Anita Garibaldi - L. Frescura & M. Tomatis

SOBRE A HISTÓRIA

Ana Maria de Jesus Ribeiro nasceu em agosto de 1832, na cidade de Laguna. Completamente diferente das outras meninas, Ana tinha a “mente de um menino em um corpo de mulher” como diziam naquela época. Ela gostava de ser livre, tinha respostas para tudo, não tinha medo de nada e amava cavalos. Nunca gostou de padres, igrejas e muito menos Deus. Por conta dessa “rebeldia” era conhecida como “sangue do diabo“, mas ela nem se importava com isso. Ana sabia desde pequena que existia injustiça no mundo e não aceitava isso.

Miguel era o seu melhor amigo. Sempre presente e disposto a se aventurar com ela. Tinha sentimentos por Ana, porém sabia que não era (e nem seria) correspondido. Chegou a pensar que era por causa da sua perna – mais curta que a outra – mas a jovem não se importava com esse detalhe, pois sabia que ele era corajoso e essa deficiência nunca o impediu de fazer alguma coisa.

Por conta de um episódio desagradável, Ana foi obrigada a se casar aos 14 anos com o Manuel Duarte. Um homem bem mais velho e que vivia bêbado. Ana tinha nojo da presença dele e fazia de tudo para não ter muito contato com o marido. Alguns anos depois, Manuel foi lutar contra os farrapos para defender o imperador. Já o seu amigo Miguel decidiu por combater junto com os injustiçados.

Anita Garibaldi - L. Frescura & M. Tomatis

E foi durante esse combate que Miguel enxergou a dor, a morte e o sofrimento do povo que só estava atrás de liberdade. E foi nesse período que ele também conheceu Giuseppe Garibaldi, o Pirata italiano. Aquele que lutava por uma país que não era seu. No entanto, descobriu que o coração de Ana era.

Havia conhecido Garibaldi. O italiano distante da pátria, que lutava pela liberdade de um país que não era o seu.

MINHA OPINIÃO

Eu já tive a oportunidade de ler outra obra escrita por estes autores. Anita Garibaldi – heroína de dois mundos, foi escrito em conjunto por Lordeana (narrando a visão de Ana) e Marco (na perspectiva de Miguel). Fiquei apaixonada pela forma que esta história foi escrita, principalmente os capítulos em que Miguel era destaque. Pois parecia que ele estava falando diretamente com a personagem; ele nunca se referia a Ana (ou Anita) pelo nome, mas sempre usava “você”.

A leitura foi super rápida, quando dei por mim já estava na metade do livro. Vamos acompanhar a infância de Ana e a relação com sua família. Ela sempre gostou da liberdade e por isso sempre batia de frente com a sua mãe. Como o objetivo é mostrar a sua batalha, em cada capítulo é mencionado o ano e o local dos acontecimentos. E isso facilita muito, pois como estão em guerra, eles acabam viajando muito (não só pelo Brasil, mas Uruguai e Itália) e isso pode confundir um pouco.

Anita Garibaldi - L. Frescura & M. Tomatis

No inicio do livro já podemos ter uma pequena noção de como a sua vida foi sofrida. Antes de se casar, ela denunciou alguém poderoso que tentou abusar dela ainda criança. Contudo as argumentações das pessoas envolvidas foram aquelas que conhecemos bem: “A culpa era dela, pois provocou”. Como suas irmãs já tinham se casado, Ana se tornou a preocupação de sua mãe, por isso a obrigou a viver com um homem mais velho.

Entendi depois. Tarde demais. Este mundo não é para mim. Se você não é de família rica e tem 13 anos, é melhor não denunciar os prepotentes. A desonra cabe a quem é torturado e violentado, e não a quem comete injustiças. Este mundo realmente não é para mim.

Sua vida começou a mudar quando conheceu Giuseppe. Mas se engana quem pensa que a sua relação foi fácil. Ela enfrentou muitas dificuldades entre os farrapos para ser considerada a mulher de Garibaldi. Havia muito preconceito e achavam que por ser a única mulher a bordo, não iria ajudar em nada. Entretanto, foi entre os tiroteios derrubando os inimigos que ela foi ganhando a confiança e o respeito de todos.

É uma leitura que recomendo bastante. Sem falar que o trabalho gráfico está lindo! Eu fiquei apaixonada por esta capa e pela diagramação. No início, pensei que se tratava de um documentário sobre a vida de Anita Garibaldi, mas não é. O livro é uma romantização da história no período da Revolução Farroupilha. Mesmo não sabendo da veracidade dos fatos narrados por eles, eu gostei da leveza com a qual os autores construíram a trama.

 

Anita Garibaldi - Heroína de Dois Mundos Book Cover Anita Garibaldi - Heroína de Dois Mundos
Loredana Frescura & Marco Tomatis
Fundamento
248

Sinopse: Romance histórico baseado na vida de Anita Garibaldi. Por força do destino, nasceu Ana, filha de uma família pobre, no sul de Santa Catarina. Por imposição, casou-se com um homem desprezível, ainda na adolescência. Por amor e sede de liberdade, tornou-se Anita e juntou-se aos farrapos no combate às forças imperiais. A menina que desafiava os costumes encontrou seu norte em Giuseppe Garibaldi - uma paixão arrebatadora que uniu dois mundos. Almas gêmeas no amor e na ideologia, Anita e o "pirata italiano" buscaram a liberdade do povo e encontraram lugar na História do Brasil e da Itália. Assim foi Anita Garibaldi - menina rebelde, mulher apaixonada, mãe de cinco filhos, soldado valente na luta contra a fome, o medo e o desânimo. E esta foi a história de Anita e Giuseppe - um amor que resistiu à opressão, atravessou o Atlântico e venceu todos os obstáculos, sempre iluminado pelas chamas da revolução.

Comentários

Comentários