19:57

Oie! Eu também sou apaixonada pela escrita desse autor, quando li O demonologista me apaixonei completamente pela narrativa e me vi bastante envolvida. Tô louca pra ler esse lançamento e só de saber que voce adorou, já me deixa empolgada também.

resposta
Clayci 26 de fevereiro de 2020 - 13:08

Então eu acredito que vc vai adorar esse livro também <3

resposta
Lilian de Souza Farias 24 de fevereiro de 2020 - 14:57

Essa capa está bonita porque me passou a ideia de um livro antigo, algum que eu compraria em um sebo e gosto dessa sensação, sobre o livro, não conhecia e gostei da proposta. Só fiquei um pouco pé atrás com o fato de a criatura só mostrar sua forma no final.

resposta
Clayci 26 de fevereiro de 2020 - 13:10

Essa edição ficou linda demais

resposta
Luana Souza 19 de fevereiro de 2020 - 10:50

Tenho o primeiro livro desse autor. Consegui trocar num sebo, e acho a edição linda. Lembro que meu pai disse que era um “livro velho” e eu tive que explicar que era o jeito que fizeram o livro: para imitar uma bíblia antiga! Achei lindo o box que a Caveira fez. Só me deixou mais curiosa para ler!
Suas fotos estão lindas. Suas resenhas sempre me deixam com mais vontade de ler cada livro! <3

resposta
Ana Caroline Santos 18 de fevereiro de 2020 - 23:45

Olá, tudo bem? Eu sempre tive curiosidade pela escrita do Piper, porém somente essa obra veio me chamar atenção. Gostei de saber que não é aquele terrorzão, e é um assunto que sempre aguçou minha curiosidade. Espero conseguir curtir e não me decepcionar. Como sempre, arrasando nas fotos e na resenha! Adorei!
Beijos

resposta
Beatriz Andrade 17 de fevereiro de 2020 - 23:02

Eu ainda não li nada do autor e morro de vontade, O Demonologista está na minha lista de desejados há anos e agora esse vai para a lista também, espero não demorar muito para ler os dois livros.

resposta
Clayci 18 de fevereiro de 2020 - 08:42

Ahhh eu gosto tanto da escrita dele.
Torcendo para vc curtir hahaha

resposta
Kênia Cândido 15 de fevereiro de 2020 - 09:45

Oi Clayci.
Pena que o livro não foi o que realmente esperava totalmente. Mas lendo a sua opinião, confesso que aumentou minha curiosa. Só que vou lê-lo já sabendo que não vou encontrar o terror psicológico que imaginava ter na história. Parabéns pela resenha.

Bjos

resposta

Deixe um comentário