Números de azar – Anne Holt 24 87

Números de azar - Anne Holt

Números de Azar

8.5 de 10
*Livro cedido em parceria com a editora.
ISBN: 9788539509652
Páginas: 216
Autora: Anne Holt
Editora: Fundamento
Sinopse: Três crimes. Três códigos. Muito sangue. Nenhum corpo. Quando o calor aumenta… a violência. Em meio ao verão de Oslo, a detetive Hanne Wilhelmsen é enviada para a cena macabra de um possível assassinato. Em um galpão abandonado, há marcas de sangue por toda parte e, na parede, uma intrigante sequência de oito dígitos escrita com o líquido vermelho. Mas não há sinais da vítima. As pistas são escassas. Nos dois sábados seguintes, o horror se repete. Outros locais, números diferentes. Seria uma brincadeira de mau gosto ou a assinatura de um serial killer? E a questão mais importante: onde estariam os corpos? Contando com sua habitual sagacidade, a obstinada Hanne corre contra o tempo. Ela só tem cinco dias até o próximo sábado... Mas o que fazer quando a linha que separa o certo do errado começa a se fundir e o sangue derramado pode manchar não só as mãos de inocentes como também a reputação do departamento de polícia onde ela atua?

Eu adoro romances policias e estava sentindo falta de ler algo do gênero. Anne Holt é uma autora norueguesa incrível que consegue trabalhar com mistérios e crimes de uma forma que faz com que eu me sinta dentro da investigação. Números de Azar foi lançado recentemente pela editora Fundamento.

SOBRE A HISTÓRIA

Os moradores de Oslo estavam vivendo em um verdadeiro inferno. Apesar de ser considerada uma cidade fria, a capital da Noruega enfrentava alguns dias quentes no mês de maio. O clima não era um dos melhores e não falo apenas da temperatura. A cidade não é grande e com o calor inesperado as ruas ficaram movimentadas e isso prejudicou o trabalho dos policiais.

Com recursos insuficientes, os detetives estavam sobrecarregados com o aumento de crimes nesse período. Os números de casos de estupro subiram, mas eles não possuíam orçamento e muito menos equipe para dar conta da demanda. A população exigia segurança, porém os policiais não sabiam o que fazer e nem por onde começar.

E para piorar a situação, Hanne Wilhelmsen, foi chamada para investigar uma cena horrível que ficou conhecida por “massacres de sábado à noite“. Semanas consecutivas com banho de sangue em vários locais isolados espalhados pelas paredes, pisos e tetos. A quantidade era grande e isso instigava Hanne, pois apesar de presenciar a cena não encontrava nenhum corpo. Sua única pista era uma sequência de oito dígitos que o criminoso se preocupava em deixar na cena de crime e esta numeração mudava em cada “massacre”.

Números de azar - Anne Holt
Números de azar – Anne Holt

Ela permanecia completamente imóvel, ponderando sobre como agir. Havia sangue por toda parte. No chão. Nas paredes. Até mesmo no teto, havia manchas que lembravam as figuras abstratas de algum tipo de teste psicológico.

Enquanto Hanne Wilhelmsen estava focada em sua investigação outro crime acontecera. Mais um caso de estupro, no entanto, o criminoso não matou a vitima como os estupradores geralmente fazem. Agora ela e Håkon Sand (seu companheiro de trabalho) terão 5 dias para resolver, identificar e conectar os crimes.

O QUE ACHEI DE NÚMEROS DE AZAR

Números de azar me surpreendeu positivamente. É uma história curta (com menos de 250 páginas), mas consegue ser convincente e a autora não economizou nos detalhes. Inclusive preciso admitir que me senti mal com a descrição de algumas cenas. Quando a jovem foi estuprada, senti náusea com os detalhes narrados. No inicio eu achei desnecessária essa exposição, mas no decorrer da história vi que foi preciso para entendermos as ações da vítima depois do crime.

Números de azar - Anne Holt
Números de azar – Anne Holt
Números de azar - Anne Holt
Números de azar – Anne Holt

Além de estupro podemos encontrar outros assuntos como imigração, corrupção política, uso de drogas, preconceito e crime organizado. O estupro dessa jovem possui ligação com o “massacres de sábado à noite“, entretanto por mais que esse crime seja importante, Hanne está focada na imigração e nas mulheres que vivem ilegalmente no país.

