Quando a pessoa tóxica é você - O que aprendi em 2017.

Senti falta de trazer publicações mais pessoais aqui no blog (e isto estava nas minhas metas desse ano, fracassei lindamente). Se eu tivesse que descrever 2017 com uma palavra, não saberia qual escolher. Foi um ano bem complicado, pois iniciei cheia de expectativas e ideias, contudo acabei me desanimando com algumas coisas. Foi no segundo semestre do ano que as coisas começaram a desmoronar.

Compartilhei por aqui a perda da minha chinchila. Spark, que me deixou depois de ficar 5 anos ao meu lado. Foi difícil porque fiz de tudo para salvá-lo, mas ele não resistiu. Logo depois perdi minha calopsita; Ela decidiu se aventurar pela vida sem nós e então fugiu. E nesse intervalo várias coisas aconteceram. Tive desentendimentos e rompimentos que só me degastaram. Não sei se cheguei no fundo do poço, mas se eu continuasse daquele jeito iria tomar um chá com a Samara em breve.

Pensei que tudo voltaria ao normal se eu deixasse de existir. É complicado assumir isto publicamente, entretanto acho importante compartilhar o ponto em que eu cheguei. As coisas só começaram a mudar quando me dei uma segunda chance. Foi desse jeito que pude perceber que eu estava fazendo tudo errado. É triste reconhecer e admitir, todavia fui uma pessoa tóxica. Compreendi que ninguém é obrigado a absorver os problemas que eu jogo no mundo. E foi com meu pessimismo que acabei confiando na pessoa errada. Foi triste, pois ao mesmo tempo que desabafava as coisas que me incomodavam acreditando que era o certo, prejudiquei pessoas que não mereciam.

E acabei me afastando daqueles de quem não tinham nada a ver com os problemas, mas simplesmente pelo fato de fazerem parte do mesmo ciclo. Admito que foi difícil; controlei a minha vontade de procurá-las, saber como estão e tentar recuperar o tempo perdido. Mas ao mesmo tempo eu sabia que não seria mais da mesma forma. Quando não há mais respeito, não há mais nada.

Hoje eu estou bem melhor. Finalmente consegui me entender com pessoas que convivo e mudar um pouco a minha forma de pensar. Colhi tudo de ruim que plantei e sei que terei que ter paciência para as coisas boas voltarem a surgir. E aos poucos essas coisas estão aparecendo; conheci novas pessoas, novos lugares e dei uma segunda chance para o meu coração.

Quando a pessoa tóxica é você - O que aprendi em 2017.

Paulista (São Paulo)

E se você se sente uma pessoa tóxica vou te dar dois conselhos: 1) Nenhum relacionamento pode ser saudável se você usa o seu tempo para falar mal de outras pessoas. Fiquei surpresa comigo mesma quando vi que estava fugindo de “tretas” e discussões. Eu já falei mal de muita gente e mesmo com o pensamento de “é coisa boba, o que penso não vai prejudicar ninguém‘ vi o quanto me fez mal. Se em vez de ter perdido tempo criando discussões desnecessárias, e o tivesse investido em ideias, seria muito mais lucrativo.

2) Se você já identificou o que te faz mal, pare de se lamentar e comece a agir. É tão mais fácil pensar em como as coisas estão dando errado que esquecemos de tomar uma atitude para contornar a situação. Eu vi que estava incorreta, assumi e bola pra frente. Acho que é a melhor coisa a se fazer. Deixar que o destino se encarregue com o resto.

Decidi que quero iniciar 2018 com a palavra oportunidade. Já me culpei, me castiguei e me perdoei. E ninguém mais tem o direito de fazer isso comigo. Fico triste por ter me afastado de algumas pessoas e de ter magoado outras, mas só quero que estas saibam que me arrependo e espero que encontrem o seu caminho. Que conquistem tudo o que desejam. Pra mim, só quero (e vou) continuar em frente.

Muito obrigada por acompanhar o meu trabalho. E adorei desabafar por aqui, realmente estava sentindo falta.
Beijos

Comentários

Comentários