Meia-Noite em Pequim – Paul French 26

Meia-Noite em Pequim;
ISBN: 9788539507566;
Páginas: 296;
Autor: Paul French;
Editora: Fundamento;
Avaliação: 
Sinopse: Na manhã fria de 8 de janeiro, o corpo da jovem Pamela Werner, filha de Edward Werner – ex-cônsul britânico e personalidade respeitada pela comunidade local –, é encontrado em um terreno baldio. Mutilada e com marcas de espancamento, a vítima teve todo seu sangue drenado e seu coração arrancado. Um cenário cruel que levou medo às ruas decadentes de Pequim e ao Bairro das Embaixadas, morada de ricos estrangeiros e de poderosos diplomatas que criavam suas próprias leis. Um maníaco, vingança ou apenas azar? Motivação política ou retaliação do inimigo japonês? Quem seria capaz dessa barbárie e por quê? A ocupação da China pelas tropas japonesas é inevitável e o governo de Pequim, instável e corrupto, está prestes a abandonar sua população à própria sorte. É apenas uma questão de tempo até que esse inebriante mundo de regalias, escândalos, superstições, clubes de elite e casas de ópio desmorone, arrastando chineses e estrangeiros. E nesse período conturbado, no qual os senhores das guerras agem em benefício próprio e as incertezas tomam conta de todos, os detetives Han, da polícia chinesa, e Richard Dennis, ex-membro da Scotland Yard, correm contra o tempo para juntar as pistas e solucionar o caso de Pamela antes da temida invasão. Setenta e cinco anos após esses acontecimentos, o pesquisador Paul French reconstitui uma história verídica e desvenda os mistérios por trás desse assassinato brutal enquanto retrata com riqueza de detalhes os últimos momentos da Pequim colonial.

*Livro cedido em parceria com a editora.

Um crime do passado.
Um desfecho surpreendente e inquietante.
Pequim, 1937.

Meia-Noite em Pequim nos mostra como o assassinato de uma jovem inglesa assombrou os últimas dias da China antiga. Paul French reconstruiu a história em um período de escândalos, onde os japoneses estavam cercando a cidade, prontos para invadir Pequim.

O assassinato de uma mulher branca chocou todos os moradores da cidade que já estavam se preparando para a invasão do exército japonês. O corpo de Pamela Werner foi encontrado no dia 08 de janeiro de 1937 em terrenos cercados de cães selvagens, morcegos e segundo a superstição “espíritos de raposas” vagando em busca de vítimas.

Pamela era jovem e filha adotiva de um ex-diplomata e advogado. Ela cresceu na cidade e por ser uma estrangeira chamava a atenção de todos, porém se dava bem com os chineses (já que sabia Mandarim). Apesar de ter sido adotada e ter uma boa vida financeira, Pamela era muito sozinha. Seu pai vivia viajando e essa ausência prejudicou no comportamento de sua filha. Ela era rebelde e foi expulsa diversas vezes das escolas em que estudava, até que finalmente encontrou um lugar em que fazia de tudo para ter um bom comportamento.  Antes de morrer, Pamela, disse a sua amiga que ficou sozinha a vida inteira, que não tinha medo de nada e que Pequim era uma cidade segura.

Mas o que mais chocou a população foi a forma que o seu corpo foi encontrado. Pamela foi mutilada, teve todos os seus órgãos removidos e não tinha nenhum vestígio de sangue no local. Como na época todos estavam desesperados – por causa da invasão japonesa – começaram diversos boatos do que teria acontecido com a jovem. Muitos acreditavam na superstição, outros acreditavam que a motivação foi política e alguns acreditavam que foi um louco a solta.

Com poucas pistas dois investigadores se juntaram para desvendar o mistério antes que ele fosse esquecido. O investigador britânico Dennis e o chinês Han correram contra o tempo e se surpreendem com os fatos que foram aparecendo. Não quero estragar a sua leitura, mas preciso dizer que fiquei horrorizada quando descobri o motivo. Não imaginava o desfecho e fiquei agoniada com a revelação.

