Minha experiência com Super Mario Odyssey

O Nintendo Switch foi uma das melhores compras que fizemos este ano. Logo que ele foi lançado, junto com o jogo The Legend of Zelda – Breath of the Wild, ficamos acompanhado as novidades sobre os  lançamentos que surgiriam no decorrer do ano. Embora o Switch já tenha recebido dois títulos com o personagem Mario (Mario Kart 8 Deluxe e Mario + Rabbids), eu estava ansiosa pelo lançamento do Super Mario Odyssey.

Quer dizer, eu e todos os fãs da franquia, né? Pois o jogo foi lançado há poucos dias e já ultrapassou a venda de 2 milhões de cópias. Ele já entrou para a lista de melhores jogos da história, segundo a crítica especializada. E pela primeira vez, tomei a frente por aqui. Não tive paciência para esperar o Di jogar e tirei o console da mão dele (desculpa amor).

SOBRE A HISTÓRIA DO SUPER MARIO ODYSSEY

É a história que já conhecemos bem: a princesa Peach foi raptada pelo Bowser.  Ele quer se casar com a princesa (mesmo contra a sua vontade) e não medirá esforços para isso. E a missão de Mario será impedir esse casamento. Porém, durante o resgate algo dá errado e ele perde a princesa e o seu chapéu. Mario acaba sendo levado para Cap Kingdom e no trajeto ele acaba conhecendo o personagem Cappy. Este personagem também teve a sua irmã raptada pelo Bowser e os dois decidem juntar forças para derrotar o vilão.

Minha experiência com Super Mario Odyssey

Fiz essa foto inspirada no Sand Kingdom

 

UM POUCO MAIS SOBRE O PERSONAGEM CAPPY

Sabemos que Mario é a estrela da Nintendo, mas Cappy é a estrela deste jogo. Sua forma normal é um chapéu branco com olhos grandes, mas ele consegue se transformar em modelos diferentes. A inclusão desse novo personagem foi algo incrível, pois através dele é possível ter 2 jogadores nesse universo. Enquanto um controla o Mario, outro consegue controlar o Cappy e dessa forma somos “obrigados” a trabalhar em equipe para chegar em locais mais difíceis.

Ele tem o poder de “assumir” a forma das criaturas e até mesmo alguns objetos. Isso faz com que a gente tenha uma infinidade de movimentos próprios e com que o jogo não perca a graça. Joguei dessa forma com o Di e preciso confessar que achei difícil controlar a câmera. Contudo o jogo fica muito mais divertidos usando os sensores de movimentos dos joy-cons, pois há liberdade de explorar o potencial dos mesmos e te dá liberdade enquanto joga.

OS REINOS

Ainda não conclui o jogo, por isso não posso falar muito a respeito. Todavia em cada reino existe uma nova forma de executar os movimentos dos personagens. Surgirá vários inimigos conhecidos e para derrotá-los é necessário explorar as suas habilidades.

E dá gosto de visitar cada reino, viu? Está tudo tão caprichado que a gente até esquece da missão principal, só para poder explorar cada detalhe. Há uma variação visual e várias transições entre a versão 3D e 2D. E cada ambiente possui uma trilha sonora que deixa o clima mais tenso ou agradável.

Temos 15 reinos que funcionam em um sistema de mundo aberto. Não é preciso cumprir os objetivos na ordem que estamos acostumados. Em Mario Odyssey você consegue cumprir as missões em uma ordem totalmente diferente de outro jogador, ou seja, o propósito é mergulhar nos reinos e explorar tudo que conseguir. É claro que o intuito principal é derrotar o boss de cada campo. Há também alguns NPCS que podem precisar da sua ajuda e oferecer recompensa (no caso luas) em troca.

Minha experiência com Super Mario Odyssey

Há uma cena no jogo em que precisamos fugir de um dinossauro.

Minha experiência com Super Mario Odyssey

A RIQUEZA DE DETALHES

E já que estamos falando de missões e NPCs, é possível comprar acessórios para o Mario e o Cappy com as moedas que você vai pegando no jogo. Achei isso interessante, pois faz com que a gente sinta vontade de adquirir novos itens e querer voltar a visitar os reinos para desbloquear outros novos.

Ainda não consegui finalizá-lo, mas já posso afirmar que até o momento é o meu favorito do console. Breath of the wild não fica muito atrás, porém em Super Mario Odyssey o cuidado que os desenvolvedores tiveram resultaram em um jogo bem acabado. Os detalhes conquistam e comprovam toda a atenção que tiveram durante a criação.

E se você ainda não teve a oportunidade de jogar e está se perguntando sobre esses detalhes, posso exemplificar. Se em um momento o Mario sair rolando na terra, ele ficará todo sujo. E se você pular na água nesse estado, a sujeira sairá. Assim como Link em Breath of the Wild, Mario também sente frio ou calor, dependendo da região em que está. Enfim são vários detalhes que faz com que Odyssey seja magnífico.

Não posso deixar de citar o mais legal: você pode capturar fotos dentro do jogo e compartilhar nas suas redes sociais (facebook e twitter). O interessante é que você consegue registrar as fotos com vários ângulos e enquadramentos, sem falar dos filtros. Vou compartilhar alguns snaps que fiz:

Agora vou me ausentar das redes sociais por motivos de Super Mario Odyssey.
Alguém aí já jogou?

Beijos

Comentários

Comentários