Allon-y! Como estão todos vocês nesse começo de ano? Recuperando as forças gastas em 2016? Espero que estejam todos bem e prontos para passar 2017 com força, fé e muita esperança.

No último dia do ano eu aproveitei que meu irmão iria no 48º Toyo Matsuri (Festival Oriental) no bairro da Liberdade, aqui em São Paulo, para ir junto com ele antes de passar a virada junto da Clay, aí pensei: Por que não unir o agradável ao útil ou vice-versa? E resolvi postar aqui no blog para vocês sobre esse festival, caso ainda não o conheçam. Apesar de rápido e bem movimentado, ele é bem divertido para se aproveitar ao fim do ano.

48º Toyo Matsuri

Trata-se de um evento um pouco diferente, pois ele se inicia no primeiro dia de Dezembro e mantém o bairro ornamentado durante todo o mês, findando no dia 31, junto da realização do Motitsuki Matsuri e este é o ponto chave do qual participei. O Toyo acontece desde 1968, datando da época em que o bairro da Liberdade foi oficialmente marcado como um bairro oriental unindo as cidades de São Paulo e Osaka como cidades-irmãs. O Motitsuki passou a ser celebrado lá desde 1976, tornando a cultura japonesa ainda mais próxima dos brasileiros.

Clássico adereço para proteger do sol

Motitsuki está associado ao bolinho de arroz tradicional do Japão, feito com um arroz mais duro e especial para este alimento, que, culturalmente, é preparado e consumido no primeiro dia do ano. Ele é flexível e firme ao mesmo tempo, simbolizando a perseverança; e ao também a união, uma vez que a família toda ajuda no preparo do mesmo, se revezando ao pilão de madeira onde é amassado por um longo período até atingir a consistência correta.

Moge Xintoista realizando preces para o novo

Selfie de recordação

Quem vai ao festival tem que ser rápido e chegar cedo, pois as filas são um pouco extensas. Há uma para a sopa, que deve ser consumida no local; e outra para o moti, que deve ser levado para se comer no dia seguinte como primeira refeição do ano. Ambos são distribuídos gratuitamente enquanto durarem. Eu consegui apenas o moti e, bom, ele não tem sabor algum e é realmente consistente, mas o panfleto que vem junto ensina a prepara-lo de uma maneira que facilita o consumo e deixa com um gostinho especial.

Taikô

Consegui capturar diversos momentos do festival, mas estava com muitas pessoas aglomeradas e não consegui fotografar o preparo simbólico do moti. Todavia a apresentação de Taikô ficou muito fácil e sempre que os ouço é de tremer todo. É uma sensação única toda vez.

Para finalizar, de acordo com o horóscopo chinês, 2017 é o ano do Galo. É hora de saldar um novo amanhecer. E aí, esse ano vocês pretendem passar lá no Toyo ao final do último mês? Então já deixa anotado na agenda!

Ano do Galo

 

Abraços

Comentários

Comentários