Se eu disser que assisti esse filme por falta de opção, estarei mentindo! Tenho vários filmes atrasados, inclusive queria ver alguns que foram indicados ao Oscar, mas decidi dar uma chance e aceitar a sugestão da Netflix. Iboyfoi produzido por ela, inclusive é o primeiro longa-metragem de super herói deles– entrou no catálogo no dia 27/01 e conta a história de um garoto que ganhou “superpoderes” após ser baleado.

Tom é o garoto que já conhecemos bem. Ele mora na periferia de Londres e perdeu a sua mãe para as drogas; mora com a vó (uma escritora); sempre foi apaixonado pela colega da escola, mas sempre teve vergonha e medo de assumir esse sentimento e sofre bullying onde estuda. Ele não era o garoto mais inteligente da sala, mas conseguia se destacar dos demais. Não tinha muitos amigos e a maioria das pessoas do seu colégio estão envolvidas com drogas e o tráfico (inclusive o seu melhor amigo).

A garota por quem Tom é apaixonado se chama Lucy (interpretada por Maisie Williams) e um dia ela o chama para estudar em sua casa, porém o que Tom não esperava era presenciar um ato violento na casa dela. Havia 3 pessoas armadas e violentando a garota e ele fugiu quando notaram sua presença na casa. Enquanto ele fugia, tentava ligar para polícia e foi então que ele recebeu um tiro na cabeça.

O tiro acertou o seu celular e vários fragmentos do aparelho se alojaram em seu cérebro. Foi depois de sair do coma que ele descobre que adquiriu o poder de controlar (e a habilidade de se conectar com) qualquer aparelho eletrônico. No começo ele fica deslumbrado e perdido, mas não demora muito para usar esse poder e descobrir quem violentou Lucy, além de usar essa informação para puni-los e tentar acabar com os gangsters do bairro.

Eu gostei do filme, ele fez com que eu refletisse sobre o nosso vício pelo celular. Não nos damos conta das informações contidas em nosso aparelho e como isso pode nos prejudicar. Os efeitos estão legais também, gostei muito da forma que usaram os prédios para criar o efeito de criptografia. O filme se passa em Londres e consegue prender a nossa atenção por não ser parado.

Claro que discutir a coerência na história é besteira., afinal estamos falando de um garoto que ganhou um superpoder após levar um tiro. Mas conseguimos sentir as motivações de Tom ao querer se vingar das pessoas que só trazem problema na sociedade. E o mais interessante é que conseguimos enxergar sua vulnerabilidade mesmo tendo o controle do seu poder. Ele é um hacker e acredita que essa habilidade seja o suficiente para punir e acabar com os gangsters!  A única coisa que eu acho que poderia ter sido melhor construído é a forma com que ele lida com esse poder. Ele sofreu um traumatismo e do nada começou a usá-los sem dificuldades.

Gostei dos assuntos discutidos na história e por isso recomendo o filme para aquele dia que você se sentir entediado

Comentários

Comentários