A Guerra que Salvou a Minha Vida - Kimberly Brubaker Bradley

Assim que A Guerra que Salvou a Minha Vida foi lançado pela editora DarkSide Books, o título chamou a minha atenção. Afinal, como seria possível uma guerra salvar a vida de alguém? Contudo quando iniciei a leitura, pude compreender que a guerra foi a melhor coisa que poderia ter acontecido na vida de Ada e Jamie.

SOBRE A HISTÓRIA

A Guerra que Salvou a Minha Vida - Kimberly Brubaker Bradley

A Guerra que Salvou a Minha Vida – Kimberly Brubaker Bradley

Ada e Jamie são irmãos e moram com a mãe em um pequeno apartamento em Londres. Jamie é mais novo que a sua irmã, mas pode sair de casa para brincar. Já Ada vive presa no apartamento. Sua mãe é abusiva e a maltrata por conta da sua deficiência. Ela nasceu com o pé torto e por conta disso não sai de casa e não tem contato com ninguém além de Jamie.

Eles não sabem o que significa ter um lar de verdade. Por mais que Jamie possa sair de casa e explorar o bairro, sua mãe não se importa com o que ele faz. As condições de Ada conseguem ser piores, uma vez que tem que lidar com as agressões e humilhações diárias. E olha que ela se esforça para agradá-la, pois acredita que o problema esteja nela mesma. A pequena garota cozinha, limpa, cuida do irmão e não reclama quando precisa ficar dentro do armário escuro junto com as baratas.

Ada acredita que se conseguisse andar, faria com que sua mãe a enxergasse com outros olhos. E então se esforça para ficar de pé e andar pelo apartamento, mesmo que sinta dor e sofra com cada passo dado. Como se não bastasse o sofrimento diário, ela descobre que uma grande Guerra está chegando. Com Londres sobre a mira dos alemães, as crianças se tornam refugiadas e são mandadas para o interior. Terão que viver em casas provisórias em um local “seguro” longe da guerra.

Essa condição seria um pesadelo para muitos, afinal, deixar seus familiares para viver em uma casa com desconhecidos pode ser assustador. Entretanto para Ada e Jamie foi uma salvação. Não existia esse medo em Ada, pois ela acreditava que ninguém poderia ser pior que a sua mãe (nem mesmo Hitler). E nesse novo lar os irmão encontraram: refeições regulares, roupas limpas, casa arrumada, espaço para brincar e nada de brigas e surras. Pensando bem, a guerra não só salvou a vida de Ada, mas mostrou o que é ter uma família de verdade.

A Guerra que Salvou a Minha Vida - Kimberly Brubaker Bradley

A Guerra que Salvou a Minha Vida – Kimberly Brubaker Bradley

Era como se eu tivesse nascido ali na vila. Como se tivesse nascido com os dois pés bons. Como se fosse realmente importante e amada.

MINHA OPINIÃO

Já estou na minha segunda leitura do projeto “5 Livros para ler antes dos 30“. A Guerra que Salvou a Minha Vida estava na minha listinha já faz um tempo, no entanto, iria lê-lo apenas em Abril. Ele só pulou a fila nesse projeto porque vi que sairá a continuação da história em breve.

Não sei se eu já disse isso por aqui, mas eu adoro livros narrados por crianças. Por isso me apaixonei pela pequena Ada, logo de cara. Ver a forma com que ela descreve o mundo dela (até então limitado) fez com que meu coração ficasse quentinho. Me senti incomodada com as primeiras páginas por conta dos abusos da sua mãe, mas voltei a me animar quando vi a determinação da garota.

Ela queria sair daquela casa e não se importava para onde iria. Sua única preocupação era o irmão, ela se responsabilizaria e não deixaria que nada de mal lhe acontecesse. Logo que ela chegou na casa da senhora Susan (que os acolheu), sentimos o seu medo e a sua desconfiança. Por mais que a mulher os tratasse bem e oferecesse o melhor, Ada sentia que alguma coisa ruim ainda poderia acontecer.

A Guerra que Salvou a Minha Vida - Kimberly Brubaker Bradley

A Guerra que Salvou a Minha Vida – Kimberly Brubaker Bradley

E achei a forma com que a autora trabalhou isso, sensacional. Ada cresceu em um lar onde vivia sendo humilhada e para ela aquele comportamento era normal. Ela cresceu ouvindo que era um monstro, que era um castigo na vida da sua mãe e não merecia viver. Dá pra sentir o peso que essa garota carrega nos ombros (e foi impossível não me emocionar com algumas cenas).

Você é perfeitamente capaz de aprender. Não dê ouvidos a quem não conhece você. Escute o que sabe. Escute a si mesma.

Se eu pudesse, passaria o dia elogiando esta obra. Não só pela determinação e superação de Ada, mas de outros personagens que se mostraram tão importantes na trama quanto ela. Acredito que dava para fazer um livro para cada um deles. Jamie é uma criança de 6 anos e mesmo vivendo a indiferença da mãe, sente a sua falta. Susan (a senhora que os acolheu) está lutando para vencer a depressão e faz de tudo para cuidar deles. No início, ela sentia que não seria capaz de manter as duas crianças e ver como os dois irmãos transformaram a sua vida, foi lindo.

Sem dúvidas esse livro entrou para os meus favoritos da vida e não vejo a hora de ler a continuação.

Comentários

Comentários