IMG_5254I.S.B.N 9788565530668 / Páginas: 192 / Editora: Paralela

Sinopse: Uma carta de amor para o mundo dos livros “Livrarias atraem o tipo certo de gente”. É o que descobre A. J. Fikry, dono de uma pequena livraria em Alice Island. O slogan da sua loja é “Nenhum homem é uma ilha; Cada livro é um mundo”. Apesar disso, A. J. se sente sozinho, tudo em sua vida parece ter dado errado. Até que um pacote misterioso aparece na livraria. A entrega inesperada faz A. J. Fikry rever seus objetivos e se perguntar se é possível começar de novo. Aos poucos, A. J. reencontra a felicidade e sua livraria volta a alegrar a pequena Alice Island. Um romance engraçado, delicado e comovente, que lembra a todos por que adoramos ler e por que nos apaixonamos.

Sabe quando você termina de ler uma série e fica sem chão? Você não sabe o que fazer, que leitura começar e foi então que compartilhei meu drama no instagram. Daí minha amiga Laura sugeriu “A vida do Livreiro”  da Gabrielle Zevin e dei uma chance para a leitura O Livro é pequeno (menos de 200 páginas) e eu gostei da história, apesar de não haver nada de surpreendente, conseguiu prender minha atenção e ficar ansiosa com os acontecimentos.

A história é sobre A.J, dono de uma livraria em uma ilha (a única livraria da cidade) chamada Island Books. Logo nas primeiras páginas percebemos a arrogância dele, pois uma representante de uma editora foi até sua loja apresentar alguns títulos e ele a trata super mal (ela era nova na profissão e não conhecia os gostos do A.J). Ela tentou recomendar um dos seus títulos favoritos “Desabrochar tardio”, mas ele não quis nem ouvir a opinião dela e a já dispensou a sugestão.

IMG_5261

As vezes os livros só nos encontram no momento certo

Apesar da “primeira-má-impressão” sobre A.J, nas páginas seguintes conhecemos um pouco melhor a sua história. Ele perdeu a mulher em um acidente de carro e era totalmente solitário (vivia bebendo e se alimentava mal). Possuía uma edição rara de um livro que valia muito dinheiro e a venda desse livro estava em seus planos, pois queria fechar a livraria e ter uma vida mais tranquila, diferente da atual. E um dia, após ele ter bebido muito percebe que esse livro foi roubado, prestou queixa na delegacia e na espera de respostas acaba se deparando com uma surpresa. Após uma corrida matinal ele encontra em sua livraria uma menina de 2 anos com um bilhete dizendo que ele saberia cuidar da criança e que ela ficaria melhor aos cuidados dele.

IMG_5259

Quer que Maya leia livros ilustrados literários, se é que isso existe. E de preferência feministas. Nada com princesas. E não é que esses livros existem?”

É a partir desse momento que a história fica legal, com a chegada de Maya a rotina de A.J muda por completo, aos pouquinhos ela transforma a vida dele (a ponto de fazer novas amizades e ficar acordado a noite quando ela adoece). O livro é uma verdadeira lição de vida, mesmo não havendo nenhuma cena surpreendente e a história sendo rápida, a autora consegue abordar situações que enfrentamos diariamente e faz com que refletimos sobre nossos atos (agradecer mais, reclamar menos #notamental), além de ter várias referências literárias.

Obs: Apesar do livro ser pequeno, tem muita história dentro dele! Recomendo a leitura 😉

Alguém ai já leu?
Beijos

Comentários

Comentários