Depois de ler a sinopse de Como parar o tempo e ver a notícia de que em breve teremos uma adaptação cinematográfica com o Benedict Cumbertach, é claro que fiquei empolgada com a leitura.

SOBRE A HISTÓRIA

Tom Hazard vive uma condição diferente dos demais. Ele não envelhece, ou melhor, a aparência dele não muda frequentemente. Tom já passou dos 400, mas aparenta ter 40 anos. Por conta disso, não pode se permitir viver normalmente sem que haja desconfiança ao seu redor. Para driblar esse problema, Tom vive como um nômade; a cada 8 anos ele altera a sua identidade e se muda para um novo lugar para não levantar suspeitas.

Ele pode viver a vida de quem “quiser”, desde que cumpra as missões que a associação albatroz propõe. O objetivo é manter todos os que vivem nessas condições seguros, mas o que prende Tom nesse grupo é a esperança de encontrar a sua filha, Marion. Ela é fruto do grande amor de Tom. Um amor que ficou no passado. Ele se apaixonou por uma jovem – há muitos anos atrás – quando precisou fugir pela primeira vez. Esta jovem se chamava Rose e levava uma vida normal. Ela aceitou as suas condições, porém eles tinham que mudar com regularidade, já que as pessoas começaram a persegui-los e acusá-los de bruxaria.

Como parar o tempo - Matt Haig

Como parar o tempo – Matt Haig

Antes de Rose morrer, Tom descobre que Marion vive nas mesmas circunstâncias que ele. Ela parou de envelhecer aos 11 anos de idade e fugiu sem deixar pistas. Desde então, ele vive com a esperança de que a associação irá encontrá-la.

A história é narrada em primeira pessoa e dividida em 5 partes. A trama vai alternando entre flashbacks do passado e do presente recente. Atualmente, Tom vive como um professor de história. Ele está cansado das mudanças e quer tentar levar a vida normalmente, por isso acredita que com esta nova identidade seja mais fácil fazer as pazes com o seu passado. Mas é claro que não é isso que acontece. Tom é manipulado pelo chefe da Albatroz – o chantageia com o paradeiro da filha – e tem que cumprir algumas missões mesmo que a contragosto.

Todos os homens consideram os limites do seu campo de visão como os limites do mundo. – Schopenhauer

MINHA OPINIÃO

Eu adoro histórias sobre viagem no tempo e quando li a sinopse do livro fiquei imaginando como seria viver nas condições do personagem. Está certo que ele não tem uma máquina do tempo, contudo me senti uma viajante ao conhecer as suas experiências.

Como parar o tempo é o tipo de livro que só terá coerência se você senti-lo, será que consegui ser objetiva? A história é simples e não tem nada de extraordinário no enredo, inclusive li com aquele sentimento de “já vi isto em algum lugar“. Mas o fato é que o autor escreve com a alma.

Sabemos que um dia iremos morrer, porque esse é o ciclo da vida, todavia esta não é a realidade de Tom. Ele aparenta estar bem fisicamente, mas é fácil sentir o cansaço da sua mente. Sentimos o peso, as dores e as perdas que ele teve que enfrentar durante todos esses anos. O autor conseguiu desenvolver um enredo tão simples de forma tão poética.

Como parar o tempo - Matt Haig

Como parar o tempo – Matt Haig

Ocorreu-me que seres humanos não vivem além dos cem anos porque simplesmente não aguentavam. Psicologicamente, quero dizer. Você se acaba. Não há você o suficiente para seguir em frente. Você fica muito entediado com a própria mente. Com o modo como a vida se repete. Como, depois de um tempo, não há mais sorriso ou gesto inédito.  (Pág. 39)

Há elementos de ficção cientifica, mas isso não é o destaque. O que prende a nossa atenção é ver um homem preso no tempo, tendo que viver diariamente com lembranças que só vão se acumulando. O autor fala sobre a existência humana e do sentido da vida. Ele simplesmente consegue despertar a vontade de viver

O que eu aprendi com o livro Como parar o tempo?

1- É impossível ter o controle de tudo.

Tom tem mais de 400 anos e mesmo não conseguindo prever o futuro, sabe que irá encontrá-lo. Ele vive uma condição especial e mesmo assim não consegue controlar a sua própria vida. É importante parar de desperdiçar o nosso tempo pensando no futuro e se concentrar apenas naquilo que está ao nosso alcance.

2- Vença a preocupação excessiva

Na história, Tom vive com dores de cabeça, insônia, estresse, enjoo e isso tudo porque carrega muita coisa dentro dele. Sei que é preciso ter responsabilidade e às vezes nos anteciparmos ajuda a evitar um problema maior. Porém uma pequena preocupação leva a outra e quando menos esperamos nossa vida está chegando ao fim.

O homem que teme o sofrimento já está sofrendo pelo que teme. (Montaigne)

3- Coloque pra fora

Eu tenho muita dificuldade para colocar o que estou sentindo para fora; e isso é algo que estou exercitando com as minhas consultas ao psicologo. Pra mim, escrever é mais fácil, só que não posso depender apenas dessa ferramenta. Na história, Tom vive uma condição especial e não pode ser expor. Ele sofre por não conseguir compartilhar a sua história com alguém sem parecer “louco”. Mas não precisamos viver como ele, por isso coloque pra fora o que está sentindo.

Sem dúvidas o livro entrou para os os meus favoritos!

Alguém aí já leu?

Comentários

Comentários