Crítica: Rush (1ª temporada) 4

Crítica: Rush (1ª temporada)

Há alguns dias atrás eu compartilhei aqui no blog algumas séries que pretendo dar inicio ainda este ano. Estou com esse objetivo, mas enquanto não começo essa listinha fui colocando algumas atrasadas em dia. Contudo esse atraso não é algo de semanas ou meses, falo de anos mesmo. E Rush estava nessa lista de espera.

E por que voltei assisti-la só agora? Porquê estamos falando de Tom Ellis, né amores?! Depois que assisti Lucifer e vi a atuação dele fiquei com vontade de stalkear e acompanhar outros trabalhos. E olha que fiquei surpresa porque ele já participou de várias séries que adoro, mas nunca tinha reparado.

Dr. William Rush é um médico nada convencional. Ele odeia hospitais e decidiu não encarar mais as clínicas desde que perdeu sua licença. Ele conseguiu voltar a exercer sua função, porém optou por usar suas habilidades para lidar com outros tipos de pacientes. Rush atendia criminosos e celebridades que queriam discrição. E é claro que ele levava uma vida boa, afinal atender essas pessoas rendia altos pagamentos.

Crítica: Rush (1ª temporada) Crítica: Rush (1ª temporada) Crítica: Rush (1ª temporada)

Rush também era viciado. Ele se drogava, mas sua desculpa era de que usava a quantidade necessária para continuar com a sua rotina. Ele se relacionava com pessoas complicadas. Logo no primeiro episódio ele foi chamado para cuidar de uma mulher que foi espancada pelo namorado (famoso) e queria sigilo. Na série há várias situações que nos faz refletir sobre ética profissional. Dr. Rush deixa claro para sua atendente que é um trabalho em que não pode se envolver emocionalmente e muito menos tentar interferir nas escolhas de algum paciente.

A série é curta. Com apenas 10 episódios ela foi cancelada logo na primeira temporada. Tudo isso por ser superficial em suas motivações. Há um pouco de humor negro e alguns momentos de descontração, porém nada que seja inovador. Tom Ellis desempenhou bem o seu papel de médico doidão. Ele é apaixonado pela ex, todavia pisou na bola e quando conseguiu uma reaproximação deu mancada de novo; Tem um melhor amigo que estudou com ele, só que seguiu um caminho diferente e formou uma família; O relacionamento com o seu pai não é bom, pois foi ele quem acabou com a sua carreira, enfim…

Crítica: Rush (1ª temporada)

Rush foi uma série que não deu certo e não foi por causa do ator. Ela foi ao ar em julho de 2014 e logo de cara não atingiu a audiência esperada. E ao assistir (apesar de tudo foi bastante elogiada) pude entender o porquê que não foi pra frente. A proposta não é original e digo isso porque é fácil identificar muitos trabalhos que usaram da mesma fórmula logo nos primeiros episódios. Se você assistiu House e Suits vai entender o que estou falando.

Apesar dos lados negativos é uma série que não me arrependi de ter assistido. A trilha sonora é maravilhosa e pude me apaixonar (mais uma vez) pelo ator. Só o final que poderia ter sido melhor, mesmo sendo cancelada e terminando em aberto.

 

Alguém aí já assistiu?

Comentários

Comentários

Existe uma frase que consegue me descrever perfeitamente bem: “Quando acordei hoje de manhã, eu sabia quem eu era, mas acho que já mudei muitas vezes desde então“ (Alice no País das Maravilhas). Sou uma taurina que gosta de mudanças, estranho né?! Sempre gostei de fazer parte do que não conheço e nunca tive medo de arriscar naquilo que acredito. Sou Whovian, Sherlockian, Slytherin e Nintendista. Apaixonada por fotografia, livros, roedores, toys e miniaturas.

4 Comments

  1. Vou confessar que fico com preguiça de assistir uma série que foi cancelada, o que é triste, pois acabo perdendo a oportunidade de acompanhar o trabalho de bons atores – como aconteceu com você.
    Minha irmã assistiu Rush na época, e apesar de também ter comparado com House, ficou triste pelo cancelamento.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Optimization WordPress Plugins & Solutions by W3 EDGE