O Di e eu estamos em uma fase do relacionamento em que percebemos que nos ver de vez em quando já não é o suficiente. Costumo dizer que estamos morando juntos mesmo que em casa separadas, pois tem tantas coisas minhas na casa dele (e vice-versa), fora o fato de sentirmos falta da presença um do outro.

Concordamos que já estamos prontos para iniciar uma vida a dois. No entanto, sabemos que mesmo com a decisão tomada devemos planejar tudo antes de juntarmos as escovas (que já estão juntas no banheiro dele, vai entender). Já decidimos a região que queremos morar aqui em São Paulo e até procuramos alguns apartamentos à venda.

É engraçado porque (pelo menos por aqui) nunca nos atentamos a detalhes que são importantes na escolha de um imóvel. Visitar um decorado, por exemplo, pode ser divertido, mas ter que discutir sobre financiamento, custos, transações e documentações pode ser desanimador. Então se você for como eu, que sempre morou com os pais e nunca precisou ter contato com esse tipo de burocracia, terá dor de cabeça.

Nossa sorte é que não estamos sozinhos nessa. Temos o apoio da nossa família – principalmente do sogro que é formado em Direito e tem uma experiência nessa parte de imóveis. Ele deu algumas dicas preciosas antes de fecharmos qualquer negócio.

1- Definir o tipo de imóvel que queremos comprar

Quando ele fez essa pergunta – como se estivéssemos fazendo uma prova – respondi toda segura: apartamento. Mas depois me dei conta que não era essa a resposta correta. Há vários tipos de imóveis residenciais e se vamos investir em algo, temos que pesquisar antes.

Se você quer comprar uma casa, por exemplo, há opções térreas – com todos os cômodos em um único lugar e aquelas com andares. E é a mesma coisa com o apartamento (sem falar que tem kitnet, flat). Pode parecer algo óbvio (e realmente é), porém definir o tipo de imóvel que queremos ajuda a economizar tempo.

2 – Saber quanto podemos investir

E aqui precisa rolar total sinceridade. Não adianta sair por aí procurando um imóvel, encontrar um que você goste e assumir um compromisso antes de confirmar suas condições com o banco. Para evitar frustrações o ideal é saber quanto consegue financiar antes de sair comemorando.

Como temos o nosso sogro para ajudar, fica mais fácil fazemos simulações de empréstimos. No entanto, se você estiver sozinho nessa não tenha medo de perguntar e pesquisar em todos os bancos que puder. Eles sempre oferecem um crédito pré-aprovado e dessa forma fica fácil saber o quanto da sua renda ficará comprometida com as possíveis parcelas.  Lembre-se sempre que imprevistos podem surgir. Por mais que você faça a compra em um bom momento financeiro, pode surgir alguma dificuldade como desemprego, doença e etc. Por isso é importante sempre deixar algo reservado.

3- Não ter medo de perguntar

Eu sou super insegura e o Di já está acostumado com as minhas inúmeras dúvidas. E é claro que não será diferente na compra do imóvel. Não tenho vergonha de admitir que não entendo nada sobre o assunto. Meu sogro disse que posso perguntar à vontade, desde que encontre uma forma que tudo seja registrado. Seja por e-mail, contrato, documento, porque dessa forma eu posso recorrer caso algo não saia como o combinado. Sem falar que é sempre bom saber com quem você está conversando, por isso tente conhecer as pessoas envolvidas no negócio.

Será que vamos conseguir achar nossa casa dos sonhos?

 

Comentários

Comentários