Há um problema com a política de imigração na Noruega e há a discussão sobre a permissão de residência. Os cinco maiores grupos de imigrantes na Noruega são poloneses, suecos, paquistaneses, somalis e lituanos. Então já dá para ter uma pequena ideia das dificuldades que eles enfrentam para sobreviverem por lá. E na história várias mulheres desapareceram, por isso Hanne quer encontrar ligação nesse crime com os imigrantes.

Em relação a detetive posso afirmar que a conheci melhor nessa história. Tive problemas com a caracterização da personagem quando li A Deusa Cega. Hanne se mostrou uma pessoa fria, limitada e isso despertou a minha curiosidade para conhecê-la verdadeiramente. E em Números de Azar isso foi possível, pois ficamos mais próximos da sua vida pessoal e compreendemos melhor a sua relação com a sua parceira Cecilie Vibe. O relacionamento delas é lindo, porém Hanne omite essa relação para os seus colegas de trabalho.

Há outros livros da série, no entanto é possível ler as histórias de forma independente. A fundamento lançou Números de Azar recentemente e você pode comprá-lo com desconto no site da editora.

LEIA OUTRAS RESENHAS DA AUTORA:
A Deus Cega;
1222;

&nbsp

O que acharam da história?
Beijos

 

Comentários

Comentários

Existe uma frase que consegue me descrever perfeitamente bem: “Quando acordei hoje de manhã, eu sabia quem eu era, mas acho que já mudei muitas vezes desde então“ (Alice no País das Maravilhas). Sou uma taurina que gosta de mudanças, estranho né?! Sempre gostei de fazer parte do que não conheço e nunca tive medo de arriscar naquilo que acredito. Sou Whovian, Sherlockian, Slytherin e Nintendista. Apaixonada por fotografia, livros, roedores, toys e miniaturas.

24 Comments

  1. Oii! Amo histórias do gênero policial e essa parece ser bem intensa e envolvente. A edição está muito bonita e a sua resenha me deixou curiosa para conferir a escrita da autora. Obrigada pela dica, bjss!

  2. Olá!
    Essa capa é interessante, mas a premissa consegue ser mais atraente ainda.
    Gosto de leituras que trazem temas diversificados e cheios de reflexão.
    Me agradaria a leitura.
    Beijos!

  3. Olá ?
    Uau eu ainda não conhecia esse livro, mas já entrou para a lista de leitura, apesar dos assuntos mais pesados acho vai ser uma boa leitura.
    Achei bem interessante e já quero saber quem está cometendo os crimes e os motivos dos números nas cenas.
    ótimo sábado
    bjo

  4. Eu estou impactada com duas coisas nessa resenha: a premissa, que parece o meu tipo de livro, e as fotos. QUE FOTOS! Primeiro a gente grita “que hino” e depois lê o texto hahahaha Por mais que o assunto seja pesado (e eu ando lendo uns pesados também), eu me interesso pela forma como os autores abordam, então acho que vou gostar. Um beijo!

  5. Olá!
    Nossa, que livro sanguinolento. Não conhecia a autora, nem o livro, achei a trama bastante interessante e só recomendaria para os que tem estômago forte. Não sei se no momento estou na vibe de livros policiais, mas vou deixar sua recomendação, esse livro tem todos os elementos que me atraem em um livro policial.
    Bjs
    Lucy – Por essas páginas

  6. Até pouco tempo eu não curtia muito os livros policiais, pois sempre fui apaixonada por romances. Porém, mesmo não tendo largado essa minha paixão, fui abrindo meu horizonte para outros gêneros e o policial foi um que me conquistou. Nunca tinha ouvido falar desse livro até hoje, mas pela sua resenha, já quero ler! Saber que será tratado um assunto bem real no livro me deixou com mais vontade ainda e mais curiosa.
    Excelente resenha!

  7. Bem, esse livro trata-se um um assunto bem pesado mais importante. Creio que se algm ia eu chegar a ler vou pular essa cena de estrupo, não sei como ela pode ser importante mas enfim. Gostei da sua resenha, as fotos ficaram lindas. Não conhecia o livro mas me chamou a atenção, acho um fato importante a ser compreendid. A literatra nos ajuda a expandir nossas mentes, adorei. Bjs

    1. Nathaly essa cena faz toda a diferença no desfecho do livro e nas decisões que a vitima toma.
      É pesado, mas não me arrependi de ter lido.
      É um tema que causa desconforto, medo, mas precisa ser discutido né.
      Claro, sempre gosto de citar isso pq pode ser de gatilho pra alguém =/

      Beijos

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Optimization WordPress Plugins & Solutions by W3 EDGE