Quando entrei no curso de fotografia – há alguns anos atrás – eu já tinha noção das funções básicas de uma câmera. Mas quando ganhei a minha primeira máquina analógica eu sofri muito para entender cada botãozinho dela na época. O modo manual é uma dúvida muito comum para quem está começando a se aventurar no assunto, porém devo dizer que este modo não é um bicho de sete cabeças.

Sei que muitos tem medo de confiar no modo manual e “estragar” um trabalho. Coloquei a palavra estragar em aspas porque a primeira coisa que você tem que entender é que não existe certo ou errado na fotografia. O que existe são técnicas que vão te ajudar a chegar em um resultado, mas até então é você que define o que é certo ou errado. E a partir do momento que você usar o modo manual, começará a ter o controle total da sua câmera e é esta a parte mais legal da fotografia.

Não vou entrar em discussão sobre a marca da sua câmera e nem mesmo a categoria em que ela se encontra. Claro que alguns modelos limitam na hora da configuração, mas tenho certeza de que é possível aproveitar melhor o seu equipamento quando você sair do modo automático.

 

 

1 – CONHEÇA TODOS OS MODOS DE DISPARO DA SUA CÂMERA

Principalmente se você for dono de uma câmera compacta. Essas câmeras não dão muita liberdade na hora de configurar, mas usando os modos de disparo você consegue entender melhor como a sua máquina trabalha. Por exemplo, se você for fotografar algo em movimento é possível usar o modo “Ação“. Eu já fiz uma publicação aqui no Sai da Minha Lente falando sobre cada modo e o que ele faz.

2 – USE O MODO AUTOMÁTICO COMO REFERÊNCIA

Quando você opta pelo modo de disparo automático, todos os ajustes serão feitos pela própria câmera. Isso porque ela faz o cálculo sozinha de acordo com o ambiente em que você está. Então pode ser que ela sinta a necessidade de usar flash ou aumentar a velocidade, por exemplo. Esse disparo pode te salvar em algumas situações, mas não tem a mesma precisão do modo manual. Por isso, use o automático para ter ideia dos valores usado pela máquina na hora do disparo. Depois de ter esses valores é possível mudar para o modo manual e ir configurando aos poucos até você ter o controle total do seu equipamento.

3- ANOTE AS CONFIGURAÇÕES USADAS NO DIA QUE FOTOGRAFOU

Essas dica me ajudou muito no começo! Claro que cada situação existe uma configuração diferente, mas se você se encontrar em uma situação parecida pode usar as referências usadas anteriormente. No começo eu me perdia um pouco quando via as informações, mas aos poucos vira rotina e quando menos esperar estará ajustando a máquina sozinho.

Eu espero que tenha gostado dessas dicas! Elas me ajudaram muito no começo e espero que te ajude também. Não é a máquina que faz o fotógrafo!

Aproveite para se inscrever no canal do blog e me seguir no instagram. Vou adorar ter você por lá!

Bons clicks.

Comentários

Comentários