download-1O Dom;
I.S.B.N: 9788576862796;
Páginas: 336;
Autor: Robert Ovies/
Editora: Verus;
Avaliação: 
Sinopse: Quando C. J. Walker, um garoto de nove anos, encosta no braço da amiga de sua mãe no velório e sussurra o desejo de que ela não estivesse morta, só está tentando fazer a coisa certa. Mas, no momento em que a mulher desperta, a tempestade que se segue não pode ser contida. Pessoas aterrorizadas, dentro e fora das fronteiras da cidade, exigem saber quantos de seus entes queridos podem ter sido enterrados vivos pelo mesmo agente funerário, ou por qualquer outro. Porém a prova de que C. J. Walker pode realmente despertar os mortos é filmada em segredo e então veiculada publicamente. Em uma única manhã, a mãe de C. J., Lynn, vê sua casa se tornar uma fortaleza e seu filho, um alvo. Indivíduos de luto, desesperados para que a morte abandone seus entes queridos; representantes da mídia e de organizações médicas e científicas; influentes líderes religiosos e poderosas agências governamentais, todos mexem seus pauzinhos para ganhar uma posição de vantagem e influência e obter o máximo controle sobre o dom mais poderoso de que já se teve notícia. Em meio à confusão, Lynn e seu ex-marido, Joe, lutam para encontrar uma maneira de escapar com C. J., para mantê-lo em segurança e de alguma forma tornar possível que ele tenha uma vida normal novamente. Mas para isso eles precisam agir rápido, antes que o garoto seja levado por algum dos vários interessados em seu poder. O DOM é um livro ágil e alucinante, que lida com questões sobre morte, vida, amor, ética e fé.

“O Dom” foi a segunda leitura da minha seleção de livros do mês de outubro. Agora imagine se você tivesse o dom de trazer alguém de volta  a vida? Como você lidaria com esse poder? Nesse livro nós lidamos com vários questionamentos, mas principalmente com as consequências dos nossos desejos.

A história já começa em um ambiente pesado: um velório! Poderia ser um velório como qualquer outro: com muita dor, sofrimento e tristeza na hora da despedida.  Porém o desejo e o sussurro de uma criança de nove anos fez com que uma cidade inteira parasse para se questionar sobre a possibilidade de ressuscitar alguém.

Esse garoto de nove anos se chama C. J. Walker e nem ele mesmo sabia sobre o seu dom. Durante o enterro da Marion Klein, ele apenas desejou que ela ficasse bem e minutos depois esse desejo foi atendido. Klein não só voltou a vida como também se curou do câncer (motivo do seu falecimento). Mas o que era para ser visto como um milagre tomou outras proporções, afinal ninguém reparou na presença do garoto o que mais poderiam pensar senão negligência por parte da funerária e hospital? Ela realmente estava morta?

o-dom-1

[blockquote align=”left” author=”O Dom (Pág. 29)”]”Isso significa que ele não acreditava mais em milagres? Ou que não acreditava mais em si mesmo, ou em seu lugar no grande plano de Deus?”[/blockquote]

A história me lembrou de uma passagem da bíblia: “A Ressurreição de Lázaro” no qual Jesus traz Lázaro de Betânia de volta à vida depois de quatro dias de sepultamento. Quando a notícia explodiu nas mídias, C.J sabia o que tinha feito, porém não sabia como lidar e se alguém sequer acreditaria nele. Depois de um desabafo com a mãe – que se sentiu culpada por levá-lo ao velório e se sentir responsável por algo que não tinha sido ele – ela pediu ajuda ao pai de C.J (Joe) para convencê-lo de que aquilo não era possível.

Joe pensou que a melhor maneira de fazer com que ele percebesse que não tinha sido culpa dele era levá-lo a um hospital ver um doente em fase terminal e pedir para que sussurrasse no ouvido do paciente (como fez com Marion). Na cabeça dele quando seu filho entendesse que aquilo não daria em nada, ele não se culparia mais pela volta de Klein. Só que não foi bem assim o que aconteceu! Dez minutos depois da presença de C.J o paciente se curou e foi aí que Joe viu que o menino dizia a verdade.

[blockquote align=”right” author=”O Dom (Pág 54)”]”Não é Deus que as pessoas querem. Elas querem milagres.”[/blockquote]

A partir desse acontecimento a família de C.J perdeu o controle de tudo. Acabaram saindo na mídia e tiveram que ficar trancados em casa por conta dos jornalistas que faziam plantões em frente a casa deles. Todos queriam falar com C.J! Esse dom atraiu não só curiosos, mas a igreja, o governo, os fanáticos. As pessoas começaram aparecer em seu quintal com cartazes pedindo ajuda para curar alguém e isso começou a preocupar a Lynn (mãe de C.J).  No começo Joe enxergava o poder do filho como uma forma de ganhar dinheiro, afinal quantas pessoas pagariam para trazer um ente querido de volta? E se houvesse a ressurreição de alguém conhecido?

O livro me surpreendeu porque nele conseguimos encontrar o pior e o melhor do ser humano. Conseguimos pensar na possibilidade e de como seria se ela acontecesse de fato. O peso da responsabilidade de trazer alguém de volta a vida, ainda mais para uma criança de nove anos. O medo de como as pessoas enxergariam esse poder! O que fariam com C.J se tivessem a oportunidade de tê-lo em mãos? Ele se tornaria uma arma para o governo? Uma experiência para a igreja? Lynn foi a única que pensou nessas questões e se preocupou com o futuro do seu filho.

`Havia uma coisa chamada poder excessivo. E haveria um preço terrível a pagar se as pessoas descobrissem que ele o possuia.”

Não estava com muitas expectativas na leitura e no final o livro me surpreendeu e muito! Valeu a pena ler e recomendo.

Alguém conhecia a história?

Beijos

Comentários

Comentários