Mesmo assim é uma leitura obrigatória para quem gosta de História e investigação policial. A forma com que o autor narra faz com que a gente consiga se sentir na cena do crime.

Recomendo!

Comentários

Comentários

Existe uma frase que consegue me descrever perfeitamente bem: “Quando acordei hoje de manhã, eu sabia quem eu era, mas acho que já mudei muitas vezes desde então“ (Alice no País das Maravilhas). Sou uma taurina que gosta de mudanças, estranho né?! Sempre gostei de fazer parte do que não conheço e nunca tive medo de arriscar naquilo que acredito. Sou Whovian, Sherlockian, Slytherin e Nintendista. Apaixonada por fotografia, livros, roedores, toys e miniaturas.

26 Comments

  1. Olá,
    A premissa é bem interessante e fiquei bem intrigada com o final e se as pistas me darão alguma ideia dele.
    Confesso que não sou muito chegada à História e leio pouco sobre investigações, mas creio que essa obra me tiraria da zona de conforto e ainda por cima seria uma excelente leitura.
    Adorei sua resenha e anotei a dica de leitura.

    LEITURA DESCONTROLADA

  2. oi, Clayci… fiquei bem curiosa com esse enredo… o livro tem uma capa atrativa e gosto da temática. assim que tiver oportunidade, vou comprar e ler… tentando imaginar aqui o motivo que levou essa moça à morte… =/

    bjs…

  3. Oi, Clay! Que história surpreendente. hein?!
    Eu fiquei mega curiosa em saber o motivo da morte dela, pois a forma com que você falou foi mega instigante.
    E mesmo que a resenha não me convencesse, as fotos iriam! MENINA, ELAS ESTÃO LINDAS! Parabéns pelo ótimo trabalho.

  4. Quase solicitei esse livro mês passado, mas acabei pegando o 1222.
    Você criou um suspense e me deixou mega curiosa pra saber a motivação! Já quero ler!
    Vou ver se o solicito na próxima leva.
    Beijos!

  5. Caramba, não conhecia esse livro, nem o relato desse acontecimento.
    Acredito que o livro revele o verdadeiro motivo e quem cometeu tal tal crueldade. Fiquei curiosa!
    Adorei a dica de leitura. Parabéns pela resenha.
    Nizete
    Cia do Leitor

  6. Nossa, parece ser um livro bem triste…dica anotada. Gosto de histórias com suspense e mistérios.
    Sua resenha ficou muito boa e nos deixa com vontade de ler.
    Beijo
    Cássia

  7. Oi Clayci, tudo bem?
    Nossa fiquei sem fôlego só de ler essa resenha. Gosto bastante de livros com essa temática. Dica anotada, mesmo ficando apreensiva com leituras assim, não consigo parar de ler depois que começo rsrsr.
    bjus
    Amanda Almeida

  8. Oi. eu amo história e aprecio livro que trazem investigação policial, não conhecia esse e amei o que você apresentou, certamente, entrará para minha meta de leitura. Também quero sentir essa agonia com o desfecho

  9. Eu estou apaixonada pelo seu blog tanto pelo conteúdo como pelo layout em si, achei super clean e super lindo, sério mesmo! eu amo ler, tento ler um livro por mês, mas as vezes pego alguns que parece que a leitura não flui sabe? Mas Meia-noite em Pequim parece ser um daqueles que você começa e não larga mais! Quero ler (:
    Eu fiz algumas indicações de livros no meu blog também http://www.tudodebela.com.br/2017/04/11/dicas-de-livros/ ele não tá tão lindo quanto o seu mas acho que você vai gostar do conteúdo!!
    Amei seu blog (:

  10. um misterio sempre me atrai, mas nao sou mt fa desses livros de investigaçao, que bom que vc gostou pelo menos, achei a capa bem bonita, qm sabe um dia eu tenha a oportunidade de ler ele…

    perolasdelivros.blogspot.com

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Optimization WordPress Plugins & Solutions by W3 EDGE