Ninfeias Negras – Michel Bussi 1

Ninfeias Negras;
ISBN: 9788580416329;
Páginas: 352;
Autor: Michel Bussi;
Editora: Arqueiro;
Avaliação: 
Sinopse: Giverny é uma cidadezinha mundialmente conhecida, que atrai multidões de turistas todos os anos. Afinal, Claude Monet, um dos maiores nomes do Impressionismo, a imortalizou em seus quadros, com seus jardins, a ponte japonesa e as ninfeias no laguinho. É nesse cenário que um respeitado médico é encontrado morto, e os investigadores encarregados do crime se veem enredados numa trama em que nada é o que parece à primeira vista. Como numa tela impressionista, as pinceladas da narrativa se confundem para, enfim, darem forma a uma história envolvente de morte e mistério em que cada personagem é um enigma à parte – principalmente as protagonistas. Três mulheres intensas, ligadas pelo mistério. Uma menina prodígio de 11 anos que sonha ser uma grande pintora. A professora da única escola local, que deseja uma paixão verdadeira e vida nova, mas está presa num casamento sem amor. E, no centro de tudo, uma senhora idosa que observa o mundo do alto de sua janela.

*Livro cedido em parceria com a editora.

Ninfeias Negras foi um livro que me surpreendeu bastante. Apesar de ler várias resenhas elogiando a obra, iniciei a minha leitura sem expectativas e teve até um momento que senti a leitura sendo arrastada, mas quando cheguei no final percebi que valeu a pena toda a construção da história para a chegada do desfecho.

A trama traz três mulheres completamente diferentes, mas com uma ligação de morarem no mesmo bairro e desejarem sair de lá. Elas moram em Giverny (próximo de Paris) e esta cidade é famosa por ter sido “a casa de Monet”. Lá existem várias obras pintadas por ele, dentre elas a tão conhecida série Nenúfares (uma série que reúne aproximadamente 250 telas). Por Giverny ter esta fama é super comum receber turistas e amantes da arte de todo o mundo e é este o motivo que faz com que essas três mulheres sintam prazer em continuar na cidade.

Em um dia como outro qualquer, um homem é encontrado morto de forma brutal. Jêromé Morval foi assassinado com uma punhalada no coração, teve sua cabeça esmagada e ficou submerso em um lago. A perícia encontrou junto ao seu corpo um cartão postal com a reprodução de uma das Ninfeias de Claude Monet e nele uma mensagem de aniversário com uma frase escrita:  O crime de sonhar eu consinto que seja instaurado.  E é a partir daí que inicia as investigações e as dúvidas sobre o porquê de um homem tão bem conceituado ser assassinado daquela maneira?

Enquanto ocorre as investigações nós vamos conhecendo melhor a história dessas três mulheres. A primeira mulher (que narra a história) é uma senhora de oitenta anos e que está prestes a se tornar viúva. Ela nasceu e cresceu em Giverny e por isso conhece a vida de todos que moram lá. Ela conhece as outras duas mulheres, mas vive sem ser notada. Ela gosta de observar o lugar e as pessoas, porém não se intromete nos problemas que surgem. Seu nome não é mencionado a nenhum momento.

Já a segunda mulher se chama Stephanie e é a professora do bairro. Ela está na casa dos trinta e pela descrição no livro percebemos que ela é linda e desejada. Ela é casada (e fiel ao seu marido), porém vive em um dilema sobre amor verdadeiro. A história deixa claro que ela não é feliz em seu casamento e é por isso que ela quer sair da cidade. Ela é uma das suspeitas do crime, pois o Morval tinha interesse por ela e o seu marido é muito ciumento. Ela acaba ganhando mais destaque na história, pois o investigador do caso também acaba se interessando por ela.

A terceira mulher na verdade é uma criança. Ela se chama Fanette e tem quase onze anos de idade. Mas já consegue chamar atenção por sua beleza e talento com a pintura. Ela tem problemas de relacionamento com a mãe e isso faz com que ela sinta vontade de ir embora da cidade, pois ela nunca conheceu seu pai. E para uma criança ela é bem egoísta e decidida, viu?

[blockquote align=”left” author=”Ninfeias Negras”]A primeira só usava preto, a segunda se maquiava para o amante, a terceira enfeitava os cabelos para que voassem ao vento[/blockquote].Mas o que essas três mulheres tem a ver com o assassinato? A história é narrada pela senhora de oitenta anos de uma forma fantástica. É como se nós estivéssemos a frente da situação, vendo tudo da arquibancada. A cada capítulos somos apresentados a novas pistas e situações que serão desvendadas juntos aos investigadores. Confesso que senti a história arrastada em algumas partes, mas no final tudo fez sentido. Nunca esperei por um desfecho assim, para ser sincera pensei em vários finais, menos este. Por isso preciso dizer que vale a pena investir na leitura. É um livro bem diferente e com paisagens lindas (quem gosta de arte vai se apaixonar pelos detalhes narrados pela personagem) e que também fala muito sobre ciúme doentio e obsessão.

RESENHA EM VÍDEO:


Recomendo!

Comentários

Comentários

Existe uma frase que consegue me descrever perfeitamente bem: “Quando acordei hoje de manhã, eu sabia quem eu era, mas acho que já mudei muitas vezes desde então“ (Alice no País das Maravilhas). Sou uma taurina que gosta de mudanças, estranho né?! Sempre gostei de fazer parte do que não conheço e nunca tive medo de arriscar naquilo que acredito. Sou Whovian, Sherlockian, Slytherin e Nintendista. Apaixonada por fotografia, livros, roedores, toys e miniaturas.

1 Comment

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Optimization WordPress Plugins & Solutions by W3 EDGE